segunda-feira, 16 de julho de 2018

Prevaricação de Favreto!


Prevaricação de Favreto

Para quem não tomou conhecimento de uma lambança petista, no dia 08/07/2018, que deveria ser um domingo de paz, missa, churrasco e futebol, tornou-se em uma guerra jurídica, pois um desembargador plantonista resolveu passar por cima de todo o ordenamento jurídico, de toda a moral, para dar ao réu Lula, um habeas corpus insano.

As ações do desembargador Favreto não podem ser tomadas como um descuido, ou que o desembargador foi levado ao erro, pois ele iniciou uma guerra na qual decidiu pela libertação do réu por três vezes e, por três vezes, teve sua decisão cassada.

Segundo a presidente do STJ, que precisou se manifestar sobre este habeas corpus[1], o ato foi teratológico (absurdo, mal concebido). Alguns pontos relevantes da decisão da presidente do STJ:

 “O acórdão unânime da 8.ª Turma do TRF da 4.ª Região, que determinou a execução provisória da condenação imposta ao Paciente, foi objeto de impugnação perante este Superior Tribunal de Justiça, por meio de habeas corpus. Sobreveio acórdão unânime da 5.ª Turma do STJ, que denegou a ordem de habeas corpus, ratificando o entendimento quanto à possibilidade de se executar provisoriamente a pena imposta em condenação criminal depois de esgotadas as instâncias ordinárias. A questão foi, em seguida, submetida à apreciação do Plenário do Supremo Tribunal Federal, que, por maioria de votos, decidiu manter o entendimento consagrado pelo mesmo Colegiado em pronunciamento anterior recente. (...) Outrossim, está totalmente fora da competência do Desembargador Federal Plantonista emitir juízo de plausibilidade sobre as teses suscitadas pela Defesa do ora Paciente no Recurso Especial, que será, em tempo oportuno, examinado e decidido pelo Superior Tribunal de Justiça. Causa perplexidade e intolerável insegurança jurídica decisão tomada de inopino, por autoridade manifestamente incompetente, em situação precária de Plantão judiciário, forçando a reabertura de discussão encerrada em instâncias superiores, por meio de insustentável premissa (...) Diante do tumulto processual, sem precedentes na história do direito brasileiro, o Ministério Público Federal, na condição de custos legis, suscitou conflito positivo de competência – de forma incidental, dentro dos próprios autos do habeas corpus em tela –, efetivamente estabelecido entre os dois desembargadores federais: o Plantonista e o Relator da ação penal originária. (...) No mais, reafirmo a absoluta incompetência do Juízo Plantonista para deliberar sobre questão já decidida por este Superior Tribunal de Justiça e pelo Supremo Tribunal Federal, afastando a alegada nulidade arguida. Ante o exposto, INDEFIRO o pedido de liminar.”

Resolução 71/2009 do CNJ determina os limites de atuação de um juiz plantonista, a saber: “§ 1º. O Plantão Judiciário não se destina à reiteração de pedido já apreciado no órgão judicial de origem ou em plantão anterior, nem à sua reconsideração ou reexame ou à apreciação de solicitação de prorrogação de autorização judicial para escuta telefônica”.

O habeas corpus não trouxe fato novo, apresentou matéria já discutida no plenário de 3 casas (TRF, STJ e STF) e apresentou-se viciada, pois Favreto tem ligações com o PT. Desta forma, tornou-se manifestamente ilegal, como tudo o que o PT faz.





A Manifestação do MPF após esta guerra provocada pelo Favreto

E o Ministério Público Federal se manifestou, pedindo a abertura de inquérito judicial contra Favreto pelo crime de prevaricação. Segundo a PGR[2]: “ao agir fora de sua jurisdição e sem competência para conceder e reafirmar decisões liminares para que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fosse solto, o desembargador federal - que estava de plantão no último domingo (8) – cometeu infração disciplinar em um “episódio atípico e inesperado que produziu efeitos nocivos sobre a credibilidade da Justiça e sobre a higidez do princípio da impessoalidade, que a sustenta”. Citou ainda evidências de que o magistrado agiu movido por sentimentos e interesses pessoais, tendo praticado uma sucessão de atos dolosos contrários a regras processuais que ele bem conhecia, com o propósito de “colocar a todo custo o paciente em liberdade, impulsionando sua candidatura a presidente da República.” Por essa conduta, Dodge afirma que Favreto pode ter cometido crime de prevaricação, previsto no artigo 319 do Código Penal.”

Prevaricar, artigo 319: “rt. 319 - Retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal”.

Ainda segundo o site do MPF: “Para Raquel Dodge, Rogério Favreto fez parte de uma ação coordenada para libertar Lula. “Tal conduta apresenta elementos de ato ilícito praticado dolosamente com o objetivo de satisfação de sentimentos e objetivos pessoais, tipificado pela lei penal. Lembra ainda que a conduta afronta a ética e a imparcialidade e incluem os atos formais e as insistentes tentativas de subversão da ordem pública, além de violar frontalmente e a um só tempo, normas regimentais do Conselho Nacional de Justiça sobre plantão judiciário; normas regimentais do TRF4 sobre plantão judiciário; autoridade e competência da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região; autoridade e competência do Superior Tribunal de Justiça; e autoridade e competência do Supremo Tribunal Federal e regras sobre competência absoluta previstas no Código de Processo Civil".

Conclusão

A conclusão a que se chega é que a turminha vermelha tentou um golpe, mas foi impedida pelos olhos atentos do juiz Sérgio Moro que se manifestou contrário a esta ordem ilegal, embasado em decisão do STF que informa:
Se não fosse por um juiz muito capaz, Lula estaria ilegalmente solto por conta de uma máquina pública infestada de militantes. Devemos estar atentos e devemos, novamente, manifestar nossa gratidão a este grande juiz: Sérgio Moro!

Eu desejo que se crie o Dia do Moro!



[1] STJ Habeas Corpus:
<http://www.stj.jus.br/static_files/STJ/Midias/arquivos/Noticias/HABEAS%20CORPUS%20N%C2%BA%20457.922docx.pdf>
[2] PGR: <http://www.mpf.mp.br/pgr/noticias-pgr/raquel-dodge-pede-que-stj-e-cnj-investiguem-conduta-de-desembargador-que-concedeu-liberdade-a-ex-presidente-lula>

sexta-feira, 13 de julho de 2018

Drops: Max 1 de Life!


Drops: Max 1 de Life

Estou descobrindo grandes canais no Mixer. As vantagens do Mixer são ótimas para o criador de conteúdo (além da possibilidade de assinar o canal, em breve dará até para comprar os jogos pelos canais e jogar junto com o criador do conteúdo. E isto é ótimo para dar um “up” na renda dos canais). O YouTube está massacrando os criadores de conteúdo e favorecendo os anunciantes, já o Mixer está com uma proposta de valorização de quem produz. Gostei muito disso!

E o canal que eu gostaria de indicar é de um cara bom de “hack and slash” que tira de letra Dark Souls. Ele consegue terminar o jogo sem alterar os pontos de vitalidade e isto é um exemplo do quanto ele domina as estratégias de combate. Pelo True Achievement (clique), ele possui mais de 16 mil achievements! Além disto, ele responde a todos os seus inscritos que acompanham as lives do canal. Vou deixar aqui um vídeo do canal. Ele também tem um apoia.se (clique).


segunda-feira, 9 de julho de 2018

Toffoli: Vício e Nulidade!


Ainda sobre o julgamento de recursos pela segunda turma do STF, venho deixar aqui uma reflexão e um estudo sobre o ocorrido, demonstrando, pelo regimento interno do STF, além de outras fontes, que aquela sessão estava em vício por descumprimento do Código do Processo Civil.

DO VÍCIO

Regimento Interno do STF[1]
TÍTULO X
DOS PROCESSOS INCIDENTES
Capítulo I
Dos Impedimentos e da Suspeição
Art. 277. Os Ministros declarar-se-ão impedidos ou suspeitos nos casos previstos em lei.
§ 2º O impedimento, na representação, quanto a determinado texto arguido de inconstitucional não se estende aos demais textos que não guardarem vinculação com aquele.
Art. 278. A suspeição será arguida perante o Presidente, ou o Vice-Presidente, se aquele for o recusado.
Parágrafo único. A petição será instruída com os documentos comprobatórios da arguição e o rol de testemunhas.

O Conselho Nacional de Justiça[2] informa “Os critérios subjetivos que determinam a suspeição do juiz, conforme o artigo 135 do CPC, incluem ser “amigo íntimo ou inimigo capital”, “herdeiro presuntivo (tido como tal), donatário ou empregador” de uma das partes do processo. Também deve-se considerar suspeito o juiz que tiver aconselhado uma parte a respeito da causa ou aquele que estiver interessado em julgamento favorável a uma das partes. A norma prevê também que o juiz possa alegar “motivo íntimo” para declarar-se suspeito.”

Já o CPP (código de processo penal) trata das questões de nulidade em seu artigo 564 a 573 e diz, de maneira bem clara: “Art. 564. A nulidade ocorrerá nos seguintes casos: I - por incompetência, suspeição ou suborno do juiz; (...) Artigo 567. A incompetência do juízo anula somente os atos decisórios, devendo o processo, quando for declarada a nulidade, ser remetido ao juiz competente.





Oras, Dias Toffoli foi assessor de Dirceu na Casa Civil, portanto, ele deveria ter sido impedido de votar na segunda turma que liberou Dirceu e, mais recentemente, lhe tirou a tornozeleira eletrônica. Não poderia nunca ter aceito processos que estejam relacionados diretamente a um superior com o qual já trabalhou. Ao julgar Dirceu, Toffoli desrespeitou o artigo 135 do CPC por não se declarar suspeito. Isto gerou um vício processual.

Segundo Marcel André Rodrigues[3]: “o ato processual é uma espécie de ato jurídico, uma vez que a lei estabelece determinada forma para a sua prática, cujo desrespeito pode gerar sua ineficácia, nulidade ou inexistência. (...) O vício do ato processual ocorre, portanto, quando existir a inobservância das determinações legais a ele relacionados, cujas consequências de tal imperfeição dependerá diretamente de sua gravidade...”

Aqui, então, temos dois fatos: Toffoli desrespeita o CPC, criando um vício processual e a possibilidade de se anularem os efeitos de suas decisões. Um ato com vício pode ser anulado, mas dependerá da ação de uma das partes que declare tal vício ao juízo responsável. Na minha convicção, Toffoli incorreu no mais grave vício, caracterizado como vício que gera a nulidade absoluta, Marcel André Rodrigues: “ato praticado em desrespeito a exigências formais que têm como objetivo a preservação do correto e regular funcionamento da máquina jurisdicional, que busca preservar algo superior ao interesse das partes, como a Justiça e a boa administração jurisidicional”. Para defender seu antigo chefe, Toffoli feriu a justiça e a boa administração jurisdicional, tirando-lhe, inclusive, a tornozeleira.


O MINISTÉRIO PÚBLICO E A SOCIEDADE

O Ministério Público não pode ficar parado, assistindo às decisões viciadas da segunda turma e não fazer nada. Ele pode levar ao plenário um pedido de nulidade de ato. A sociedade organizada pode entrar com recurso civil público também, que force o plenário a analisar os feitos da segunda turma sob a ótica da nulidade absoluta, por ocorrência de vício.

Caso o plenário acate a interpretação do pedido de nulidade, o regimento interno do STF informa:


Título III
Das sessões
Capítulo IV- Da sessões da Turma
Art. 150. O Presidente da Turma terá sempre direito a voto.
§ 2º Persistindo a ausência, ou havendo vaga, impedimento ou licença de Ministro da Turma, por mais de um mês, convocar-se-á Ministro da outra, na ordem decrescente de antiguidade.



Isto mudará a composição da turma e, talvez, deixemos de ter uma turminha vermelha para, deste modo, ter uma verdadeira turma do STF.



[1] STF:
<http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/legislacaoRegimentoInterno/anexo/RISTF_integral.pdf>
[2] CNJ: <http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/62381-conheca-as-diferencas-entre-impedimento-e-suspeicao>
[3] Marcel Rodrigues: <https://marcelandre.jusbrasil.com.br/artigos/357404196/vicios-dos-atos-processuais>

sexta-feira, 6 de julho de 2018

Drops: Grancrest Senki!

Aqui terá SPOILER!



Grancrest Senki terminou e posso afirmar que foi a obra mais conservadora que vi nos últimos anos e isto foi muito agradável. Em tempos em que a agenda liberal tomou conta até das animações japonesas, obrigando muitos enredos a "lacrarem" ou "empoderarem", ver uma animação sólida, eficiente e conservando os valores de uma boa fantasia, tornou-se raro. E Grancrest se mantêm íntegro em sua proposta clássica e vai ser considerado um clássico do gênero, com certeza. E o melhor ainda estava por vir: o desfecho sensacional da série, indo contra a agenda liberal. A tal "Era do Caos" nada mais foi do que um sistema que impedia a progressão humana, através da morte e da guerra, ou seja, tal qual a agenda esquerdista/liberal com o controle de natalidade (leia-se aborto, por exemplo) . Ao evitar a paz, a "era do caos" tentava evitar que a civilização atingisse um marco do controle de uma arma. Theo se mostrou um bravo herói ao recursar dar continuidade a esta era e se tornou um exemplo de líder conservador! Eu não esperava tanto desta série e adorei cada trecho dela. Uma maravilhosa obra que comprarei em mídia física!



quarta-feira, 4 de julho de 2018

Street Fighter!


Lutar é uma forma de viver;
Não se deve seguir apenas pelo punho;
Não seja este o único ganho.
Viva por algo além, pelo dever.

Que seu destino esteja além;
Seu punho o destino mantém;
O dever de proteger;
Conservar a ordem e todos socorrer.

É mais que um mantra samurai;
Deve ser seu destino;
Ao próximo a tudo dai;
Defenda-o como se fosse um pequenino.


O punho de um artista marcial mostra seu destino. Que o destino e a força de todo artista esteja no dever de proteger a todos. Foi esta a grande lição  que aprendi com a série abaixo!




segunda-feira, 2 de julho de 2018

Carta contra o aborto!


Carta contra o aborto!

Venho me manifestar nesta discussão sobre o aborto ser legalizado no Brasil. A discussão tem, em síntese, a problemática de que a mulher possui direito ao seu corpo e, portanto, direito ao que bem entender, ao que bem quiser fazer com ele. Esta liberdade entra em conflito direto com outro bem tutelado pela nossa Constituição Federal, que é o direito à vida. Para evitar tal conflito, quem defende o aborto tenta associar à sua causa a ideia de que o feto não tem vida até algumas semanas após sua fecundação.

Vida
Feto não tem vida?

A enciclopédia Britannica[1] informa o que a ciência considera como ser vivo:  um ser vivo é qualquer organismo que tem vida. Os animais, as plantas, os fungos, as algas, os protozoários, as bactérias e os vírus são seres vivos. Os cientistas já descobriram cerca de 1,5 milhão de tipos diferentes de seres vivos na Terra”.

Um ser bacteriano, que é um ser unicelular, procarionte, e que pertence ao Reino Monera, é considerado um ser vivo pela biologia. E é um organismo sem centro nervoso central ou periférico. Considerando o exemplo dos unicelulares, já fica claro que a ideia de que “um feto não tem vida” não prospera. Além do potencial para a vida, o feto é um ser vivo. Bioética - Novo conceito a caminho do consenso por Hubert Lepargneur: “concordamos em reconhecer que embrião ou feto é um ser vivo da espécie humana e como tal merece um cuidado ou respeito devido à dignidade pessoal”.

A ciência nos promove este importante esclarecimento: o feto é um ser vivo, possui DNA humano e se desenvolverá em um bebê! Desta maneira, a questão do aborto já passa da questão do “meu corpo, minhas regras”, pois implica na transgressão/proibição do direito de existir de outra pessoa. Zigoto, embrião, feto... são fases de desenvolvimento do ser humano, nos quais uma vida está se desenvolvendo.





A Defesa da Vida

“Art. 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade.”

Então, sim, temos um atrito entre dois direitos fundamentais. O direito à vida do bebê e o direito de liberdade da mãe. Qual destes tem maior peso na nossa Constituição? O direito à vida, pois, sem ele, não existiriam os demais direitos. Paulo Gustavo Gonet Branco, citado por Paula Gabriella Ribeiro Dorigatti[2]: “A existência humana é o pressuposto elementar de todos os demais direitos e liberdades disposto na Constituição e que esses direitos têm nos marcos da vida de cada indivíduo os limites máximos de sua extensão concreta. O direito à vida é a premissa dos direitos proclamados pelo constituinte; não faria sentido declarar qualquer outro se, antes, não fosse assegurado o próprio direito estar vivo para usufruí-lo. O seu peso abstrato, inerente à sua capital relevância, é superior a todo outro interesse”.

Assim como a existência humana inicia-se na fertilização, o direito à vida e a proteção das leis iniciam-se na fertilização também. Questão semelhante a esta foi tratada por Thiago Baldani Gomes de Filippo[3]: “Com isso, os nascituros têm direitos ou, pelo menos, direito a ter direitos, o que implica no reconhecimento, como regra, da ilicitude das interrupções voluntárias de gestações. A possibilidade do exercício da tutela penal, ainda que se trate de vida intrauterina, decorre da essencialidade desse bem, de incontestável valor, que deve ser inviolável desde a sua origem. Conferir às gestantes o direito absoluto ao aborto, de modo a compreender que os fetos sejam simples partes de seu corpo, equivale a conferir-lhes o poder de vida e morte sobre terceiros, medida que se choca com qualquer sistema jurídico que deposite no ser humano a sua centralidade”.


Conclusão

Concluo pedindo pela proteção da vida do bebê em desenvolvimento e fazendo minha as palavras de Alexandre de Moraes, também citado por Paula Gabriella: “O início dessa preciosa garantia individual deverá ser dado pelo biólogo, cabendo ao jurista, tão somente, dar-lhe o enquadramento legal, e, “do ponto de vista biológico, não há dúvida de que a vida se inicia com a fecundação do óvulo pelo espermatozóide, resultando um ovo ou zigoto. Assim o demonstram os argumentos colhidos na Biologia. A vida viável começa, porém, com a nidação, quando se inicia a gravidez...e assegura, ninguém pode ser privado arbitrariamente de sua vida”.







[1] Britannica: <https://escola.britannica.com.br/levels/fundamental/article/ser-vivo/481759>
[2] Âmbito Jurídico:
 <http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=17585&revista_caderno=9>
[3] Conjur: <https://www.conjur.com.br/2016-dez-18/thiago-filippo-vida-feto-prevalece-liberdade-abortar>

sexta-feira, 29 de junho de 2018

Drops: Mixer & Xbox Interativo!


Drops: Mixer & Xbox Interativo

Desde que iniciei com os drops, eu tenho me concentrado em canais no YouTube, porém, acredito que isto mudará começando por este dia. Tenho testado uma nova plataforma e a tenho achado incrível e, através desta plataforma, conheci um canal muito interessante.



Mixer
https://mixer.com/about/story

O Mixer é o antigo BEAM. A história deles, em inglês, “In our first 2 years, we revolutionized streaming, bringing the viewers closer than ever to their favorite streamers with sub-second latency and truly interactive buttons. We won the Startup Battlefield challenge, and surprised everyone with our growth. In 2016, we joined Team Xbox, and have since introduced native Windows streaming, better interactive controls, and the first native co-streaming. Now as Mixer, we will continue to lead the industry with community-first features, focusing on enhancing the experience for viewers and streamers all over the world. Mixer life is all about bringing friends together for a great time. You in?” Focando em um serviço de streaming que leva a audiência a ter um maior contato com o produtor do conteúdo (chat, compras, assinaturas e, posteriormente, compartilhamento do controle) este serviço é um dos mais competentes e agradáveis. E o tempo de latência é realmente baixo.



Xbox Interativo
https://mixer.com/Xboxinterativo

E dentro desta plataforma, eu acabei encontrando um canal chamado Xbox Interativo. Segundo Bruno Arruda, da agência WTF, o canal teve sua origem nos EUA, com o objetivo de transmitir gameplays para o comércio varejista. O consumidor entra na página, assiste uma gameplay, e decide se deve comprar o jogo.

Com o sucesso da empreitada, a Microsoft decidiu por trazer o programa para cá. Uma vez que o Xbox possui uma grande comunidade brasileira, faz muito sentido. Em parceria com a agência WTF, que também produz o Inside Xbox (YouTube), eles transmitem 8 horas por dia, de segunda a sexta, começando 10 horas da manhã e terminando às 18 horas. Existe intervalo de almoço e de um lanchinho da tarde também. São 5 apresentadores que se revezam.

E o que me atraiu neste canal? Primeiro, gameplay de qualidade. Eu comecei a acompanhar o State of Decay 2 e vi muita interatividade com a audiência, cordialidade, e bom desempenho no jogo. Jogar bem, acompanhar o chat, interagir e manter o público atento ao que acontece na tela é difícil e todos os apresentadores conseguem isto com êxito. Em segundo lugar, o chat e o pessoal que interage com os streamers. Muita gente legal, que está ali passando um tempo, fugindo do trabalho (rs) ou descansando! Em terceiro lugar, poder conhecer novos jogos a cada semana.

Quer conhecer? Assista esta gameplay e venha se inscrever no canal!


quinta-feira, 28 de junho de 2018

STF x Brasil!

Desabafo: STF X Brasil

No dia 26/06/2018, a segunda turma do STF, que já chamei de turminha vermelha, e com razão, descambou para a baixaria jurídica. Em uma sessão polêmica, a turminha vermelho-sangue, concedeu liberdade para Dirceu, anularam a busca e apreensão feita pela PF no apartamento da Gleisi e seu marido, trancou a ação penal contra o Capez, suspendeu a execução da pena do Genu, enfim, a sessão foi a mais inacreditável possível.

A reação aos absurdos jurídicos dessa turminha, nas palavras de integrantes do Ministério Público, deixa clara a desordem jurídica da sessão, das decisões e do mal que o STF está causando.

Júlio M de Oliveira- membro do Ministério Público de Contas
Fabrício Lamas- professor de direito e membro do MPGO
Wellington C Saraiva- membro do MPF

Helio Telho- procurador da República

É por isto que precisamos reformular o modo como o STF age. O tribunal não pode ser um puxadinho de qualquer partido que for. Defendo que se tenha concurso de provas e títulos para a atividade de seus ministros, bem como a possibilidade de expulsão de qualquer membro sem precisar passar pelo Senado. No mais, precisamos mostrar nossa indignação contra estes abusos cometidos! O Brasil irá vencer!

#STFVergonaNacional

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Sementes nos campos de Platão!



Minha esposa é uma semente nos campos de Platão;
Eu sonho com ela desde os tempos de Adão;
Somos antigos como o tempo;
Temos o tempo de passatempo.

Nestes campos, brincamos e brincaremos;
Toda a dor suportamos e suportaremos;
Das lembranças, nos alegramos e nos alegraremos;
Da vida, sobrevivemos e sobreviveremos;

O tempo se curva em novos horizontes;
Somos passado, presente e futuro.
Somos nossos próprios Arcontes;
Não somos. Seremos. Meu auguro.

*****

A referência aos campos de Platão é uma referência ao mundo das ideias. O tempo não é uma estrutura linear e absoluta neste poema. Daí pode-se pegar todas as demais referências. Deixo isto como exercício a vocês.







segunda-feira, 25 de junho de 2018

State of Decay 2: análise do jogo!


State of Decay 2- Impressões finais do jogo
GT: Paray BR (Paray_BR)





Nesta continuação, continuamos presos a um apocalipse zumbi tentando sobreviver com nossa busca por materiais, armas e crescimento de nossa comunidade e aliados. Basicamente, esta é a premissa deste novo jogo da franquia da Undead Labs e da Microsoft Studios e que venho a tecer considerações em uma análise final do jogo.

O jogo tornou-se incrivelmente popular, com mais de 2 milhões de jogadores em apenas duas semanas após o seu lançamento, o que fez a Microsoft lançar um agradecimento aos jogadores[1]:

“Tem sido incrível ver jogadores em todo o mundo apoiando o State of Decay 2 e estamos empolgados em compartilhar que alcançamos mais de dois milhões de jogadores em menos de duas semanas desde nosso lançamento global em 22 de maio. Em nome da equipe aqui e nossos parceiros incrivelmente talentosos da Undead Labs, queremos agradecer aos milhões de fãs antigos e novos que ajudaram a construir uma comunidade tão forte de jogadores unidos na luta pela sobrevivência … Com tantos jogadores aproveitando o jogo, vimos algumas tendências e dados interessantes desde o nosso marco anterior de um milhão de jogadores. Até agora, os sobreviventes eliminaram perto de dois bilhões de zumbis! Também estamos vendo muitas histórias de sucesso de sobreviventes. Na semana passada, os jogadores sobreviveram em média três dias e, como de nota, vimos jogadores completarem mais de 121.000 histórias comunitárias e começarem novas comunidades com um novo mapa que inclui bônus extras para ajudar a iniciar seu novo desafio de sobrevivência.”





Eu joguei por causa do Xbox Game Pass que adquiri justamente para ter acesso mais econômico aos exclusivos da Microsoft. Muitos exclusivos estão sendo implementados ao catálogo que, atualmente, possui mais de 100 títulos. Game Pass é uma biblioteca de jogos na qual você tem aceso a vários jogos com o pagamento de uma taxa.




O jogo

 Decay 2 começa com a escolha de seus sobreviventes que são diversas duplas e do terreno aonde você começará sua campanha. Escolhi minha dupla pelos dados de personagens. Escolhi personagens com bom porte físico e situação cardíaca. Não existe a possibilidade de escolha de dificuldade, ou seja, encaramos este desafio como ele nos é apresentado.

Após esta escolha e de um breve tutorial, somos jogados neste mundo e devemos sobreviver de acordo com as possibilidades. E os perigos são muitos, pois existem diversos tipos de zumbis, que andam sozinhos ou em hordas, além de infestações, clãs (enclaves) inimigos e núcleos pestilentos. Talvez o pior inimigo esteja dentro de sua própria comunidade. Vamos prosseguir primeiro com os zumbis.

Os zumbis

Temos diversos tipos de mortos-vivos aqui. Cada um deles tem sua cota de perigo e promove tensão ao jogo, principalmente quando invadem a base. Os normais são ameaças quando estão em bando e conseguem te cercar. Os screamers são perigosos, pois eles chamam outros zumbis com seus gritos e a situação pode se complicar. Os infectados são úteis, pois deles podemos tirar amostras para criar vacinas. Os selvagens/ferais são os que eu considero os mais tensos de se lidar. Eles são rápidos, fortes e resistentes. Conseguem te derrubar e te ferir com facilidade. O jeito mais fácil de se lidar com eles é atropelando-os. Os colossais são bem temidos pelo tamanho e força. Se estiver com sua vida baixa, eles te matam com um golpe. Apesar disso, derrubá-los e matá-los é mais fácil do que derrubar e matar um selvagem. Só não use um carro. Não é possível atropelar um colossal.

Eu percebi que a inteligência do jogo promove escolhas de acordo com o que você deseja fazer. Caso marque uma casa para ir retirar mantimentos, a casa começa a ficar cercada de zumbis que procuram por você. É normal perceber zumbis brotando do nada, bem em frente ao seu objetivo. Isto me mostra que o jogo parece um grande tabuleiro de xadrez, aonde a inteligência do jogo coloca suas peças (zumbis e sobreviventes hostis) e você coloca o seu npc. Ganha quem conseguir resolver melhor o problema apresentado.

Sobreviventes

São aliados e são inimigos dependendo de suas escolhas. Seu enclave pode ser próspero ou pode se tornar em uma versão do PCC (rs) dependendo exclusivamente de suas escolhas. Eles influenciam também na quantidade de mantimentos (alimentação, combustíveis, hospitalar e munição) que você possui. Não é raro receber uma chamada de rádio de um dos seus sobreviventes dizendo que derrubou combustíveis, ou viu uma barata saindo de um pacote de alimento e, então, você acaba perdendo itens. Muito normal, também, é receber mensagens com membros que estão brigando entre si. Sim, estes trapalhões são seus aliados no jogo (rs).  

Manter o equilíbrio das provisões e fornecer água e luz são desafios constantes para você. E aqui vai uma dica: tente sempre manter seus sobreviventes calmos e felizes, ou eles podem começar brigas ou sair do enclave. Nunca os expulse, pois eles podem voltar com um enclave hostil. Se você perdeu a paciência com alguém, simplesmente o mate em missão (rs).

E, por fim, enclaves inimigos. Assim como existem enclaves aliados, existem os inimigos. Enquanto os aliados te fornecem trocas vantajosas (compra e venda), os inimigos roubam itens, começam brigas e ocupam espaço. Trate de eliminar os enclaves hostis e pegar as armas deles. Outra dica: se surgir um selvagem ou um colossal perto de um enclave neutro, ou aliado, leve-o para dentro do território do enclave e receberá ajuda deles para exterminar estas pragas. Eles lutam por você. Eliminei meu primeiro colossal com a ajuda de um enclave aliado. Eu estava lutando e não percebi que tinha entrado no território de um. Quando dei por mim, o enclave estava atacando o colossal também.


Diversão

O jogo, por fim, se mostrou bastante desafiador e divertido. Os bugs que achei no jogo fizeram-no mais divertido, pois eram coisas bobas que não interferiam na jogabilidade. Por exemplo, um zumbi brotando no alto de um muro, como mostrado no vídeo abaixo. Ou meu personagem não segurando em uma escada e quase cometendo suicídio. Se eu gostei do jogo? Adorei! Como afirmei, ele é divertido, desafiador, tenso e viciante. Fui pego muitas vezes desligando o jogo e já pensando no que fazer no dia seguinte.  

Eu completei a campanha do construtor e o vídeo abaixo é uma gameplay após o término desta conquista. Ele mostra furtividade, luta com zumbis, uso de itens, procura por itens, tiro e interação com os personagens, além de um bug de um zumbi, ao final, levitando em cima do muro. Deve ter sido zumbi do Dr. Estranho. (rs)




State of Decay 2 é nota 9,0!


[1] Windows Club: <https://www.windowsclub.com.br/state-of-decay-2-dobrou-o-numero-de-jogadores-em-menos-de-uma-semana/>

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Paraymun, o guru! Texto descontraído!


Paraymun o guru fajuto!

A capa foi sugestão minha e predisse, já em 2013, as condições de nossa política atual. 😃


Em 2003, quando registrei na Biblioteca Nacional meu primeiro trabalho, escolhi brincar com as sílabas de meu nome e criei um anagrama que lembra um nome indiano. Surgiu daí o meu pseudônimo: Paraymun Radoede Motrick. Brinquei e disse que parecia o nome de um guru.





Em 2004, o "guru" registrou o “Apocalipse: Brasília!” que seria editado futuramente (2013) pela editora Perse.  Neste livro, escrevi uma adivinhação: “O distúrbio magnético pela súbita aceleração do magma no interior da Terra, provocando eletricidade estática, que causou o ‘efeito clarão’, que os loucos religiosos dizem ter sido consequência do poder de Deus, deve ter afetado o sonar destes animais. (...) Já perceberam que, após a aceleração do interior do planeta, os dias estão mais curtos?”. Podem achar estes trechos nas páginas 89 e 90.



Então, fui ler, recentemente, um artigo de Thiago Perin[1], para a Superinteressante, que não é recente, pois data de 2016, mas era recente para mim, que dizia: “Nem se anime: isso não significa que a sexta-feira vai chegar mais cedo. Quer dizer, até vai, mas você não vai notar a diferença. O pessoal da Nasa contou que, após o terremoto de magnitude 8,9 que atingiu o Japão na última sexta, 11, os dias estão um pouquinho mais curtos. Um pouquinho mesmo: 1,6 microssegundos. Eles explicam que os tremores causam leves deslocamentos da massa da Terra em direção ao centro do planeta, o que altera a velocidade da sua rotação. Mas calcule aí que cada microssegundo equivale a um milionésimo de segundo e você percebe que, na prática, não muda nada. Mesmo assim, o tempo estar passando mais rápido não é das piores notícias para começar uma segunda-feira, né?”


Eita, "guru" da peste!



Bienal de São Paulo

Notem que o texto acima é apenas uma brincadeira, uma forma descontraída para anunciar, de forma despretensiosa, que o livro estará presente na Bienal do Livro de São Paulo, no estande da editora Perse. Caso esteja na bienal, dê uma passadinha lá e compre o livro. Quem sabe você ache mais alguma premonição do "guru" Paraymun. 😉


Caso não consigam ir ao evento, podem achar o livro nos links abaixo, bastando clicar neles.

Loja da Perse (impresso sob demanda, ePub e PDF)
Amazon (Kindle)
Amazon (impresso sob demanda, direto dos EUA)




[1] Super Abril: <https://super.abril.com.br/blog/cienciamaluca/terremoto-do-japao-deixou-os-dias-mais-curtos/>