segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Censura nas redes sociais, Hagakure neles!


Ocupe Espaço

Uma breve mensagem para esta segunda-feira. Mark Zuckerberg alegou que o Vale do Silício é majoritariamente de viés esquerdista. Isto me fez perceber um detalhe importante. Muitas vezes, o espaço é ocupado porque uma outra parte se recusa a preenche-lo. Se o Vale do Silício é predominantemente esquerdista é porque os conservadores e os direitistas permitiram que isto ocorresse. Agora enfrentam, tanto no Brasil como no resto do mundo, a censura que os quer calar, que vem das empresas de internet.



As redes sociais são os novos campos de batalha da guerra ideológica

No campo de batalha, tente impedir que os outros tomem a liderança e se concentre em quebrar as linhas inimigas. Dessa forma, sua determinação será superior à dos outros, sua mente se tornará selvagem e você manifestará seu valor marcial. —  Yamamoto Tsunetomo


Não existe dúvida nenhuma de que o campo virtual tornou-se o terreno da disputa da mensagem ideológica e o estamos perdendo, por não ocupar as principais cadeiras das empresas que hoje controlam a censura. Como Tsunetomo orientou, temos que impedir que a esquerda tome a liderança e temos que nos concentrar em quebrar as linhas inimigas, pois já estamos sofrendo com a censura em meios de comunicação. São duas ações: uma a longo prazo e outra a médio e curto prazo.




Estratégia a longo prazo- Tome a liderança! 

Precisamos ocupar mais cadeiras nas empresas de comunicação, nas escolas e faculdades. Para tirar a liderança do viés esquerdista vai demandar esforço em ocupar lugares estratégicos, principalmente na área política. Se uma organização está demonstrando aceitação de uma agenda progressista (pró-aborto, por exemplo) é porque seus funcionários a aceitam. Infelizmente, esta ação vai demandar muito tempo até que se fortaleça o suficiente para mostrar efeitos benéficos, mas ela deve ser feita. Um socialista já disse uma vez que não se deve tomar quartéis, mas escolas. Nós permitimos. Hoje, estamos lutado contra os efeitos desta tomada de poder cultural. Precisamos combater e tomar espaço nas organizações, associações, escolas, faculdades, enfim, em todos os campos estratégicos para manter a nossa agenda cristã segura.


Estratégia a curto prazo- Quebre as linhas do inimigo!

Para quebrar as linhas inimigas, penso como Leandro Ruschel e Claudia Wild que devemos tornar judicial as censuras sofridas e tornar o processo de censura impraticável. A liberdade de expressão precisa ser defendida e a justiça pode dar um fim a esta prática, uma vez que existem acordos/contratos  entre estas empresas e o consumidor final e, portanto, elas são passíveis de sofrerem com sentenças judiciais e devem obedecê-las. Lutar contra o viés esquerdista é lutar pela liberdade de expressão e contra a censura.    

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Teologia da Libertação- Küster


Drops- Teologia da Libertação


O drops de hoje é apenas uma chamadinha para um vídeo muito importante. Bernardo Küster criou uma vaquinha para financiar um documentário sobre a Teologia da Libertação. Quando criança, estudando no Dom Bosco, passei bem perto de padres que pregavam isto que, hoje, tenho considerado como um dos grandes absurdos infiltrados na Igreja. Veja o vídeo e, se desejar, contribua para que este documentário venha a ser devidamente desenvolvido.   




Um pouco sobre a teologia da libertação sob a ótica de um padre:





quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Conhecimento altera visões!


Alimente-se
Busque conhecimento
Expanda visões.

O conhecimento por si só não dignifica a alma humana, mas o conhecimento, aliado a uma moral universal, vai te fazer perceber novos horizontes. Leia, estude, alimente-se de ensinamentos, brinque com as palavras, deduza, e terá elementos suficientes para expandir sua visão de mundo.



segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Cells at work, construa o muro!



Estou assistindo “Cells at Work” e relembrando minhas aulas de histologia, citologia e embriologia. Em um determinado momento, assistindo ao episódio 3, tive uma iluminação para explicar uma coisa interessante. Na série, o nosso corpo é representado como uma cidade. Ele possui estruturas e habitantes (células) que trabalham para o bem do organismo (cidade). Dentro do pequeno ecossistema orgânico, estando tudo em equilíbrio, a cidade e seus habitantes prosperam. Prosperidade garantida pelas células de defesa e isso nos ensina, também, como a proteção de fronteiras é importante!

Em determinados momentos, como em um corte de pele (o primeiro muro que impede a invasão), o ecossistema pode ser invadido por germes, vírus, ou bactérias, que tirarão o equilíbrio do sistema e poderão levar o corpo à morte. O site Biomania[1] detalha os eventos que ocorrem no corpo quando  mesmo é invadido:


“Um agente invasor, ao entrar no organismo, gera um mecanismo de defesa, a resposta imune. As substâncias invasoras são detectadas pelos macrófagos, que irão atuar em sua digestão parcial e na comunicação aos demais componentes do sistema imune da invasão sofrida, para que essas substâncias sejam totalmente destruídas e eliminadas. Após a atuação dos macrófagos, os linfócitos T auxiliadores entram em ação, ligando-se aos antígenos invasores.

Este processo estimula a produção, pelos leucócitos, de compostos denominados interleucinas, que atuarão na ativação e estímulo para a produção de mais linfócitos T auxiliadores.

Estes novos linfócitos intensificarão o combate aos antígenos e liberarão outros tipos de interleucinas, que estimularão a produção de linfócitos T matadores e linfócitos B. Depois de estimulados, estes linfócitos se multiplicam até que os antígenos sejam desativados e eliminados.

Parte dos linfócitos produzidos é armazenada, estes são um tipo de linfócito especial, denominados de células de memória. Estas guardam durante anos, ou pelo resto da vida, a capacidade de reconhecer agentes infecciosos com os quais o organismo já se deparou. Havendo um novo ataque por agentes conhecidos, as células de memória são estimuladas a se reproduzir, dando início ao processo de defesa do organismo, em um curto intervalo de tempo.”



Você pode ter uma noção visual, do texto acima, através do trabalho excelente desta série chamada "Cells At Work". Veja abaixo. Precisei pegar um vídeo de "react", pois estes tem certa proteção contra flags. Assistam a série, oficialmente, via Crunchyroll!E ainda com direito a homenagem à Jojo Bizarre Adventure! 😊







E qual a ligação disto com o título? Construa o muro? Simplesmente porque a série nos deixa cientes do perigo de uma invasão e como proteger suas fronteiras, seus agentes de fiscalização e proteção é essencial para a defesa da Nação(corpo). Em um primeiro momento, saiba que a comparação de um país com um organismo vivo está presente na filosofia do Direito. Plínio Salgado[2]: “Uma Nação é como um corpo humano: um conjunto de órgãos e de tecidos e células, todos relacionados entre si e todos tendentes à manutenção do indivíduo. Isso nos leva a concluir que uma Nação não se pode governar sem um planejamento que abranja, ao mesmo tempo, o conjunto dos problemas e que esteja atento aos pormenores e às peculiaridades de cada um no sentido da unidade da solução global.” 

Dito isto, vamos ao exemplo. Os EUA enfrentam um problema semelhante ao do corpo humano, pois os democratas estão querendo acabar com as fronteiras, com a equipe de fiscalização (ICE) e deixar imigrantes ilegais entrarem sem restrições legais em sua terra. Os democratas desejam corromper os EUA e, assim como um corpo humano, uma Nação não se defende de invasões sem: exército, representado na série pelas Células T, Linfócitos e Macrófagos; sem fronteiras, representado na série, dentre outros elementos, pela pele humana; e sem lei. E, sejamos sinceros, nem todos os imigrantes ilegais são inofensivos. Deixei as fontes para este parágrafo ao final do texto.



Imigração legal, sim! Imigração ilegal, não!




Antes que acusem o texto de ser xenófobo, eu não estou atacando a imigração, mas a imigração ilegal, isto é, aqueles que não obedecem às leis do país no qual desejam entrar e o fazem de forma ilegal. Toda a migração, ordeira e dentro da lei, promove grandes benefícios ao país a que se destina, principalmente se sua entrada legal transcorrer de mérito. Meu bisavô foi sírio, bem como minha bisavó, logo tenho descendência síria. Em um contexto mais amplo, tenho em meu sangue a contribuição de índios, negros, sírios e italianos. O problema está, como mostra o vídeo abaixo, na imigração ilegal, isto é, daqueles que entram de forma ilegal em um país. 







Conclusão

Assim como você pode perceber que um corpo sem um sistema de defesa está fadado à morte, um país também precisa de estruturas de defesa que protejam seus habitantes, ou seja, um corpo, bem como um país, precisa de proteção às suas fronteiras e leis rígidas que impeçam abusos dos invasores. Caso invadido, um país precisa de agentes qualificados para atacar o problema. Um problema de segurança pública é idêntico a uma invasão por vírus e deve ser tratado com a mesma urgência. Se permitir a criminalidade, a violência se alastrará. Precisamos de uma política de segurança pública eficiente, de uma política de estratégia militar e cooperação das instituições pela segurança nacional.


Veja o vídeo abaixo para entender mais sobre o problema enfrentado pelos EUA.  




Abolish ICE: <http://www.foxnews.com/opinion/2018/07/05/tammy-bruce-abolish-ice-narrative-is-recipe-for-disaster-for-democrats.html>

Open Borders: <http://www.foxnews.com/politics/2018/03/07/sessions-unloads-on-california-dems-for-radical-open-borders-agenda.html>

Build the Wall: <http://www.foxnews.com/politics/2018/03/14/trumps-border-wall-look-at-numbers.html>



[1] Biomania: <https://biomania.com.br/artigo/sistema-imunologico-humano>
[2] Integralismo: <http://www.integralismo.org.br/?cont=-5042#.W1YKg9aJLIU>

sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Drops- Exército no YouTube!


Drops- Exército no YouTube

Olha que canal interessante para o drops desta sexta-feira. O nosso exército criou, em janeiro de 2009,  um canal para divulgar suas atividades e o conhecimento militar. No canal: “Bem-vindo ao Canal do Exército Brasileiro. Este é o local onde você nos conhece melhor, tira suas dúvidas e obtém informações específicas sobre a Força Terrestre”. É uma grande oportunidade para conhecer mais destes soldados, que tem como objetivo proteger o Brasil e o brasileiro. Veja o vídeo e, se desejar, se inscreva no canal!




quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Mulher Irreal- Segunda Versão!





Algumas semanas atrás coloquei aqui um poema sobre o amor em uma época na qual o real, o virtual e o irreal se misturam de maneira feroz. Inseri um amv (anime music vídeo) sobre a série que mais se encaixava no tema, Sword Art Online. Ao reler o meu poema, percebi uma oportunidade de reescrita. Uma coisa simples que deixo em negrito.

Na primeira versão, escrevi  Mas o aceito”, para fazer ligação com o haicai que está embaixo, ou seja, que eu aceito este meu eu que deseja uma mulher que não existe. Ao reler, percebi que também poderia usar o artigo feminino e, desta forma, mudar a interpretação, e o olhar do leitor, para a figura feminina virtual, que era objeto deste poema. Então, “Mas a aceito” faz referência a esta musa irreal. Achei tão interessante esta possibilidade de alterar uma única letra e transformar parte do texto, que decidi criar esta segunda versão deste poema, que é  a união de vários haicais, formando uma estrutura maior.





segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Lei 13696/2018 é um erro!


A nossa constituição é chamada de Constituição Cidadã por muitos, pois ela é uma mistura de elementos (direitos, atribuições e deveres dos entes que compõe o Estado, bem como do cidadão brasileiro e naturalizado) que penalizam as contas públicas dando à máquina pública obrigações assistencialistas. Marília Ruiz e Resende[1] explica: “No conjunto, a Constituição de 1988 se caracteriza por ser amplamente democrática e liberal – no sentido de garantir direitos aos cidadãos. Apesar disso, nossa Carta atual foi e continua a ser muito criticada por diversos grupos, que afirmam que ela traz muitas atribuições econômicas e assistenciais ao Estado. O presidente na época da promulgação, José Sarney, chegou a afirmar que ela tornaria o país “ingovernável”, pelo excesso de responsabilidades sobre o Estado”.

De fato, podemos afirmar que a nossa Constituição Federal tem um pé no socialismo. E este fator assistencialista é um dos grandes erros que pagamos até hoje, pois ele faz com que o Estado se intrometa em tudo, tentando regular desde a economia até a educação. Quando o Estado se mete na economia, o mercado paga, o cidadão paga. Carmen Alexe[2] resume quase matematicamente este fator: “Quanto mais o Estado se expande e assume o controle (mesmo que apenas regulatório) de vários setores da sociedade, mais a liberdade (empreendedorial e social) do indivíduo encolhe.


E qual o motivo de dois longos parágrafos versando sobre o problema assistencialista da nossa CF, que destrói a capacidade econômica e o livre mercado e, portanto, a real chance de se ter um Brasil desenvolvido? É porque estava lendo a lei 13696/2018 que implementa a Política Nacional de Leitura e Escrita. Esta lei é um exemplo perfeito do problema assistencial do Estado sobre a economia. Ela se mete em tudo. Em um momento é benéfica, em outra é um monstro! O Estado precisava ser mínimo para que o cidadão pudesse ser maior. Sempre deixei isto bem claro. Esta lei deixa claro que os políticos ainda não entenderam isto. Aqui um dos problemas:

Art. 3º São objetivos da Política Nacional de Leitura e Escrita:

IV - desenvolver a economia do livro como estímulo à produção intelectual e ao fortalecimento da economia nacional, por meio de ações de incentivo ao mercado editorial e livreiro, às feiras de livros, aos eventos literários e à aquisição de acervos físicos e digitais para bibliotecas de acesso público;

Ações de incentivo, em outras palavras, estímulos e benefícios artificiais são o que mais me incomoda aqui. Vamos recordar de um passado não muito distante?

Alexandre Garcia de Carvalho[3]:

“Os problemas dos caminhoneiros começaram lá atrás, ainda em 2010, em decorrência de uma política governamental criada exatamente com o intuito de ajudá-los.

Mais especificamente, o BNDES começou a conceder empréstimos subsidiados (com taxas de juros reais negativas) para que empresários e autônomos comprassem caminhões. Consequentemente, a quantidade de caminhões circulando explodiu.

Com mais caminhões concorrendo entre si, o preço do frete caiu. Esse fenômeno — queda no preço do frete — já havia fomentado a greve dos caminhoneiros em fevereiro de 2015.

Para aumentar o desespero dos caminhoneiros, as lambanças na Petrobras (política de preços congelados durante o governo Dilma mais corrupção e desvios) destruíram o capital da empresa. Consequentemente, ela teve de adotar uma nova política de preços, a qual era explicitamente voltada para refazer o caixa da empresa.

Sob essa nova política, os preços passaram a aumentar de forma explosiva.

Porém, como a Petrobras detém o monopólio do refino, todo esse aumento de preços foi repassado integralmente ao consumidor, algo que seria impossível caso o mercado de refino fosse concorrencial — como ocorre, por exemplo, nos EUA.

Na prática, portanto, a Petrobras passou a definir sozinha, em um ambiente monopolista e sem concorrência, o preço dos combustíveis.

Como consequência, os preços dos combustíveis no Brasil passaram a bater recordes diários.

Portanto, ficamos assim:

a) de um lado, os subsídios do BNDES para a compra de caminhões — criados para tentar beneficiar os próprios caminhoneiros — aumentaram o número de caminhões em circulação e consequentemente reduziram os preços dos fretes. Isso gerou uma redução nas receitas dos caminhoneiros autônomos e das transportadoras;

b) de outro, a nova política de preços da Petrobras em conjunto com o fato de que ela detém o monopólio prático do refino elevou enormemente os preços do diesel. Isso gerou aumento nas despesas dos caminhoneiros autônomos e das transportadoras.

Isso culminou na greve que parou o Brasil na última semana de maio.”

Este é um dos problemas quando se coloca tudo nas mãos do Estado. Se o Estado fosse mínimo, cuidaria de poucas coisas pertinentes unicamente a ele, como capacitação dos funcionários de bibliotecas, ou o aumento no número destas. Este ponto é benéfico, todavia, quando o Estado tenta cuidar de tudo, ele intervém no que não deve, como a política de preços em uma economia que deveria ser liberal. Carmen, que citei acima, foi criada na Romênia e ela conta sua experiência de vida em um país cujo Estado a tudo controla: “Escassez e racionamentos são criados pela intervenção do Estado neste intrincado e complexo arranjo que é o mercado (a livre interação entre consumidores e empreendedores), seja por meio de controle de preços ou de uma insensata alocação de recursos. E quando a escassez é intensa e prolongada o bastante para afetar de modo dramático a vida das pessoas, elas tendem a se revoltar.” E desabafa: “Não fosse o capitalismo e a abundância que ele nos permite, nossa preocupação diária seria exclusivamente em como iríamos nos manter vivos amanhã, como encontraremos comida e como provermos nossas necessidades básicas. Apenas isso ocuparia nossas mentes. Tendo vivido na Romênia socialista, conheço bem essa sensação. Ou então pergunte a um venezuelano.”






A conclusão

Esta lei peca aonde todas as outras leis erraram, pois existe uma fé equivocada na interferência do Estado sobre a leitura, sobre a economia de mercado, achando que a solução deve passar pelas mãos de um burocrata. A sociedade livre necessita de mercado livre, pois somente o mercado, capaz de um autocontrole, possui as ferramentas para desenvolver a sociedade de maneira adequada. A Romênia da Carmen, a Venezuela de Maduro, nossa própria experiência com o assistencialismo brasileiro, são exemplos de como o Estado é maligno quando se agigante e passa a querer controlar o que não é sua atribuição. Enfim, esta lei veio já de maneira equivocada. Que triste!   



[1] Politize: <http://www.politize.com.br/constituicao-de-1988/>
[2] Mises: <https://mises.org.br/Article.aspx?id=2860>
[3] Mises: <https://mises.org.br/Article.aspx?id=2900>

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

Melhores aberturas da temporada!

Não vou entrar na questão da análise de conteúdo das animações desta temporada, apenas da qualidade das aberturas. Ainda estou estudando para ver se alguma animação será digna de receber o troféu Outros Papos de Melhor Animação da Temporada. O que busco em uma abertura, além de spoilers da série (rs), é adequação ao enredo, música e boa qualidade na animação. Liberdade artística e valor subjetivo também são levados em conta. Desta forma, estas são as melhores aberturas da temporada: 


 Hanebado! 
http://www.crunchyroll.com/hanebado

Sinopse CR: "Simulcast on Domingos 1:00pm -03
Despite her great potential, Ayano Hanesaki would rather avoid badminton than play it. But, when she meets Nagisa Aragaki, a third year who spends every waking moment perfecting her game, she’s inspired. Encouraged by their coach, Tachibana Kentarou, Ayano and Nagisa will hit the court and rally against opponents and rivals with amazing skills!"




Muito ângulos fechados, sombras e luz abundantes. Destaque para partes de um todo, que formam um quadro mais amplo. A música perfeitamente enquadrada no animus (espírito) da animação. Personagens mostrando força e  grande qualidade na arte e técnica do diretor. É a minha preferida!





Cells at work
http://www.crunchyroll.com/cells-at-work

Sinopse CR: "Simulcast on Sábados 1:30pm -03
This is a story about you. A tale about the inside of your body… According to a new study, the human body consists of approximately 37 trillion cells. These cells are hard at work every day within a world that is your body. From the oxygen carrying Red Blood Cells to the bacteria fighting White Blood Cells, Get to know the unsung heroes and the drama that unfolds inside of you!"



Essa série me deixou com uma sensação de nostalgia, pois lembra um pouquinho uma abertura de Ranma 1/2, o que me remeteu ás décadas de 80 e 90. A música é bonitnha, a animação, embora não com a mesma qualidade da primeira clocada desta lista, é boa e eficiente. Nos convida a assistir e é bem sucedida nisto. Ela, além disto, me traz a sensação de alegria que busco ultimamente nas animações. 





Black Cover
http://www.crunchyroll.com/black-clover


Sinopse CR: "Simulcast on Terças-feiras 7:25am -03
Num mundo onde magia é tudo, Asta e Yuno são abandonados em uma igreja no mesmo dia. Enquanto Yuno possui poderes mágicos excepcionais, Asta é a única pessoa do mundo todo desprovida desse dom. Aos quinze anos, ambos recebem grimórios - livros mágicos que amplificam os poderes do detentor. Asta recebe um raro grimório de anti-magia, capaz de negar e repelir os feitiços do oponente. Dois opostos que nutrem uma rivalidade amigável, Yuno e Asta estão prontos para encarar os mais difíceis desafios para conquistar seu sonho em comum: tornar-se o Rei dos Feiticeiros. Desistir não é opção!"

  


A série é mediana, o roteiro é manjado, mas, cara, como eles fazem aberturas e encerramentos decentes. Eu tiro meu chapéu para as aberturas da série. A desta temporada, por exemplo, é a abertura clássica, com pássaros voando, close nos personagens, cenas de luta e tudo empacotado/embalado com uma boa música pop. Tradicional! E competente, com certeza! Às vezes não é necessário fazer muita coisa, apenas apresentar os mesmos elementos de forma eficiente e esta abertura faz isso. 



quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Amor e Guerra!


Amor e Guerra
Nascem da paixão real
Irmãos no sangue!


É normal que se deseje a guerra como se deseja a paz, ou o amor, pois todos estes sentimentos podem nascer da paixão. Com exceção do amor divino, ágape, todo o resto, neste momento, para mim, parece ser fruto da mesma mãe.





segunda-feira, 30 de julho de 2018

Meus livros na Bienal!


Meus livros na Bienal!




A Bienal do Livro de São Paulo ocorrerá de 03 a 12 de agosto deste ano. Você pode consultar acima informações como endereço, horários e datas. E meus livros estarão presentes. Caso esteja passando por lá, visite estes estandes para conhecer minhas obras:

Amazon



No endereço acima, você encontrará muitos dos meus trabalhos em formato digital (Kindle), dos quais cito:





Fé de mais, ou fé de menos? (Amazon)

Sinopse: Em 2003, lancei meu primeiro trabalho pela Thesaurus Editora. O título era Sob a Luz dos Ensinamentos Bíblicos, uma manifestação da minha fé em texto. O tempo foi passando e fui conhecendo teses e estudos científicos que foram reforçando as palavras deste livro e, portanto, fui reescrevendo o seu miolo. Atualmente, em suas páginas, podemos encontrar manifestações de fé embasadas em estudos, além de experiências próprias que foram renovando e amadurecendo a minha pessoa. Eu o lanço novamente, com outro título, na intenção de ajudar outras pessoas. É um livro que tem como objetivo ser uma fonte de reflexão sobre a vida, a bíblia e, acima de tudo, sobre a fé. Sobre a mudança de título, ele não poderia mais ser chamado da forma antiga, pois abraça outras fontes de fé além da bíblia. O título cacofônico é um trocadilho que sempre ouvia da minha avó. Ela sempre me falava isso com um sorriso no rosto, por isso, faço do título uma homenagem ao trocadilho cacofônico que minha avó sempre gostava. Em memória.





Mangá Tropical- um estudo de caso (Amazon)

Sinopse: Em 2005, eu encerrava meu curso de jornalismo pelo IESB com um TCC sobre a influência dos quadrinhos japoneses em nossos quadrinhos. Através do estudo de caso da coletânea de histórias chamada Mangá Tropical, eu verifiquei se estas influências realmente existiam e se era possível afirmar que fazíamos mangás, isto é, quadrinhos japoneses no Brasil. Em 2011, resolvi publicar de forma independente este estudo. Agora, em 2018, atualizo algumas informações e o lanço em formato digital.

PERSE



Já na Perse, vocês poderão encontrar a versão impressa de outro trabalho meu.





Apocalipse: Brasília! (Perse)

Já comentei sobre ele recentemente, mas vou reforçar aqui a propaganda. (rs)

Sinopse: Não aconselhável para menores de idade. Apocalipse: Brasília é um livro que conta, com toques da narrativa visual de animê (desenho japonês), a história do Apocalipse, livro bíblico de inspiração. Neste livro, Deus retornou, em nossa época contemporânea, para buscar a sua Igreja, e deixou nessa terra alguns escolhidos, que receberão poderes de acordo com as cartas das igrejas do Apocalipse, para defenderem o povo, que aqui fica, em sua jornada para uma nova terra destinada para a sua proteção: Brasília. A estrutura do enredo toca em pontos importantes da descritiva apocalíptica, mesclando-a com a profecia da criação de Brasília, dita por Dom Bosco, e estes leves toques de animê. Tudo para que o livro possa ser jovem, atual e interessante. Ainda, como sou admirador de filmes de terror, o livro nos traz referências aos filmes B, como os de Roger Corman. Espero que tenha conseguido um pouco disso: um livro inspirado em filmes B e animês.



Outras obras

Imagem da capa: Ale Nagado!



Infelizmente, “Eu Falei de Crise” não estará disponível, pois ainda estou cuidando da proteção dos direitos autorias. Já o “Faces de Deus” também não estará presente, pois estou negociando melhores valores para a edição com outra gráfica que conheci. Se estiver na Bienal, prestigie o trabalho independente. Conheça minhas obras anteriores.

sexta-feira, 27 de julho de 2018

Drops: Today's menu for Emiya Family!


Drops: Today’s menu for Emiya Family



O drops de hoje vai ser sobre um anime curto da série Fate. Cara, como é bom ver os personagens da franquia Fate vivendo vidas normais e pacatas (até certo ponto). Aqui não temos mortes, disputas pelo cálice (só se for o da cerveja rs) e nem dramas. A principal razão de ser desta série é apresentar receitas e uma vida normal. E como isto me fez bem! Sentar na frente da televisão e assistir a uma receita feita pela família e para a família. Vê-los degustando pratos. É uma quebra tão grande dentro do paradigma da série, que duvidei que pudesse dar certo, mas deu certo! Fiquei comovido com a homenagem especial, por exemplo, que fizeram à Illiya no dia das meninas, pois ela, geralmente, é a que mais sofre em qualquer série Fate. Eu acho que foi isso que me conquistou: os personagens estão humanos, interagindo e vivendo. Dê uma chance a esta série!





http://www.crunchyroll.com/todays-menu-for-the-emiya-family

quarta-feira, 25 de julho de 2018

Um soldado sobrevive!


Nunca se renda
Soldado não desiste
Ordene viver!



O AMV abaixo possui cenas fortes e violentas. Não aconselhável para menores. Não abra se for menor de idade. Um soldado sempre sobrevive!




Grisaia é uma série que toca em assuntos polêmicos, e requer bastante maturidade da audiência. Não é para todo mundo. E as aberturas enganam, pois parece ser algo leve e não é. Com bônus, algumas aberturas da série: