quinta-feira, 16 de julho de 2020

Covid War: Henry Ford Health System

Covid War- Estudo da Henry Ford Health System


Treatment with hydroxychloroquine, azithromycin, and combination in patients hospitalized with COVID-19 Samia Arshad, Paul Kilgore, Zohra S. Chaudhry, Gordon Jacobsen, Dee Dee Wang, Kylie Huitsing, Indira Brar, George J. Alangaden, Mayur S. Ramesh, John E. McKinnon, William O’Neill, Marcus Zervos, * Henry Ford COVID-19 Task Force



Quem está acompanhando a sequência de textos sobre a pandemia, que eu estou batizando como “Covid War”, já sabe que o vírus está tendo um uso político maciço, e que muitos já se curaram com o uso do coquetel com Hidroxicloroquina e Azitromicina como, por exemplo, um membro da família imperial brasileira, cujo vídeo eu inseri em matéria anterior, como testemunho do uso. Recentemente, Bolsonaro também testou positivo para a doença e começou a usar o coquetel que, até o presente momento, está funcionando. O presidente não apresenta complicações e nem mesmo febre. Nesse ponto, em um desespero, a mídia que tenta torcer pelo vírus, começou a lançar matérias implicando que o uso do coquetel seria meramente um “efeito placebo”. Efeito placebo é um mecanismo no qual o seu corpo produz anticorpos por achar que está tomando um remédio, sendo uma resposta unicamente mental/emocional.


Para o desespero da turma que torce pelo vírus saiu, esse mês, uma pesquisa do Henry Ford Health System (com sede em Detroit) com um estudo completo sobre o uso do coquetel. E sabem o que eles concluíram, com o estudo em 2.541 pacientes hospitalizados? O coquetel funciona! International Journal of Infectious Diseases (clique para ler aqui): “In this multi-hospital assessment, when controlling for COVID-19 risk factors, treatment with hydroxychloroquine alone and in combination with azithromycin was associated with reduction in COVID-19 associated mortality. Prospective trials are needed to examine this impact”. Pacientes internados já estão em um nível avançado da doença, pois, outro ponto negativo do isolamento é a resposta tardia do paciente em sair de casa para receber tratamento e, mesmo assim, segundo esse estudo, a taxa de mortalidade foi reduzida.


Os pacientes tratados, segundo a publicação do hospital, são todos maiores de 18 anos, e com idade média em 64 anos, sendo 51% homens e 56% afroamericanos. Os resultados são impressionantes e você pode acompanhar o estudo aqui1: “The Cox regression result for the two propensity matched groups (Table 4) indicates that treatment with hydroxychloroquine resulted in a mortality hazard ratio decrease of 51% (p = 0.009). The resulting Kaplan–Meier survival curves within the propensity matched setting displayed significantly better survival in the hydroxychloroquine treated group, with the enhanced survival persisting all the way out to 28 days from admission”. A redução da taxa de mortalidade do grupo que usou o coquetel foi de 51%. O coquetel funciona!




O Henry Ford Health System é um complexo hospitalar fundado em 1915 e conta com 6 hospitais e mais de 30 mil funcionários.

quarta-feira, 15 de julho de 2020

Liberdade!

Estradas para quê, se não tenho aonde ir?
Cinemas para quê, se não tenho porque sorrir?
Voz para quê, se não posso falar?
Coração para quê, se não desejo amar?


Poema livre, pela liberdade! 


segunda-feira, 13 de julho de 2020

O Ratinho Soberbo!

O Ratinho Soberbo
Conto do Ratinho



Eu tive muito tempo para ler, na minha nova baia, pois um vírus se espalhou pelo laboratório e todos os bichinhos tiveram que ficar presos em suas casinhas. E, nas minhas leituras, eu conheci uma palavra chamada “soberba”. 

O significado dela, segundo um livro de significados, que os humanos chamam de dicionário, é: “Sentimento de superioridade em relação a outra pessoa; orgulho, altivez, arrogância, presunção.”. E eu não pude deixar de pensar que eu fui arrogante, fui soberbo, pois tentei entender os desígnios do Cientista e, ainda, o critiquei pelas decisões que eu achei que foram erradas. Eu refleti, então, que eu estava sendo soberbo. Que eu me sentia superior ao Cientista, ou, no mínimo, seu familiar. 

É assim, eu acho, que todos se sentem quando se aproximam de um ser tão poderoso e misterioso como o Cientista é. Principalmente, porque ele nos protege e nos alimenta. Muitas vezes, esquecemos que nós somos ratinhos, e que ele é o Cientista que manda em todo o laboratório. 

Para ser mais exato no tamanho do poder do Cientista, eu li um versículo bíblico e que esclarece como o Cientista pode ser poderoso: 


“Eu formo a luz e crio as trevas,
promovo a paz e causo a desgraça;
eu, o Senhor, faço todas essas coisas.
Isaías 45:7”

Eu refleti, então, como um mero ratinho, como eu, teve a audácia de questionar os caminhos do Cientista, sendo ele tão poderoso? Eu tive a resposta pelo dicionário. Eu fui soberbo. Fui arrogante. Tudo o que vivenciei demonstra o tamanho do poder do Cientista em minha vida. E não demonstra apenas o tamanho do seu poder, mas, também, o tamanho de sua compaixão, pois eu tive próximo de ser devorado por cobras malignas, entretanto, ele me salvou e me trouxe a um lugar alto. Ele foi misericordioso com um ratinho arrogante que tentou questionar os caminhos dele. 


“Mas a sabedoria que vem do alto é antes de tudo pura; depois, pacífica, amável, compreensiva, cheia de misericórdia e de bons frutos, imparcial e sincera.
Tiago 3:17”


O Cientista é bom e eu sou soberbo. O Cientista é poderoso, e eu sou apenas um ratinho. O Cientista, apesar das minhas falhas, ainda me amou e me livrou. O Cientista, apesar das falhas das cobras malignas, as castigou, mas as supriu também. Apesar de todas as agressões feitas a ele, por minhas palavras, ele me manteve seguro no dia da minha aflição. Cientista, perdoa esse ratinho! 


E, agora, eu tenho certeza, que depois que esse ratinho for levado para fora do laboratório, ele será acolhido no jaleco quentinho dos braços do Cientista. 



“Não te lembres dos pecados e transgressões
da minha juventude;
conforme a tua misericórdia, lembra-te de mim,
pois tu, Senhor, és bom.
Salmos 25:7”


Ciclo acadêmico e literário!

Ciclo acadêmico e literário Eu também possuo livros nessas duas vertentes literárias. Para o meu trabalho de conclusão de curso, bacharelado...