sexta-feira, 16 de março de 2018

Renove a política!


Este é um ano de eleições, então, queria parar um pouco e deixar um recado. O que o Brasil precisa gastar, para manter a máquina pública funcionando, como foi mostrado aqui, nesta segunda-feira, está chegando perto de 75% do que o Brasil consegue produzir. As estatais, como também demonstrei, através do relatório fiscal do Banco Central, de fevereiro deste ano, estão consumindo mais de 120 milhões de reais por mês. São ineficientes, onerosas e pesam no orçamento. Como comentei em setembro[1] , não adianta mais subir e criar impostos, pois a economia não suporta mais esta carga tributária e, portanto, o discurso de aumentar impostos para compensar dívidas do governo não vai adiantar.

Agora, vamos tentar imaginar que não teremos problemas de fraudes e segurança com as urnas, isto é, que estes problemas, já apresentados, sejam resolvidos. Então, é necessário que pensemos em quem votar para evitar que o Brasil vire uma Venezuela de vez. Os partidos socialistas, que na sua grande maioria apoiam a ditadura de Maduro, desejam TODOS mais participação do Estado na economia e, logo, na vida do brasileiro. Ora, se o governo já gasta quase 75% do nosso PIB para manter a máquina pública, se o Estado crescer mais, e não houver crescimento econômico, como aconteceu em 2015 e 2016, chegaremos perto da falência. É o socialismo trazendo o perigo da crise, da fome e da miséria ao Brasil.

É inevitável que pensemos nisto na hora de votar! Eu procuro partidos que possam diminuir o Estado. Eu procuro um presidente que queira privatizar. Eu quero uma política que privilegie a liberdade, a propriedade e o mercado. Eu quero renovação! Chega de partidos que apoiem ditadores. Chega de partidos que desviam dinheiro público. Chega de políticos que querem te dizer como andar, se vestir e o que falar. Quero educação livre e de qualidade. Quero escola sem partido. Quero segurança forte, leis fortes e mais cadeia. Quero menos impostos. Quero o fim do BNDES, do imposto de importação e do câmbio flutuante. E estes são objetivos da nossa Direita Conservadora. Como versa Olavo de Carvalho, para chegarmos a esta “espuma do mar” (economia), precisamos, antes de mais nada, mudar a política.






Vamos todos buscar uma renovação da política, mais à direita desta vez!


[1] Impostos e impostos
http://www.outrospapos.com/2017/09/impostos-e-impostos.html

quarta-feira, 14 de março de 2018

Um poema para o coração de um poeta!


No poema não existe regra,
O coração marca a palavra, escreve a linha;
O poema está repleto do que há no coração do autor;
Queria falar mais de amor.

Para cada poema existe um coração de poeta;
Ou seria melhor dizer que, para cada poeta, existe um poema de coração?
O poema está repleto do que há no coração do autor;
Queria afastar minha dor.

O poema é um filhote que nasce;
Ele é um pedacinho de alma.
O poema está repleto do que há no coração do autor;
Queria intensificar as emoções com ardor.

Depois de criado, o poema pertence aos outros.
Uma doação do coração do poeta para o mundo.
O poema está repleto do que há no coração do autor;
Queria deixar para o mundo um poema tentador.

O poema revela muito de seu autor;
O poema é seu trabalho manipulador;
O poema deseja manipular o leitor;
Queria deixar para o mundo um poema confortador.



Como a arte da animação sequencial é a expressão poética de um artista visual, deixo aqui um AMV com lindas animações, que ilustram o poema da alma de cada um dos seus criadores.


segunda-feira, 12 de março de 2018

A Economia em 2018!


O crescimento brasileiro em 2018

No Jornal do Comércio[1] do Rio Grande do Sul, tivemos uma matéria sobre o crescimento econômico brasileiro para 2018, com o Estadão Conteúdo como fonte, a matéria ressalta: “O mercado financeiro aumentou a projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018. A expectativa de alta para o PIB este ano passou de 2,80% para 2,89% no Relatório de Mercado Focus divulgado na manhã desta segunda-feira (26). Há um mês, a perspectiva estava em 2,66%”.

O site do governo brasileiro[2] comemora a boa notícia e afirma: “Para 2018, as apostas dos analistas estão na indústria. Depois de o PIB do setor ter ficado estável em 2017, a expectativa para esse ano é de avanço expressivo, com crescimento de 3,43%. Os serviços também devem apresentar bom desempenho, com crescimento de 2,44%”.

Depois de um ciclo econômico em recessão, os números apresentados são bons. Veja abaixo, para comparação, a evolução do PIB. Nós tivemos um período com estagnação em 2014,  e recessão em 2015 e 2016. O Brasil avançou 1% em 2017, segundo IBGE[3] Notícias, com alta na Agropecuária (13%), serviços (0,3%) e indústria estagnada.






Agora vai?

Então, esta é a pergunta que fica. Será que o Brasil vai conseguir superar de vez a recessão que o PT nos colocou? Existe um alerta que eu deixo aqui antes de dar a minha resposta, pois o Banco Central informa um dado preocupante. A Dívida Bruta do Governo Geral (DBGG) é a soma de tudo que o governo precisa pagar e o Banco Central informa, sobre esta questão, que: “A DBGG (Governo Federal, INSS, governos estaduais e municipais) alcançou R$4.904,3 bilhões em janeiro (74,5% do PIB), crescendo 0,5 p.p. do PIB em relação ao valor registrado no final de 2017”.

Tudo o que o governo precisa pagar está quase na casa de 75% do que o Brasil consegue produzir. É uma margem perigosa! Assustadora! E, no mesmo boletim, o Banco Central[4] informa que: “o setor público consolidado registrou superavit primário de R$46,9 bilhões em janeiro. O Governo Central e os governos regionais apresentaram superavit de R$36,5 bilhões e R$10,5 bilhões, respectivamente, e as empresas estatais, deficit de R$126 milhões”, então, o custo do INSS, somado a outros gastos do governo, está na casa de 75% e as empresas estatais, somente em janeiro, já deram um prejuízo de mais de 100 milhões de reais. São péssimos sinais que podem estragar tudo. Leandro Roque, para o Instituto Mises, faz uma excelente explicação sobre ciclos econômicos e aponta que o Brasil está em passos de galinha. O que poderia salvar o Brasil são, como ele mesmo aponta, medidas de respeito ao teto de gastos, a continuação das reformas, principalmente da previdência, e a tendência de queda os gastos públicos. Veja a aula aqui:






Um ótimo começo para 2018, porém...

Os números do governo estão melhores, pois indicam a retomada do crescimento, após dois anos de PIB negativo e com o ano passado com um modesto sinal de evolução. E isto é para os esquerdinhas começarem a chorar, pois a saída da Dilma possibilitou as reformas e decisões que estão colocando o Brasil no caminho novamente.

E, falando em reformas, vimos que a necessidade da reforma da previdência se faz importante, neste momento, para reduzir o gasto do governo, que já chegou a um patamar alto em relação ao PIB. Respeitar o teto também é importante neste momento. Estas duas medidas (reformas e respeito pelo teto de gastos) estão colocando o Brasil no rumo.  As privatizações também se fazem importantes, pois as estatais estão sempre dando prejuízo. E o prejuízo das estatais é coberto pelo nosso dinheiro.

E, a coisa ficou complicada, pois, com a intervenção federal no Rio de Janeiro, a reforma da previdência deve ficar parada, enquanto durar a intervenção. O mercado não deu sinal de pânico, pois está entendendo que o próximo governo irá tocar a reforma para frente. Sim, meus amigos, lembrem-se que estamos em ano eleitoral. E o mercado confia que o próximo presidente continuará com as reformas, então, ter um presidente conservador, com um olho liberal para a economia, vai livrar o Brasil de ter um 2019 péssimo. Votem direito, poxa!

Conclusão

O resultado que consigo vislumbrar, assim como Leandro Roque, é de um Brasil com passos de galinha na economia e, com risco de ciscar para trás em 2019, dependendo de quem o povo eleger como presidente da República. Entretanto, não posso deixar de notar que tivemos, sim, uma grande recuperação neste último ano (2017), que possibilitou a projeção de bons números para o Brasil em 2018.

Mesmo que seja uma evolução a passos de passarinho, que ela continue. Melhor que um Brasil parado, com 14 milhões de desempregados. E, vocês, novamente, por favor, VOTEM em conservadores-liberais para que o Brasil não vire uma Venezuela. Estamos no caminho certo, mas tudo dependerá das eleições deste ano!  




[1] Jornal do Comércio
http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2018/02/economia/613325-mercado-aponta-maior-alta-do-pib-em-2018.html

[2] Governo do Brasil
http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2018/03/economia-cresceu-agora-vai-alavancar-descubra-quanto-o-pais-avancara-em-2018

[3] IBGE Notícias
https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/20166-pib-avanca-1-0-em-2017-e-fecha-ano-em-r-6-6-trilhoes.html

[4] Banco Central:
http://www.bcb.gov.br/htms/notecon3-p.asp

Autores, pesquisem!

Pesquisem! Autores, pesquisem! Estou percebendo um erro recorrente nos autores japoneses. Coisa que me espanta. Nessa temporada,...