sexta-feira, 25 de maio de 2018

Educando com o Terror!


Gegege no Kitaro 07
http://www.crunchyroll.com/gegege-no-kitaro





As histórias de terror possuem um forte potencial educador que pode ser explorado. Em muitos casos, ensina-se ética e moral através de contos sobrenaturais, de terror ou fantasia. O site da prefeitura de Curitiba escreveu uma matéria sobre o tema. Na matéria “Professora usa contos de terror para debater a cultura da paz[1]achamos um ponto importante do aprendizado: “A estratégia da professora de Língua Portuguesa, Tatiane Lima Jimenes, foi usar a literatura de terror como chamariz para as discussões em sala de aula. Com narrativas envoltas em uma aura de mistério, criaturas assustadoras e o uso eficaz de um dos sentimentos mais antigos - o medo – a professora conquistou a atenção dos estudantes para falar sobre o assunto”.

Gegege no Kitaro é uma obra que facilmente pode ser levada para dentro de sala, para debate sobre cultura, folclore e moral. Em especial, o capítulo 7, intitulado Trem Fantasma, nos repassa uma importante lição que pode ser debatida com alunos. O tema: assédio moral. Um empresário rico, porém violento, agredia verbalmente e fisicamente os seus funcionários. Como cresceu contra ele o ódio dos que morreram, um carma se sobressaiu e a morte lhe veio buscar. Em resumo, neste capítulo, podemos traçar o problema do assédio moral, do carma que se estabelece com o pecado e ensinar, através da metáfora do trem fantasma, o quão errado pode vir a se tronar esta prática bem parecida com o bullying colegial.

Na ocasião, pode-se abrir discussão em sala sobre uma personagem coadjuvante que é impactada diretamente pela história central e pedir que escrevam como ela poderia se desculpar com quem ela magoou, para que este carma não viesse a recair sobre ela.





Esta é minha indicação para educadores.   

*****
*****

Gegege no Kitaro foi criado em 1690, e o trabalho original se encerrou após 09 volumes, em 1969. Foi escrito e desenhado por Shigeru Mizuki. Segundo a sinopse do Crunchyroll: 

"Simulcast on Sábados 11:30pm -03Após quase duas décadas de século XXI, as pessoas começaram a esquecer da existência dos yokai. Quando uma variedade de fenômenos inexplicáveis passam a afligir os adultos do mundo humano com confusão e caos, uma garota de 13 anos chamada Mana escreve uma carta pro Correio Yokai em busca de respostas, e acaba sendo visitada por GeGeGe no Kitaro..



[1] Prefeitura de Curitiba: <http://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/professora-usa-contos-de-terror-para-debater-a-cultura-da-paz/43963>

quinta-feira, 24 de maio de 2018

Apocalipse: Brasília! impresso nos EUA


Apocalipse: Brasília impresso nos EUA
Rápido unboxing de Fairy Tail Dragon Cry




Novamente, testei a impressão de outro livro. Enquanto o “Mangá Tropical- um estudo de caso” preocupava-me pela quantidade e pela qualidade das imagens que fazem parte de seu miolo, o Apocalipse: Brasília me preocupava por ser um livro mais grosso, com maior número de páginas. Na verdade, a palavra preocupação é forçada, pois eu sabia que a qualidade da impressão nos EUA poderia ser melhor e eu só queria registrar o evento em vídeo para ter fatos para mostrar.

Procurei aproximar as duas versões na questão técnica e nos valores que recebo como autor. Desta forma, ambas as versões possuem as seguintes características técnicas:

Categoria(s): Esoterismo, Religião, Literatura Nacional
Idioma: Português
Edição/Ano: primeira edição/ 2013
Numero de paginas: 136
Peso: 188
Tipo de Capa: Capa cartão
Acabamento: Brochura sem orelha
Papel: Offset 75g
Formato: 14 x 21 cm
Miolo: Preto e branco

Na Perse, o valor do livro está saindo por R$ 31,48 o impresso sob demanda, e o digital está saindo por R$ 7,30. Sim, consegui reduzir o preço do livro na Perse. O impresso nos EUA ficou a US$ 6,00 e com a versão digital em US$ 2,01.

Para enviar ao Brasil, eu escolhi que a Amazon usasse a entrega no valor de US$ 14,00, dando um total de US$ 20,00. Cambiando o dólar a R$ 3,70, a compra deu R$ 74,00. Vi na página de ajuda da Amazon que eles possuem uma remessa standard a três dólares pelo envio, ou quatro dólares por item. Se tivesse escolhido esta forma de entrega, o total seria de apenas 10 dólares, ou seja, R$ 37,00.

Como vimos na análise do “Mangá Tropical, um estudo de caso”, a Perse envia o livro com uma taxa de R$ 25,00 o que totaliza algo próximo a R$ 56,00.

Descobri, desta forma, que apesar da alta do dólar, é bem possível comprar nos EUA e ter uma economia, bastando, para isso, usar uma forma mais econômica de envio. Por isto, ainda vou apostar nesta oportunidade de usar os serviços de edição sob demanda da Amazon.


Sobre o vídeo abaixo, ele mostra que o livro foi impresso com boa qualidade. Apesar da pressão, as folhas não descolaram, o papel é forte e a capa possui um excelente brilho. De quebra, deixei um rápido unboxing do filme Dragon Cry da série Fariy Tail. Aproveitem!




quarta-feira, 23 de maio de 2018

Pouco...pouco...Pouco


Um pouco para muito!


Na minha idade não restou muito
Poucos amigos, poucos bens e poucos objetivos
Olho no espelho e vejo fios brancos de cabelo, também poucos
A minha vida é de pouco em pouco obscurecida.

Pouco falta para meu entardecer,
Que deve ser pouco proveitoso,
Pouco imagino como será,
Pois pouco considero conseguir chegar lá.

Coloco minhas realizações nas palmas da minha mão
Meus livros, meus filhos e meu pouco sonhar
E é este “um pouco de tudo” que me fez ser quem sou
Nada desejo mudar, nada me arrependo, pois meu pouco para mim é tudo!


Acima tento esboçar um poema moderno. Camila Faria[1] versa sobre as obras do período moderno: “na literatura há a criação de uma forma de linguagem, que rompe com o tradicional, transformando a forma como até então se escrevia; algumas dessas mudanças são: a Liberdade Formal (utilização do verso livre, quase abandono das formas fixas – como o soneto, a fala coloquial, ausência de pontuação, etc.), a valorização do cotidiano, a reescritura de textos do passado, e diversas outras; este período caracteriza-se também pela formação de grupos do movimento modernista: Pau-Brasil, Antropófago, Verde-Amarelo, Grupo de Porto Alegre e Grupo Modernista-Regionalista de Recife.”

O que se aproxima da poesia moderna é a abertura de Cowboy Bebop, pois ela se apresenta com ângulos e retas, sombras e luz que fazem identidade com o pós-modernismo, com o futurismo e com a liberdade que o jazz proporciona.






[1] Infoescola: <https://www.infoescola.com/literatura/modernismo/>

segunda-feira, 21 de maio de 2018

Mangá Tropical impresso nos EUA!


Mangá Tropical- um estudo de caso impresso nos EUA.

Como sabem, estou repensando a forma como vendo meus livros. A edição dos livros no Brasil está ficando cara pelo sistema que uso com frequência: impressão sob demanda. O Mangá Tropical- um estudo de caso, pelo sistema da Perse, está saindo por R$27,28 sem a taxa de entrega. Já o mesmo livro, impresso nos EUA, está saindo por cinco dólares apenas, mais a taxa do serviço postal. O livro sai, nos EUA, a um preço médio de 18 reais, com a cotação atual.

Quando descobri que podia colocar meu livro impresso à venda, via Amazon, eu o fiz imediatamente. Configurei da melhor maneira possível, uma vez que o sistema era novo para mim. Em 04 de maio de 2018, fiz o pedido de um exemplar para verificar a qualidade da edição. Com a taxa de envio, paguei cerca de 17 dólares, ou seja, cerca de 62 reais, com a cotação do dólar em R$ 3,60. Não se paga o imposto de importação sobre livros e periódicos, como mostra o site da Receita Federal.





Já via Perse, sairia por 52 reais a edição e envio da obra pelos correios. Sim, no print abaixo desconsideraram, na hora de fechar a conta, o meu lucro como autor. Fazendo as contas com o valor integral, o livro sairia pelo valor acima mencionado.





A grande questão que prejudicou este serviço foi a variação do dólar. Em tempos de crise, com dólar a quase 4 reais, o material externo fica mais caro. Se o dólar caísse para um valor próximo a três reais, o serviço de impressão sob demanda, editado em São Bernardino, CA, traria maior compensação. De qualquer modo, vou deixar o livro disponível para venda sob demanda, apostando na queda do dólar depois das eleições de 2018. Sim, estou sendo muito otimista.


A qualidade do material

Fiz um vídeo para mostrar a qualidade do impresso que me chegou em mãos. Atentei para verificar a qualidade da capa, do papel, da impressão e das imagens.





A capa ficou bem enquadrada, apenas com um erro meu de posicionamento, mas que a deixou com maior peso na base da imagem, o que não considerei grave. Ficou até bom por dar a sensação de peso para a imagem e seu equilíbrio. O papel tem uma gramatura boa, é resistente e forte. Além disso, possui um brilho agradável para a leitura e transmite boa sensação ao toque dos dedos. É diferente do papel usado no Brasil. Eu achei.

O projeto de impressão é muito bom. Fiz questão de abrir o livro e pressionar a cola para ver se ela descolava, mas aguentou bem a pressão. A cola e o sistema de impressão contribuíram para um livro que não solta as páginas. As imagens estão nítidas e, como o papel é forte, elas não passam para a página de trás, ou seja, não fica aquela mancha tão visível na página seguinte.

Em um aspecto geral, eu gostei muito do material impresso nos EUA e torço pela queda do dólar, para que vocês possam comprá-lo de maneira mais justa.



Erraram, erraram e erraram!

Bolsonaro O presidente Jair possivelmente errou ao clocar Aras no comando da PGR. É como se colocasse um cão de guarda que fosse ...