sexta-feira, 24 de abril de 2020

A resposta do presidente!


A resposta do presidente

No dia de hoje, o presidente Bolsonaro veio à público, em cadeia nacional de televisão, justificar a demissão do delegado da Polícia Federal e a saída de Sérgio Moro. Vocês podem acompanhar aqui:



Quero deixar meus pensamentos quanto a alguns trechos do pronunciamento. Infelizmente, ele deixou dúvidas no ar. Não posso nem escrever sobre o princípio da boa fé, como fiz com Moro, pois percebi erros no discurso. Queria estar escrevendo que tudo não passou de um engano. Infelizmente, não foi isso que observei. No pronunciamento, Bolsonaro tenta fazer com que Moro pareça uma pessoa egoísta e fria. Conta até um episódio no qual eles se encontram em um aeroporto. Eu lembro desse encontro. Veja aqui, Moro o recebe com um sorriso e um aperto rápido de mãos. Não vi aqui qualquer rejeição do Moro ao presidente. Até um sorriso ele ganhou! Ele queria um beijo? E olha que Moro é tímido.





Ele também menciona que Moro condicionou a saída do delegado à sua nomeação ao STF. Sabemos que não é índole do Moro esse tipo de atitude. Moro segundo o DW[1], em 2019, dizia: “Em recente entrevista ao jornal português Expresso, Moro afirmou que se tornou ministro para garantir os avanços no combate à corrupção conquistados nos últimos anos e disse que ser indicado ao STF seria como ganhar na loteria, porém era algo difícil.”, ou seja, ele nunca contou com isso. Ninguém conta em ganhar na loteria.  

Moro também possui integridade. No caso do plantonista Favreto, que tentou libertar Lula por um HC, durante um plantão, contrariando decisão colegiada do TRF-4 que o mantinha preso, foi de uma virtude imensurável. Ele percebeu a manobra e evitou o pior, que seria a soltura ilegal de um condenado preso por decisão da turma do TRF-4. Mesmo de férias, ele salvou o país.  

Um erro grotesco do presidente foi ter colocado a culpa no ministro da Justiça, na questão dos abusos dos governadores, por não defender a sociedade junto ao STF. Moro poderia ter se manifestado, mas apenas nas redes sociais, como cidadão, pois é competência do ARAS, do PGR, entrar com recursos no STF. É função do PGR[2]. Politize assim escreve: “O procurador-geral desempenha as funções do Ministério Público junto aos tribunais superiores do país: o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Superior Tribunal de Justiça (STJ). Também atua junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Mas quais são essas “funções do Ministério Público”? Na prática, o procurador-geral trabalha para representar e defender os interesses da sociedade, bem como os chamados direitos indisponíveis (por exemplo: direito à vida, à liberdade, à saúde, etc). Uma vez que é responsável por uma função tão importante, o procurador-geral deve sempre ser ouvido nas ações dos tribunais, como as de inconstitucionalidade (ações que contestam certo projeto ou lei e sua compatibilidade com princípios da Constituição Federal), julgadas pelo STF.”.

Segundo o Terça Livre, e eu também observei, Moro não reclamou da substituição em si, mas da finalidade da substituição nesse momento, pois não era intenção do Valeixo sair. Bruna de Pieri transcreveu: “O então ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, considerou que, o grande problema não era quem colocar no cargo de diretor-chefe da Polícia Federal, mas por que trocar Maurício Valeixo.”, e no seu discurso de defesa, Bolsonaro afirma que Valeixo queria sair. Nesse momento, Valeixo poderia surgir e explicar o que de fato ocorreu.

Conclusão

O discurso do presidente tentou fazer com que Moro se tornasse uma pessoa fria e sem integridade. Um erro, pois Moro nunca se mostrou dessa forma. Quem acompanhou o julgamento do “9 Dedos” sabe que ele não é essa pessoa que o presidente tentou fazer com que ele parecesse. Além disso, coloca no Moro a responsabilidade que seria do Aras, na questão dos abusos de autoridade reportados pela sociedade durante essa pandemia. Esse mesmo Aras que já abriu inquérito contra o Moro[3]. Para ir contra idosos e patriotas o Aras é rápido.

