Pular para o conteúdo principal

Sailor Moon R- The Movie

ANÁLISE SAILOR MOON R- MOVIE


Homenagem a Sailor Moon, pelo retorno da franquia em 2011.





 


Todos sabem que a Naoko e a Toei resolveram liberar a franquia para a comercialização, este ano de 2011, para muitas nações. Muitos produtos estão sendo licenciados em diversos países, desde os mangás clássicos, até camisas, cds e a série animada. No Brasil, os licenciadores decidiram por retornar esta série clássica pela fase S. Ainda não sei o porque disso e, sendo honesto, não sei se vai funcionar. Torço para que sim, que funcione. Por isso decidi fazer uma análise de um dos filmes. Muitos sites já estão se encarregando de analisar este retorno, então, decidi por analisar um dos filmes. Mas porque começar a análise por um filme que não está sendo lançado no Brasil? Porque analisar um filme de décadas atrás? Pelas regras do jornalismo, isso se chama “requentar matéria”, isto é, trazer uma matéria antiga, ou de um acontecimento passado, para o presente. Começo por este filme, porque nele se concentra, em poucos minutos, toda a magia da série clássica. E requento a matéria justamente para informar sobre o lançamento dos dvds no Brasil. E requento a matéria, ainda por este filme, para ficar aqui a dica, aos licenciadores, de que os filmes nunca foram lançados no Brasil. Podendo ser, então, uma boa opção para os “moonies” colecionarem.


 


Sailor Moon R - o filme:


 


“A história gira em torno de um encontro que Darien teve com um estranho alienígena enquanto estava internado no hospital após o acidente que vitimou seus pais.Sozinho no mundo, o garoto desenvolve uma amizade com um ‘e.tzin’, mas chega uma hora que o seu amigo precisa partir. Nessa hora, o futuro amado de Serena entrega uma rosa vermelha como presente. O misterioso alien – que se chama Fiore – promete um dia retornar com muitas flores para retribuir o carinho da sua amizade e pede apenas para nunca esquecê-lo.” (Copiado e colado descaradamente do site JBOX e escrito pelo competente Larc Yasha). O ‘e_tzin’ retorna e, enlouquecido por uma influência maligna, ameaça o planeta e seus habitantes. Cabe às Sailors Scouts, e ao Tuxedo Mask, enfrentarem o problema e resolverem questões pendentes de natureza sentimental.


 


A análise:


O enredo tem todas as regras da série clássica. Mas o que me chama a atenção neste filme é a mensagem contra a solidão que ele transmite. É muito comum um enredo em que o personagem principal transforma vidas. Assim como Kenshin (Samurai X) transformou a vida de muitos personagens, e Naruto, que faz o mesmo em sua série, a Usagi Tsukino (a Serena) é assim também. É uma personagem transformadora das pessoas que a cercam. Voltando ao meu post sobre Idolm@ster, eu disse que esse arquétipo (personagem transformador) enriquece a trama principal, através da inclusão de dramas paralelos, que tornam os personagens mais humanos e carismáticos. Serena é assim, ela transforma a vida das pessoas que estão ao lado dela. Ela é irmã, quando se precisa. Ela é amiga, quando os que estão à volta dela precisam. Ela também é mãe. As várias demonstrações da personalidade dela ficam evidentes nos momentos finais do filme. Assistindo ao filme nota-se claramente a mensagem contra a solidão que a Serena transmite, pois ela agrega, em torno dela, os sentimentos de todos os personagens. Isso cria uma união de todos que, antes eram sozinhos, e agora recebem a amizade através dela e da união que ela proporcionou como personagem principal. Com isso, o enredo fortalece os vínculos com todos os personagens. Talvez esse seja o segredo por detrás da série: uma mensagem forte e romântica contra a solidão. Uma mensagem que fica subliminarmente escondida atrás de inúmeras ações cômicas e aventuras. Também é forte a presença do amor romântico (aquele amor da tendência literária do século XVIII e que privilegia a emoção) e isso torna o enredo mais colado e a mensagem contra a solidão torna-se mais forte. Percebam, a Serena reúne todos os personagens em torno dela. É por isso que a série me encantou, pois é um apelo contra a solidão e a favor do romantismo literário que ficou tão esquecido por décadas. E eu dou ainda mais crédito à construção desta personagem (Sailor Moon), pois conseguiu unir, em nossa realidade, pessoas reais ao lado dela, comprovando o quão agregadora e transformadora é esta personagem.


 


Qualidade técnica:


 


O filme é relativamente antigo, da década de 90, mas ele possui cores lindíssimas e um trabalho bem executado. O desfecho final do filme, garanto, fará muitos se emocionarem. A música também é um ponto forte da série e deste filme. Pena que nunca foi lançado oficialmente no Brasil.



Moon Revenge:









 


Links externos:


JBOX- matéria completa da série


SOS Sailor Moon


Livraria Cultura


Mais de Oito Mil



Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: