sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Drops: Amy B & Girls Last Tour!

Drops: Amy B & Girls Last Tour

Amy B

É um canal no Youtube de uma cantora que realiza covers de aberturas de animês e cosplay. Eu a conheci quando procurava pela abertura de Fairy Tail. Eu gosto da interpretação dela, das melodias escolhidas e do trabalho como um todo. A voz dela é muito boa e ela é bem profissional e experiente. Se gostar você pode se inscrever por lá, Veja um vídeo.




Girls Last Tour

Source: HIDIVE


Você pode acompanhar esta série pelo HIDIVE, em inglês. O desenho prima pelo minimalismo, tanto no desenho, como no roteiro; ou seja, ele centra-se no básico para contar uma história, e no traço simples para narrar a cena. E a história narra uma viagem de duas garotas que sobreviveram ao fim da humanidade. Como cresceram sem contato direto com a cultura, elas se indagam até sobre coisas simples, como o que seria um queijo e porque, para se tirar uma foto, as pessoas usavam este termo como sinal da ação de fotografar. Questões como “guerra”, “paz”, “estar vivo” e “vida após a morte” também são brevemente abordadas neste enredo.  


Basicamente, a jornada das duas serve como ferramenta inicial para a discussão destes temas. E tudo é abordado de maneira suave, assim como são suaves as vozes das protagonistas e as canções. Na narrativa existe um ceticismo, mas também magia. É lindo quando o diretor resolve dar vida aos sonhos delas, ora com música, ora com a inserção de móveis em um apartamento destruído e vazio. É uma série linda, mas acho que será bem trágica, pois algo na abertura me alerta para um final bem triste. Algo ainda não plenamente revelado. Vamos assistir juntos e descobrir, via HIDIVE!    


quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Land Of Lustruous!

Na escuridão;
A luz vencerá todos;
Luz esmeralda!


Land of Lustruous (veja no Hidive) conta uma história filosófica e religiosa, na qual os seres viventes foram divididos. O espírito tornou-se joias. A carne tornou-se ossos. A carne busca apreender para si as joias. As joias, imortais, lutam para se desvencilhar do ataque da carne, representado pelos soldados de marfim. É uma história linda, com lindas cenas! Veja no AMV abaixo.


Assista- http://www.hidive.com

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Marriott Guarulhos!

Marriott Guarulhos

Anualmente, vou a são Paulo para uma consulta médica de rotina. Geralmente, eu vou e volto no mesmo dia, mas, por causa de um problema que achei que iria me incomodar durante o voo, eu decidi realizar uma viagem de três dias (duas noites). Optei por este hotel, pois ele possuía transfer (aeroporto-hotel-aeroporto), ficando a apenas 10 minutos de distância do mesmo. Usei o serviço do Decolar e parcelei minhas diárias.




Equipe e Room Service

Eu fico impressionado com os hotéis em São Paulo, pois eles tendem a ter melhores serviços que os hotéis de outras regiões. Este não foi diferente. Classificado como 4 estrelas, Marriott Guarulhos poderia muito bem ser um cinco estrelas. A começar pela cordialidade prestada pela equipe do hotel, todos se esforçam bastante para dar, ao hóspede, um retorno sempre positivo de seus pedidos. Alguns aspectos me chamaram a atenção na equipe: serenidade no falar, sorriso imediato, olhos atentos, respeito no dirigir e vontade em atender.



O sistema de room service foi impecável. Ao realizar a chamada, fui prontamente atendido com cordialidade e tempestividade. Havia no cardápio uma chamada dizendo que o hotel tem, como objetivo, o atendimento de todas as necessidades de alimentação em, no máximo, 30 minutos. Eu contei o tempo. Fiz dois pedidos, para dois jantares, e, em ambos os pedidos, a entrega foi realizada em menos de 30 minutos.



Os pratos foram servidos com abundância e explico o pensamento. Ao me hospedar no Hilton, eu pedi uma canja de galinha para minha janta, mas a porção servida era muito pequena para satisfazer como prato principal. No Marriott, ao notar que as sopas eram entradas, acreditei que teriam um tamanho idêntico. Erro meu. As sopas poderiam servir, unicamente elas, como prato principal de um jantar.



Café da manhã excelente!


No geral, a alimentação servida no quarto é muito boa, com boa quantidade e saborosa. A apresentação dos pratos pode ser simples, mas é eficiente. E o que importa realmente é saciar a vontade e nisso o serviço é muito eficiente.



Quarto, Estrutura e Limpeza



O quarto é bem espaçoso. Fiquei com vista lateral para a piscina e entrada do hotel. Uma vista muito bela, pois ela elimina a sensação de claustrofobia que cidades, como São Paulo, podem ocasionar pela proximidade dos prédios uns com os outros. Aqui a vista é horizontal, com prédios distantes. O quarto estava muito bem cuidado e reformado. A mobília nova é funcional, isto é, não adianta de nada a cadeira ser bonita, se suas costas arderem em chamas ao se sentar nela, por isso, ela precisa exercer a função primordial de uma cadeira, que é ajudar a descansar o corpo. Nesse sentido, a mobília é funcional, pois obedece ao conceito para o qual ela foi criada. Em outros termos, a mobília é bonita e eficiente em seu propósito de nos ajudar a descansar. Acreditem, alguns hotéis possuem mobília que não serve ao descanso do hóspede, o que não é o caso deste quarto.   




Além disso, as amenidades no banheiro são boas também.





A estrutura externa do hotel me lembrou a estrutura de hotéis de praia, isto é, hotéis informais que permitem que o cliente relaxe. Isso é importante. Vejam na foto, que a área da piscina possui um caminho de água, bem como a piscina possui uma pequena queda de água. A presença de água, o movimento de água, e o som da água são facilitadores do relaxamento. Sentar à beira da piscina, fechar os olhos e apenas ouvir o barulho da água já relaxa muito.



O hotel também possui academia bem equipada, uma loja de conveniência com produtos diversos, um pequeno bussines center e um salão de beleza. A arquitetura e a decoração são finas, promovendo no cliente uma imersão em um ambiente clássico, refinado e sóbrio. O saguão principal é calmo, repleto de mesas do bar e com muitos empresários negociando. O que me deixou bem tranquilo, pois senti-me em um ambiente seguro. É uma associação mental estranha, mas é assim que eu me sinto desde que cursei Administração na AEUDF em 1996.



Pontos Falhos

Como nem tudo são flores, peguei alguns erros. O primeiro foi quanto ao transfer. Precisei embarcar minha mãe e retornar ao hotel. Em Guarulhos, tentei pegar o transfer de volta ao Marriott. O primeiro ônibus não parou e o motorista gesticulou que estava cheio, apesar de estar vazio. Eu não entendi o que possa ter acontecido. Esperei mais meia hora pelo próximo transfer. Ao chegar, eu embarquei, para ser desembarcado (rs).  Com um pouco de nervosismo, o motorista me explicou que aquele era para os funcionários e que eu deveria seguir no que estava à frente. Desembarquei e corri para não perder o transfer, ou teria que esperar mais meia hora, ou pegar um Uber. O transfer dos funcionários é igual ao dos hóspede, por isso, me confundi.   

Outro ponto é referente ao saguão de espera para os elevadores. No andar do meu quarto, o saguão pareceu-me muito abafado, demonstrando pouca circulação de ar por ali.

Fora estes problemas, tudo correu muito bem.


Nota: 10!

Av. Ministro Evandro Lins e Silva, 10/100,  Guarulhos  São Paulo  07190-017  Brasil 

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Drops Rabugento: Kino & Black Clover!

Drops: Kino & Black Clover

Cuidado, tem spoilers de episódios aqui. Spoilers!
Pela primeira vez, é um drops rabugento, ou seja, vou criticar estas séries. Spoilers!

Kino



Kino trata das aventuras de uma jovem garota (que o diretor faz questão de alterar a cor dos olhos. Ainda não sei se eles mudam de cor pela incidência de luz, ou se tem um plot twist escondido nisso, ou se o diretor fumou) que viaja por diversos países, conhece sua história e parte após três dias. Acontece que tem muita coisa me incomodando aqui, além da cor dos olhos dela.

Primeiro, o enredo descreve que ela visita diversos países. Acho que o correto seria dizer que ela visita as capitais dos países, pois, se forem países, com uma única cidade, são países minúsculos! A segunda coisa, eles forçam uma barra para o drama. No último capítulo que vi, um “país” iria ser destruído por um vulcão. Os moradores sabiam disso. E eles preferiram esperar a morte certa pelo vulcão. Pelo amor de Deus, por que não foram acampar? Ficavam acampando ali perto, depois que o vulcão destruísse a cidade, eles voltariam e a reconstruiriam. Que bando de malucos suicidas! Preferiram morrer junto com a cidade, que eles poderiam reconstruir se optassem por se afastar um pouco. Acho isso forçar uma barra para o lado do drama. Isto é, drama sem necessidade.

Um ponto comum na nossa história real é a determinação de sobrevivência dos povos. Os povos lutam por sua sobrevivência Veja o caso de Israel, no vídeo abaixo, e compare com a decisão dos cidadãos deste país imaginário, visitado na série pela Kino. Com certeza, vai perceber que o enredo foi patife!




Bom, o que eu quero de uma série que tem uma moto que fala, e ninguém se espanta com isso? Mesmo assim, vou continuar acompanhando!



Black Clover




Um rei mago derrotou um rei demônio que destruiria o mundo. Depois desse dia, todos querem o título de rei mago. Esse é o contexto geral do enredo. E o enredo incomoda. Em um capítulo, duas semanas atrás, uma personagem adquiriu um poder para resolver uma contenda. O problema é que isso não foi explicado antes, então, foi um “deus ex machina” que o roteirista usou para resolver o problema. No capítulo seguinte, resolveram explicar porque ela adquiriu aqueles poderes. Isso é jogo sujo com a audiência. Simplesmente deram a ela um poder, de uma forma que não fora explicada anteriormente. Sim, é preciso explicar, dar as regras, mesmo que seja para quebrá-las depois. As cartas devem estar na mesa sempre.

 Fora que o personagem principal passa pelas fases da jornada do herói de forma rápida demais como, por exemplo, a aceitação dele pelos integrantes dos Touros. Bastou um desafio e todo mundo foi bater nas costas dele. Ele não precisou conquistar a confiança dos integrantes de maneira gradual, um por um. A série  prometia ser a sucessora de Naruto, mas está muito atrás dela e de Fairy Tail, que é outra obra que influencia Black Clover.  Sem contar como o personagem inicial torna-se irritante com seus gritos constantes.

Quem sabe a série mude e se desenvolva. Quero ser otimista e acreditar que a série irá melhorar com o tempo.  

Caso decida, pode assistí-los no Crunchyroll!

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Moriko Morioka

Moriko Morioka (Net-juu no Susume pode ser visto no Crunchyroll)



Em seu trabalho ela sofreu;
Assédio moral que trouxe infelicidade;
Tornou-se "neet" com 30 anos de idade;
Em seu apartamento ela se escondeu.

Sua única janela para o mundo era um jogo virtual;
Ali passava seu tempo, gastava seu dinheiro,
Era assim que ela se mantinha de alto astral,
Até Sakurai conhecer, seu companheiro.

Uma comédia romântica se formou;
Eles estavam prometidos desde o começo;
Um casal que superou cada tropeço;
Um casal que o deus do mangá abençoou.

Torci por eles com o coração;
Eu me comovi com cada declaração;
Ri com cada situação;
E me alegrei com  sua devoção.

Net-juu no Susume terminou seu arco principal. Eu ia recomendar esta série, pois, para mim, alcançou nota 10 em roteiro, mas o diretor resolveu juntar dois curtas e criar, com eles, um 11º episódio. Vou ter que esperar antes de recomendar, pois os diretores tem a mania de arrebentar com as suas séries nos capítulos finais. Espero que esta maldição não atinja este casal tão magnífico! Cara, com a Moriko-san eu casava! :)




Neste outro amv temos mais dela interagindo dentro do jogo. Prevejo que ela integrará muitas listinhas de casamento de otaku! :)


segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

O Estado é necessário!

Estado
Os libertários mais radicais defendem a extinção do Estado como estrutura organizacional. Diferente dos liberais moderados e conservadores, que defendem um Estado mínimo, os libertários entendem o Estado quase como um ser opressor das vontades e liberdades individuais. O núcleo de seu pensamento é a liberdade.

Infelizmente, não vejo como possível a extinção do Estado, pois ele é apenas uma consequência da união de diversas pessoas em volta de símbolos comuns, como língua, costumes, moral e território. Themistocles Cavalcante: “Mannhein considera a estrutura como a mais perfeita expressão de uma realidade social, econômica, política, mas nenhuma parte da sociedade, qualquer que seja ela, pode ter uma estrutura própria, particular, sem levar em conta a estrutura total” (Teoria do Estado; 1958), ou seja, a estrutura nacional é reflexo da estrutura das pequenas partes, mas não somente isso, pois é necessário também analisar a estrutura econômica, política, além da social.

No momento em que duas ou mais famílias decidiram se unir em tribos, e as tribos começaram a se comunicar com outras tribos, formando cidades, e estas cidades começar a se expandir e se relacionar com outras cidades, criaram-se diversas estruturas nacionais- nações. Eles precisavam da unidade para se desenvolverem e sobreviverem contras outras nações. Não havia outro jeito, ou se uniam, ou eram englobadas por estruturas maiores.

Para Sahid Maluf, no livro Teoria Geral do Estado, de 2009: “O Estado é uma organização destinada a manter, pela aplicação do Direito, as condições universais de ordem social. E o Direito é o conjunto das condições existenciais da sociedade, que ao Estado cumpre assegurar.” Podemos citar alguns direitos assegurados pelo Estado como direito à vida, à liberdade, à propriedade privada, à saúde e ao livre culto religioso.

Imaginemos que o Estado brasileiro acabasse. O que aconteceria seria uma reorganização social baseada, senão pelo mais forte, pelo mais numeroso grupo. Aqueles conexos com a mesma meta, ideologia ou doutrina se organizariam de modo a construir bases para sua sobrevivência. Haveria, de certo, ligações comerciais entre os grupos mais fortes. Os grupos mais fortes se uniriam e envolveriam os grupos menores, pelo simples fato de que os grupos menores pudessem possuir algo de interesse dos grupos maiores. Em algum tempo, teríamos novamente uma estrutura nacional, com nova base ideológica, política e cultural. Como eu sei disso? Pois é história da formação das cidades e nações. A liberdade individual plena nunca foi admitida na organização de grupos, quaisquer que sejam, portanto, a estrutura do Estado, que limitaria as liberdades individuais, se formaria novamente.

Continuando com o jogo de imaginação, suponhamos que nossa sociedade se dividisse em grupos que negassem o Estado, em prol da liberdade plena, logo, não existiriam as Forças Armadas para a defesa do território. A Venezuela, como um país que sofre atualmente uma ditadura socialista, com fome e miséria a nível de crise humanitária, olharia para o nosso imenso território, agora desprotegido, e, possivelmente, invadiria para garantir recursos mínimos para a sobrevivência do Estado da Venezuela. Foi assim no passado e seria assim agora.

Mises, ouso brincar, foi um liberal conservador, pois ele aceitava a estrutura do Estado até um certo ponto que a visão liberal permitia. Ele escreveu (Liberalismo: 2010) que “a tarefa do Estado consiste, única e exclusivamente, em garantir a proteção da vida, a saúde, a liberdade e a propriedade privada contra ataques violentos”, segundo ele “o liberalismo nem mesmo deseja ou pode negar que o poder coercitivo do Estado e a punição legal de criminosos são instituições que a sociedade não poderia, em quaisquer circunstâncias, delas prescindir”.

Como se defende a vida e a saúde? Com poder de polícia, com poder coercitivo, com uma estrutura de saúde decente, logo, com hospitais, com as Forças Armadas e com as polícias. E isso gera atrito com a questão da liberdade plena, pois, de fato, não existe liberdade plena, uma vez que se admite o poder de coerção. Até em um Estado liberal, se você matar uma pessoa, você será preso. Sua liberdade termina quando começa a liberdade de outro indivíduo. Veja o vídeo abaixo sobre o problema da liberdade. Como Sahid Maluf escreve, no livro já citado, o Estado Liberal, como defendido por libertários e liberais mais radicais, só seria possível em uma comunidade de deuses.





Finalizo com Hobbes[1] que afirmava que o Estado seria um mal necessário para que, com suas ferramentas, pudesse manter a ordem e a estabilidade entre os indivíduos. Ele acreditava que o “homem é o lobo do homem” e, portanto, a livre escolha do indivíduo deveria ser entregue ao Estado para garantir o bem comum.


Sobre a minha posição de conservador liberal, devo fazer um ajuste necessário. Anteriormente, eu me descrevia como um liberal para assuntos do Estado. Refleti que, com isso, eu estava autorizando o Estado a defender liberdades contrárias às que eu acredito como conservador. O ajuste ideal é que sou conservador, com visão liberal para a economia. Como escrevi, o liberalismo de Mises é essencialmente materialista, não tocando em esferas espirituais, por isso, posso ser liberal para a economia e manter minha alma conservadora. Mesmo assim, lerei mais economistas conservadores.




[1] Rainer Souza, Mundo Educação, lido em 09/12/2017 no link:
http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/historiageral/thomas-hobbes.htm

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Drops: Fábio Lima & Blend S

Drops: Fabio Lima & Blend S

Fábio Lima

Eu o conheci através do canal do Nando Moura. Imediatamente, eu me inscrevi. Um talento dedicado, com diversos prêmios e musicalidade incrível. Quem sou eu, um inculto nas artes da música, para descrever o talento dele? Acessem o site pessoal e vejam o que Fábio Lima[1] faz. No vídeo abaixo, ele toca 5 canções da série Naruto, no violão.  Assistam e se inscrevam.



Blend-S

Uma comédia que acompanha personagens trabalhando em um café. E não é um café comum. Nem poderia ser (rs). É um café temático, no qual as atendentes devem representar papéis para os clientes. Até agora, tenho gostado de quase 90% das piadas. Uma animação adulta, com boas piadas. E o que me chama a atenção é um trecho da abertura, no qual vemos os personagens entrando em seus papéis e se “transformando”: sádica, tsundere, sister, surprise...Achei incrível. Destaque para a personagem principal, pois é um anjo de pessoa, com coração gentil mas, quando força um sorriso, fica com a cara de uma sádica assassina e, por causa disto, acaba contratada para trabalhar neste café. É muito engraçado. Assistam no Crunchyroll.





[1] http://www.fabiolimamusic.com/?p=quemsou

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Rory Mercury

Rory Mercury

A semideusa da guerra e violência;
Choca com sua aparência;
Apesar do visual;
É uma guerreira letal.

Outros deuses a querem para si;
Como o deus do submundo que quis prender este colibri;
Mas ela é livre e quer assim continuar;
Ninguém a irá subjugar.

Apesar do medo que envolve sua imagem;
Ela é delicada;
Forte e dedicada;
E, por isso, digna de homenagem.

Rory é personagem da série Gate. Série que pode ser vista no Hidive ou Crunchyroll.  Uma semideusa com mais de 900 anos. Para ascender e se tornar plena, ela precisa chegar aos 1000 anos. Deste modo, deixará de ser apóstola de Emroy e se tornará, ela mesma, uma deusa completa. Cuidado com os minotauros, Rory! (rs)

 O vídeo abaixo não é para menores de idade! Conteúdo violento!




Aqui um discurso impressionante, pois ela defende a ação dos militares de Defesa do Japão. Em tempos de duros discursos contra a ação militar, principalmente discursos da esquerda, quando aparece um personagem que defende a ação militar, eu acho incrível. É engraçado também, pois ela trata aquela que a interroga como criança/jovem, pela idade, e a outra não entende até que revelam quem Rory é. 


segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Boletim concluso de 2017!



Hoje farei um breve relato sobre os meus livros durante o ano de 2017. Pela plataforma da Amazon, como mostra a imagem abaixo, os livros alcançaram boa média e uma representatividade forte na plataforma de vendas. Com exceção do Faces de Deus, que ainda não registrou vendas, todos os outros 4 livros estão bem no ranking de vendas. Aumente a imagem para ver os números. Basta clicar na imagem e ela abrirá.



Recebi minha medalha e exemplares da minha colaboração no Prêmio Cultura Nacional. O prêmio foi entregue na Câmara Municipal de São Paulo[1], com homenagem na página da Câmara. Como não pude ir, tive a honra de receber a minha contribuição, em mãos, pelo ilustre presidente da Real Academia de Letras, o poeta e escritor Mário Scherer e sua digna esposa e escritora Hertha Costa Scherer.  O clipe abaixo foi um slide show criado pela minha mãe durante a entrega da premiação na qual ela também foi agraciada com medalha e livros.



Ainda estou participando de uma última antologia que será enviada a Portugal e, com a qual, receberei selos especiais, além de livros referentes às nossas contribuições. Neste ponto específico, acredito que meu trabalho, neste ano de 2017, foi e está sendo proveitoso.  



[1] http://www.camara.sp.gov.br/blog/escritores-e-poetas-recebem-homenagem-na-camara/

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Drops: March Comes In Like a Lion & Konohana Kitan!


 March Comes In Like a Lion- Crunchyroll



É um animê que conta a história de um garoto que joga shogi profissionalmente. Apesar de ter sido “engolido” por este mundo, não sendo uma escolha livre, ele tinha muitos momentos de alegria ao interagir com três irmãs que o acolheram. Era assim antes. O arco no qual a série se encontra mostra que uma das irmãs está enfrentado um problema real e grave: bullying. Para profissionais da área de educação, eu aconselho acompanharem esta série e suas implicações. Pode ser um bom material para trabalharem este problema em classe. Aconselho, também, que esperem até o final do arco, para um julgamento melhor de como usar este material para tratar o tema. Veja vídeo abaixo:





Konohana Kitan- Crunchyroll




Imaginem uma hospedaria na qual trabalham raposas. Esta hospedaria fica no limiar do mundo material e do mundo espiritual. Não é o Paraíso e nem o Inferno. Um lugar que deve estar próximo do que o espiritismo chama de Umbral. As histórias aqui contadas são divinas (desculpem o trocadilho), com direito a mensagens sobre perdão, amizade, encontros & reencontros, maldição & benção e muito mais. É a única comédia desta temporada que está me fazendo refletir sobre questões de fé e bondade. Aliás, a bondade de coração aqui é tão intensa que cria milagres. Querem se divertir? Querem entender como uma parte dos japoneses pensa sobre o mundo espiritual? Então, vejam esta série! 


quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Veena!

Veena



Guerreira com coração materno;
Mãe-guerreira que sua família protege;
Seu escudo é caloroso e terno;
Sua mão a tudo rege.

Com seus olhos a tudo vê;
Seu amor a todos provê;
Mas se precisar lutar;
Sua espada irá o mal alcançar.

Deusa da Guerra é de fato;
Sua força é respeitada até pelo Yato;
Vencerá o mal, com sua armadura e poder;
Pois sua justiça é fiel e sua palavra é poder!



Veena é a Deusa da Guerra na série animada Noragami. Você pode assistir pelo Amazon Prime no Brasil, em legendas em inglês! O primeiro AMV não passa essa impressão, mas destaca outros pontos da personalidade dela. É um bom complemento. Já o segundo AMV a mostra mais como a Deusa da Guerra.  



Se ela fosse uma deusa real, teria muitos seguidores! :)


segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Estado, Educação e Moralidade!

Janaína Paschoal, em sua conta no Twitter, demonstra preocupação com as propostas de candidatos à Presidência da República. Ao ler as 11 mensagens intercaladas, nota-se que a preocupação é muito pertinente. Em síntese, ela se preocupa com o lado moral da nossa sociedade. Ela afirma que reformas e economia são importantes, mas de nada adiantariam sem segurança, incluindo a jurídica. Corretíssimo, principalmente ao apontar que os principais corruptores eram empresas privadas.

Isso pode reforçar um pedido por mais Estado, embora seja exatamente o contrário. Vamos bem devagar aqui. Fazendo uma comparação com uma complicação de uma fratura que tive, podemos definir o seguinte. Meu pé inchou de tal modo que cortou a circulação de sangue para a área, e o risco de amputação era alto, se não conseguisse reduzir o inchaço e voltar a circular sangue para ele. O inchaço impediu até mesmo a consolidação da fratura. O Brasil, hoje, está como meu pé estava (rs). Se não reduzirmos o inchaço dele, ele sofrerá uma gangrena. O inchaço impede que a fratura (questão moral) se consolide. Antes de tratarmos a fratura, precisamos reduzir o inchaço.

O princípio moral

O princípio da construção moral[1] se dá no seio familiar e no convívio em sociedade. Como é um conjunto de regras relativo aos costumes, é da família a importante missão de ensinar tais regras. A economia afeta diretamente a base familiar. O Estado precisa equilibrar suas finanças e reforçar a economia para dar ao povo segurança. Segundo a pirâmide de Maslow[2] , existe uma hierarquia das necessidades de um ser humano, na qual as necessidades primárias devem ser atendidas para que ele tenha a necessidade de satisfazer outras necessidades. Veja na figura abaixo.


Fonte: https://endeavor.org.br/piramide-de-maslow/


Antes da realização pessoal, na qual se insere a moralidade, estão as necessidades fisiológicas, de segurança, amor e estima. A família só vai conseguir se inserir adequadamente, em uma conduta moral, quando o Estado ajudar a suprir suas outras necessidades. E como o Estado conseguirá ajudar a suprir tais necessidades? Quando parar de alterar a economia com suas ações de intervenção, ou seja, para que o indivíduo alcance a necessidade moral, ele precisa, antes de mais nada, comer. Para comer bem, o indivíduo precisa de preços justos em uma economia livre. Somente na economia livre, os preços serão justos. O professor Anderson explica, em uma aula sobre Mises, porque um Estado inchado prejudica a economia e, portanto, a vida do cidadão.




Reduzir o tamanho do Estado é o primeiro passo para a igualdade e o desenvolvimento do país, então, alguns presidenciáveis estão corretos ao tratarem inicialmente desta questão. Segundo a Fundação Heritage[3], o Brasil está na posição de número 140 em liberdade econômica, de um total de 180 países analisados, ou seja, somos mais fechados que a China, por exemplo.

E é justamente um mercado fechado que cria deformidades econômicas que possibilitam o surgimento de empresas como Odebrecht e outras usadas como forma de perpetuar políticos no poder. Assim sendo, estamos chegando ao ponto descrito pela professora Janaína.  No texto “Os Reais Beneficiados por um Capitalismo Regulado” de Hans F. Sennholz, traduzido por Leandro Roque para o site Mises[4], “Quem cria cartéis, oligopólios e monopólios é e sempre foi o estado, seja por meio de regulamentações que impõem barreiras à entrada da concorrência no mercado (agências reguladoras), seja por meio de altos tributos que impedem que novas empresas surjam e cresçam, seja por meio da burocracia que desestimula todo o processo de formalização de empresas, seja por meio da imposição de altas tarifas de importação que encarecem artificialmente a aquisição de produtos importados (pense nas fabricantes de automóveis).” Esta economia cria “mamutes”, ou seja, empresas gigantescas, sem concorrência real, que servem apenas para desvios. Tais “mamutes” utilizam-se do governo, e são utilizados por ele, para perpetuar uma ideologia. Enquanto o Estado for grande, os corruptos terão forças para corromper. Em uma economia de livre mercado verdadeiro, estes “mamutes” não durariam.

Desta forma, acertam os presidenciáveis que desejam reduzir o Estado, pois eles aumentam a liberdade do indivíduo, proporcionam melhor condição de vida ao cidadão, fazendo com que ele tenha mais qualidade de vida, impedem a corrupção do Estado e ajudam na estruturação familiar. Chegando nesse ponto, já poderemos construir a moralidade, de acordo com a estrutura de Maslow.


Moralidade

A moralidade passa pela educação principalmente, e não apenas pela segurança jurídica. A família bem estruturada é a sede da moralidade, pois é o baluarte da educação. Resguardando a família, não permitindo que seja atacada por ideologias, que não foram comprovadas, já começa uma boa formação moral. A partir da criação e estruturação da família, o próximo passo para uma boa moral é uma boa educação escolar. Neste ponto, anseio que  próximo presidente venha a desconsiderar Paulo Freire e adote outro sistema de ensino. Um sistema como o mostrado pelo blog Reflexo Cultural, no texto “Professor Pier e o aumento da Inteligência” de Alexandre Nagado[5]. É importante que se leia este texto. Cliquem lá.

Resguardando a família e modelando corretamente o ensino escolar, já avançaremos na construção de uma moral eficiente e digna para os brasileiros, mas sei que a professora Janaína também preocupa-se com a segurança jurídica. O STF tem realizado decisões que estão deixando o nosso ambiente jurídico instável. Com isso, acredito que o próximo presidente precise alterar a forma como são feitas as indicações para a corte suprema. Eu acredito que o melhor seria um concurso de provas e títulos, pois, deste modo, o Estado não influenciaria nas decisões do tribunal.


Conclusão

Desta forma, precisamos reduzir o inchaço do Estado, resguardar a família, reformar a educação escolar e alterar a forma como são indicados os ministros ao STF. Sobre a questão da unificação do país, infelizmente, para isso, não há resposta. Acredito que estaremos divididos em esquerda/direita por, no mínimo, um século, ou mais, não havendo solução para tal ruptura.




[1] Significados, acessado em 23/11/2017 https://www.significados.com.br/moral/
[2] Significados, acessado em 23/11/2017 https://www.significados.com.br/piramide-de-maslow/
[3] Heritage Fundation, acessado em 23/11/2017 http://www.heritage.org/index/country/brazil
[4] MIses lido em 23/11/2017 http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1876
[5] Reflexo Cultural relido novamente em 23/11/017
https://reflexocultural.blogspot.com.br/2017/11/prof-pier-e-o-aumento-da-inteligencia.html