O que sai disso? Um discurso ruim do presidente, que não me convenceu. Uma sociedade que começa a desacreditar dele. E a tropa de choque do presidente já começou a atacar o Moro. Tenham vergonha na cara! Acredito que os tempos sombrios estão ficando ainda mais sombrios.  

  


[1] Leia em: <https://www.dw.com/pt-br/bolsonaro-indicar%C3%A1-moro-ao-stf/a-48710222>
[2] Leia em: <https://www.politize.com.br/procurador-geral-da-republica-o-que-faz/>
[3] Leia em: <https://www.tercalivre.com.br/pgr-instaura-inquerito-sobre-declaracoes-de-moro/>

Moro pede demissão!


Moro pede demissão

Em uma entrevista coletiva, na manhã dessa sexta-feira, o até então ministro da Justiça, Sérgio Moro, fez um pronunciamento exaltando o seu trabalho e explicando os motivos de seu pedido de demissão. Podem assistir ao vídeo aqui:



Não jogo pedras no Moro e as acusações feitas por ele me parecem honestas, ou seja, não vieram apenas para manchar a reputação do presidente. Como juiz, ele sabe o tamanho que tem um depoimento de um ministro de Estado, principalmente um que ficou reconhecido pelo combate à corrupção. O princípio da Boa Fé levado ao seu extremo mais poderoso, pois ele é um herói nacional e uma pessoa honesta. Lucas Jung[1]: “Nesse contexto, o fundamento da boa-fé administrativa é muito mais que um princípio norteador da máquina pública, mas um estado de ser do próprio agente no exercício das funções inerentes ao cargo, resultado num estado de confiança e segurança jurídica de seus administrados.”.

O que ele fala possui um peso forte, até porque ele não está ganhando nada com isso. Ele perdeu cargo de confiança, provavelmente perdeu segurança para sua família e a si mesmo, e seu cargo como juiz (quando assumiu o ministério). Ele é o que mais perdeu com isso, por isso, sua saída e sua declaração me pareceram sinceras palavras de alguém que cansou.

E tudo me pareceu lógico, infelizmente. Sigam o raciocínio de alguém que está vendo tudo isso de fora:

1) O presidente recusa o pedido de ajuda feito pelo povo.  Diz que com ele é democracia, apesar de sempre defender o regime militar como democrático. Que bug foi esse?;

2) O Aras pede ao STF abertura de inquérito para verificar as manifestações de domingo e o presidente não fala nada?;

3) Aproxima-se do “centrão” (conhecido por suas jogadas políticas);

4) E, depois, começa a mexer na Polícia Federal?

Segundo o Moro, Bolsonaro quer ter acesso às investigações em curso? Ficou tudo muito suspeito e o fio da lógica conseguiu costurar esses pontinhos com bastante força. É preciso que tudo se esclareça!

O momento não poderia ser pior para o presidente. Ele estava conseguindo se aproximar do maldito centrão (e eu não gosto disso, pois terá que dar cargos para um grupo de políticos que não é confiável), e estava isolando o Maia, que quer ser primeiro-ministro. A demissão do Moro e as acusações dele poderão ter virado o jogo à favor do Nhonho. Os políticos que estavam se aproximando do Bolsonaro, agora, devem estar migrando para o Maia novamente. E esse jogo político é ruim para a nossa Constituição Federal, para o Brasil e para o brasileiro.

Lembram que, em texto passado, quando disse que me colocaria na retaguarda, pois a criação de um pelotão de combate ideológico, que defendesse o presidente, seria importante nesse momento, porém, tiraria das pessoas o livre pensamento? É nesse momento que isso se mostra evidente. Nesse momento, o pelotão do presidente se mostra afoito no ímpeto de evitar danos à imagem dele, mas será que, dessa forma, não estaríamos apenas reeditando o “político de estimação” que tanto criticamos na esquerda? O Moro virou esquerda agora? Não sejamos assim, como eles, que atacam a todos que estão contra seus políticos de estimação.

E antes que venham com bobagens: Lula foi condenado e permanecerá assim. O PT continua sendo um partido que operou grandes operações de corrupção (Mensalão e Petrolão), Dilma continua impedida e nada vai mudar essa realidade. Esquerda Não! Esquerda NUNCA MAIS!


Que tudo se esclareça, é só o que peço! Se o presidente traiu a sua pauta de combate à corrupção, então, não resta mais o que fazer. E apertem os cintos, pois se essa semana foi assim, imaginem a semana que vem!


[1] Leia em: <https://jus.com.br/artigos/64086/a-boa-fe-administrativa-um-tema-a-ser-analisado>

Meme: Distanciamento social!

Um meme sobre o distanciamento social e o ato de amor de alimentar.


Apenas um pouco de humor!

quinta-feira, 23 de abril de 2020

Povo, Manifestações e Poder!


Ocorreu, no domingo passado, uma manifestação popular que pedia o #ForaMaia, que exaltava o corpo militar e pedia auxílio do Exército ao combate à corrupção e ao totalitarismo. Com a desculpa de enfrentar uma pandemia, muitos governadores e prefeitos estão em desacordo com a lei. Segundo Alberto Fraga[1], juiz de Direito, no texto “Restrições de direitos e liberdades individuais em tempos de Covid-19”,  em seu primeiro parágrafo, já escancara o problema: “O avanço do número de casos decorrentes da Covid-19 vem gerando uma série de normativas limitadoras de direitos individuais, notadamente diante da edição de decretos estaduais e municipais, os quais surgem em desacordo com lei 13.979/20 e com a portaria interministerial nº 05/20, legislação federal aplicável à matéria. Enquanto isso, a população se vê impedida de fruir de bens de uso comum do povo e teme pela sua livre circulação em ruas, estradas e rodovias.”, e conclui: “Portanto, o que se conclui é que a situação de pandemia decorrente da Covid-19 permite a edição de normas sanitárias por parte da União, Estados e Municípios. Entretanto, a tutela do ato administrativo deve ser feita, naquilo que for constitucional e não ferir o direito à livre locomoção, sob o aspecto da autoexecutoridade do ato administrativo, permitindo-se somente a imposição das sanções estabelecidas na lei 6437/77, notadamente com a aplicação das penas de advertência e multa.  Por outro lado, inviável a prisão de cidadãos livres e saudáveis pelo simples circular em locais de uso comum do povo, bem como inviável a tipificação de eventual ilícito administrativo como crime de desobediência ou infração de medida sanitária preventiva, já que há sanção administrativa prevista em lei federal.”

Um exemplo do abuso que estão cometendo contra o trabalhador pode ser visto nesse tuíte do Alexandre Garcia. O governador em questão é petista. Eu recomendo que não assista se for sensível, ou se ficar muito furioso com injustiças sendo cometidas.



E em meio a essa crise, alguns governadores estão aumentando salários.


O Congresso fez mais uma das suas.


E ficamos sabendo de MAIS um golpe contra o presidente da República.



O próprio presidente e o seu vice já reclamaram de tantas interferências em suas atribuições. Existem diversos vídeos do presidente reclamando disso. Esse tuíte do nosso vice-presidente resume a situação com uma frase brilhante.



Juntou tudo isso em uma panela de pressão. O resultado foi uma parte do povo ir às ruas pedir proteção do Exército. Como culpá-los por isso? 


Para a surpresa de todos, a reação do presidente foi a de respeito às instituições. O que seria louvável, se as instituições não estivessem tentando, a todo momento, tirar-lhe o poder. Acompanhem o que escrevi na série em três partes sobre a guerra do Covid-19 para ver como o presidente está, sim, amarrado. Vejam como o Congresso acaba com todos os projetos do Executivo. Essa semana acabou com o “contrato verde e amarelo”.




E as instituições não ficaram paradas. Elas reagiram.

Aras escreveu[2]: “O Estado brasileiro admite única ideologia que é a do regime da democracia participativa. Qualquer atentado à democracia afronta a Constituição e a Lei de Segurança Nacional”. O que eu percebi nas manifestações não foi um atentado à democracia, pois a democracia é um efeito da vontade popular. A democracia não vem de gabinetes de governo , e nem de instituições, mas do povo que os elege e sustenta. Como o povo, sendo verdadeiro dono do poder democrático, poderia atentar contra a democracia, que nada mais é do que a sua vontade manifesta? Se o povo for às ruas, por exemplo, pedir a volta da Monarquia, sua vontade deve ser respeitada.

O que vi foi desespero. O povo está indignado com desmandos como, por exemplo, impedir o cidadão de ir e vir; como, por exemplo, rasgar a Constituição Federal e permitir que uma presidente impedida permaneça com seus direitos políticos. Uma indignação que surge, por exemplo, ao ver um inquérito aberto de ofício pelo STF, investigado pelo STF e julgado pelo STF (é um reinado). O que vi foi um povo desesperado, tentando pedir ajuda das Forças Armadas contra àqueles que estão impedindo o povo de trabalhar, de ir e vir, e de sustentar a sua família.

Se forem julgá-los pela Lei de Segurança Nacional, então, irei concordar com esse tuíte na questão da auto-determinação popular e seus efeitos.



Em entrevista para a RedeTv, antes de sua eleição, o presidente defendeu o regime militar, dizendo que não era uma ditadura, pois o cidadão podia ir e vir, podia sair do país. Vejam a entrevista, pois ela é parte da conclusão. Também notem que os verdadeiros autoritários estão tentando repetir o passado, pois movem-se da mesma maneira, juntando-se contra um presidente eleito democraticamente. Assista. 





Conclusão

O que presenciamos, então, como efeito do domingo passado, foi que os políticos em geral estão tentando calar o povo. Você que votou em liberal, ou no centro, achando que o presidente seria autoritário, está sentindo na pele o verdadeiro autoritarismo através dos governadores, prefeitos e seus atos. O presidente, por outro lado, defende a liberdade das instituições, mesmo sendo atacado por elas todos os dias. Que ironia.

Infelizmente, teremos três futuros possíveis, caso o presidente não reaja. O primeiro é o presidente não terminar seu mandato. O segundo futuro é o do presidente terminar o mandato, mas entregar o cargo de presidente com a força equiparável a de um síndico de prédio. O terceiro é a implementação do parlamentarismo, sem consulta popular, o que seria inconstitucional. Se bem que a Constituição Federal não existe mais. Foi esquecida em um canto. Não adianta nem mais falar nela. O presidente diz que a CF é ele, porém, os ministros do STF também acham que são a CF. Ninguém mais respeita a CF.  

Esqueceram-se todos: “Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.
Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:
Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.”. Pobre povo esquecido. Considero impossível que o povo tenha atentado contra a democracia, pois a democracia vem de sua vontade, mas vindo do STF qualquer coisa vale.

Agora, caso o presidente não tenha esquecido de suas palavras, durante a entrevista para a RedeTv, ou seja, não tenha dado um "bug" nele, teremos outro cenário de combate e defesa do povo contra o autoritarismo estabelecido pelos governadores e prefeitos. O totalitarismo não veio do presidente, mas ele precisa combatê-lo pelo bem do povo e da democracia verdadeira. Combater essa falsa democracia, uma democracia fingida, que se revela a nós através de desmandos dos poderosos. 

De qualquer modo, como jornalista, estou registrando esse momento de profunda crise em meu blog. O povo está acoado e o exército está em silêncio. Tempos sombrios e terríveis. Registrem esses momentos para as futuras gerações.







[1] Leia em: <https://www.conjur.com.br/2020-abr-16/alberto-fraga-restricoes-direitos-liberdades-individuais>
[2] Leia em: <http://www.mpf.mp.br/pgr/noticias-pgr/augusto-aras-pede-ao-stf-abertura-de-inquerito-para-apurar-violacao-da-lei-de-seguranca-nacional>

quarta-feira, 22 de abril de 2020

Nossa princesa!


Há em teus olhos uma linda luz;
Intenso e belo é o amor;
Mão delicada que sempre conduz;
Em seus olhos um imenso ardor.

São olhos para a nossa arte;
Animês e tudo que faz parte;
Muitos de nós contam com você!
A nossa princesa. Nossa Hime!



terça-feira, 21 de abril de 2020

Alexandre Nagado é nota 10!


Alexandre Nagado um profissional nota 10!

Nagado trabalha na área da cultura popular japonesa. Desde a década de 90, ele escreve para revistas especializadas. Já trabalhou para a revista Henshin, já roteirizou para a revista Jaspion e Heróis da TV, já organizou antologias, como a Mangá Tropical da Via Lettera. Já deu palestras. Enfim, ele possui uma vasta experiência na área da cultura pop e eu o respeito demais por tudo que ele criou. Atualmente, ele escreve para dois blogs e faz ótimas análises sobre comunicação, cultura, sociologia, arte, enfim, ele possui bagagem suficiente para não ficar restrito a um único aspecto do processo criativo.

Resolvi trazer para vocês duas entrevistas recentes que ele deu, para que conheçam mais do profissional e da pessoa do Nagado. E não foram entrevistas realizadas por pessoas comuns.

Ricardo Cruz é cantor e professor de japonês. Aqui, ele até escreve: “Esse cara me fez descobrir o Japão!” e isso mostra a influência do trabalho desse profissional no seu meio de atuação. Veja a entrevista aqui:



E aqui temos o excelente Danilo do Tokudoc batendo um ótimo papo com o Nagado. Temos que respeitar o trabalho dos dois. Eu até analisei o livro que o Danilo lançou anos atrás, sobre a série clássica do Ultraman (veja aqui). Um excelente trabalho para pesquisadores e amantes de séries clássicas.  Veja aqui a entrevista:



Caso deseje conhecer mais do trabalho do Alexandre Nagado:

segunda-feira, 20 de abril de 2020

Crunchyroll e um fôlego para enfrentar a crise!


Fôlego para superar crises

Muitos anos atrás, eu havia dito que a ideia é uma linda musa que inspira, mas que não fica restrita a um sopro de inspiração no ouvido do autor. Isso se confirmou nesse texto, pois ele foi se moldando aos sussurros da musa. Fui apenas um portador de suas boas novas. Por isso, um profissional que une o jornalismo e a poesia se torna mais intrigante. 😊  

Inicialmente, eu iria escrever sobre a luta por aquisições de títulos entre a Crunchyroll e a Funimation. Após algum tempo de pesquisa, o texto foi se alterando e tomando a forma de um artigo sobre a exclusividade de títulos. Como a musa inspiradora continuou sussurrando em meus ouvidos, o texto terminou sendo uma visão de um possível futuro da Crunchyroll com a HBO MAX. Afinal, a Covid-19 está influenciando muito negativamente o mercado, promovendo atrasos na produção de séries e isso vai ter um custo para as empresas e seus funcionários. Li, em um artigo, enquanto buscava informações econômicas, que a WarnerMedia planeja destinar cem milhões de dólares para funcionários afetados pela doença. É impressionante o número de pessoas afetadas e não somente pelo vírus em si, mas pelas ações de governos usando o vírus de maneira política.

Provavelmente, as empresas japonesas irão sofrer economicamente também, não como aqui no ocidente, mas também sofrerão perdas. Isso levantou a questão: quem tem mais fôlego para enfrentar uma crise? Busquei informações sobre a AT&T para analisar o cenário. O texto, então, se tornou uma análise sobre a possibilidade da Crunchyroll enfrentar e sair de  alguma crise provocada pela doença.

Yuri Petnys, gerente de mercado da Crunchyroll para Brasil e Portugal, gentilmente me respondeu algumas perguntas sobre a guerra por aquisições de títulos entre a Funimation e a Crunchyroll, que deveria ter sido o tema central desse texto, e uma delas me iluminou sobre o assunto que a musa foi me inspirando (sobre  o fôlego financeiro que uma empresa precisa ter para sobreviver em uma crise). Peço perdão ao Yuri por não utilizar todas as respostas às minhas perguntas, pois o texto seguiu outro rumo.


1.         Muitos usuários temem que a Crunchyroll seja engolida pela sua rival. O marketing já pensou em como lidar com essa situação?

Yuri: Como parte do grupo AT&T/Warner, a Crunchyroll é uma parte essencial da estratégia de streaming da companhia, fornecendo títulos para seu futuro serviço HBO Max. Além disso, a Crunchyroll expande suas atividades muito além da plataforma de streaming, com eventos, e-commerce, distribuição de jogos mobile, mangás e DVDs através da recém-adquirida divisão europeia, e muito mais. Estabelecida como a maior marca de animes do mundo, não existe risco algum da Crunchyroll deixar de existir.

Além, claro, dos originais com a marca Crunchyroll.




Comecei a pensar sobre a HBO MAX e a AT&T. A grande aposta da AT&T, através de seu braço WarnerMedia, é essa plataforma que está sendo pensada para concorrer diretamente com as maiores do mercado, tais como a Disney+, e que, segundo a própria WarnerMedia[1], é: “HBO Max is WarnerMedia’s direct-to-consumer (DTC) offering debuting in May 2020.  With over 10,000 hours of curated premium content anticipated at launch, HBO Max will offer powerhouse programming for everyone in the home, bringing together HBO, a robust slate of new original series, key third-party licensed programs and movies, and fan favorites from WarnerMedia’s rich library, including Warner Bros., New Line, DC, CNN, TNT, TBS, truTV, Turner Classic Movies, Cartoon Network, Adult Swim, Crunchyroll, Rooster Teeth, Looney Tunes, and more.”

Os investimentos em cima da plataforma são altos. Até o seguinte relatório[2], a AT&T já havia investido US$1,2 bilhão na plataforma, sendo que a WarnerMedia (Statista data[3]) fez, em 2019, cerca de US$13,55 bilhões em receita. É uma grande empresa, com grandes braços. O poder de fogo da AT&T é muito maior que o poder de fogo da Sony, bastando ver os dados apresentados na Forbes. Aqui alguns dados do consolidado de 2019 da empresa[4]:


“AT&T Reports Fourth-Quarter and Full-Year Results
Full-Year Consolidated Results:
Diluted EPS of $1.89 as reported compared to $2.85 in the prior year
Adjusted EPS of $3.57 compared to $3.52 in the prior year, up 1.4%
Record cash from operations of $48.7 billion, up nearly 12%
Capital expenditures of $19.6 billion
Consolidated revenues of $181.2 billion


E a própria Crunchyroll não é nem um pouco pequena. Segundo o blog[5] oficial da plataforma: “Crunchyroll is the world’s most popular anime brand, connecting a community of over 60 million registered users and 2.6 million subscribers with 360-degree content experiences.”

Com todos os dados que eu recolhi, isso afastou a possibilidade da Crunchyroll sofrer algum tipo de crise, pois a sinergia de todas as partes do grande grupo está muito apropriada. Até houve um gasto de US$700 milhões em sinergia, segundo relatório financeiro aqui já destacado. A AT&T está reunindo o que há de melhor através da WarnerMedia, para formar uma plataforma que promete ser imensa. A Crunchyroll, segundo o Yuri, tem destaque nessa parceria, ou seja, as chances dos grandes executivos estarem atentos às suas demandas é grande e possuem receita suficiente para suprir qualquer necessidade de financiamento, porque precisam dela para aquisição de títulos referentes ao mercado.

A resposta abaixo foi sobre a pergunta que fiz sobre a agressividade necessária para combater a Funimation na aquisição de títulos e ela demonstra o compromisso da plataforma com o Brasil, sendo pertinente para o raciocínio desse texto:
Yuri: A Crunchyroll continua com seu compromisso de oferecer a melhor experiência de streaming de animes para seus usuários do Brasil. Nesta temporada, anunciamos mais de 20 títulos, incluindo sucessos de crítica e público como Tower of God e Digimon Adventure:, em simulcast para o país todo.



Conclusão dos dados obtidos:

Em uma corrida de longa distância, tenho dúvidas se a Sony possui pernas para segurar seu ritmo, enquanto a Crunchyroll tem habilidade para ser uma boa maratonista. Isso se define pela força econômica das corporações nas quais as duas empresas estão inseridas. O grupo da AT&T possui força para projetos a longo prazo, considerando, inclusive, cálculos com prejuízos. Considerando a tempestividade de eventos que é a aquisição de inúmeros títulos anualmente (olhem o problema que a Covid-19 está causando globalmente, por exemplo), ser uma maratonista é importante.

A Crunchyroll ainda tem outro fator importante, Pete Chernin criou outro grupo de investimentos (TCG) com aporte de 700 milhões de dólares, ou seja, a Crunchyroll possui até essa ferramenta para suprimir qualquer eventualidade. Chernin Group fundou a Otter Media que, atualmente, está inserida dentro da WarnerMedia. É, com certeza, um mega grupo de investimentos e a Hime está nele!

Então, trabalhando direito os recursos que a Crunchyrol possui, ela pode dar um arranque importante e deixar a Funimation comendo poeira. Isso pode acontecer esse ano, ou talvez ano que vem, bastando que a equipe se empenhe em trabalhar bem essa sinergia do grupo e os recursos que ele possui. A Hime tem tudo para engolir sua concorrência nessa crise!

Para fechar com uma brincadeira: a Crunchyroll nos ama?
Yuri: ...
Hime:




[1] Leia em: <https://www.warnermediagroup.com/hbo-max>
[2] Leia em: <https://investors.att.com/~/media/Files/A/ATT-IR/financial-reports/quarterly-earnings/2019/4q-2019/ATT%204Q19%20Earnings%20Release.pdf>
[3] Leia em: <https://www.statista.com/statistics/194310/revenue-of-time-warner-by-source/>
[4] Leia em: <https://investors.att.com/~/media/Files/A/ATT-IR/financial-reports/quarterly-earnings/2019/4q-2019/ATT%204Q19%20Earnings%20Release.pdf>
[5] Leia em: <https://medium.com/crunchyroll/about>

domingo, 19 de abril de 2020

Twitter War: Covid-19 - Terceira Parte!


Twitter War Covid-19 Terceira Parte

Infelizmente, não dá para confiar nos meios de comunicação tradicionais, pois muitos estão comprometidos com o vírus e com o medo, por isso, eu apelo para as contas de médicos, profissionais e analistas (verificados ou não) no Twitter e no Youtube. Ali, encontro dados e análises que a mídia não mostra de forma eficiente (se é que mostra).


Para evidenciar como o isolamento adotado por alguns governadores não é o adotado por médicos, olhem o isolamento adotado pelo hospital Albert Einstein em vídeo mais recente. Segundo a recente posição do hospital, o isolamento é somente para o paciente infectado e seus familiares próximos. Ou seja, não é nada parecido com o isolamento horizontal adotado por Dória, que vou chamar de isolamento doriano.



Porém, alguns podem dizer que ele está respeitando a OMS. A mesma OMS que os EUA e o Japão cortaram doações e acusam de favorecer a China? Pois até eles dizem que é necessário olhar para os mais pobres e não impedir o trabalho, não impedir a educação. Não impedir os direitos humanos! 


Os mesmos governadores que estão inflando os números de mortes por Covid-19, como algumas contas já mostraram, também usam a mídia para dar informações falsas para a população sobre o uso em quase 100% das UTIs em seus estados. Olhem esse tuíte e tirem suas conclusões. Ele mostra o mesmo que o médico oncologista, do hospital Albert Einstein, também relatou. O uso das UTIs parece mínimo e hospitais destinados ao cuidado para com os doentes estão vazios. Veja o tuíte abaixo e os outros na segunda parte dessa série. Lembrem do dado informado pela conta do procurador da República Ailton Benedito sobre o número de mortes por covid-19 que ele tirou do sistema Data-SUS.


Contradições dentro de um mesmo grupo!


E qual a razão para as mortes no Brasil estarem em nível tão baixo em relação a previsões e estudos dirigidos?  Isso diz respeito ao número de infectados sem sintomas que já foram curados e servem como escudo para a população como um todo. Se olharam com cuidado para o primeiro post da série e, também, para o segundo post, já sabem, pois lá estava a dica: é o que chamam de imunidade de rebanho. Infectados que foram curados servem de proteção para a população em geral. Como o vírus se alastrou pelo Brasil em janeiro, muitas pessoas já possuem anticorpos para o vírus e bloqueiam sua propagação.


Isso deixa evidente o uso político do vírus na tentativa de desestabilizar a sociedade. Alexandre Garcia, no vídeo que coloquei na segunda parte dessa série, já deixava claro que governadores devem ser responsabilizados pelos crimes que estão cometendo. Eles estão impedindo a livre circulação de pessoas, bens e mercadorias. Eles estão fechando as fronteiras de seus estados. Estão em evidente desobediência ao Governo Federal, e até às normas da OMS, e com anuência dos ministros do STF que deram carta branca aos estados e municípios, contra a regulação que seria própria do Governo Federal.

E a bagunça ainda é maior por conta de um certo Nhonho e seus aliados, que estão destruindo cada semente plantada pelo presidente eleito. Para destruir o presidente da República eles estão destruindo o Brasil.


E um pequeno choque. O que as pessoas que insistem em usar a ciência como desculpa para suas crendices vão dizer o que sobre isso?


Essa semana promete ser intensa na política. Apertem os cintos, pois acredito que o golpe contra o presidente da República poderá ganhar novos rumos.

  

Poemas no Twitter III

 Enfim, o último poema lançado no Twitter e fechando essa semana.