Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de maio 10, 2020

Antologia do Pequeno Rato

 Não é um exemplo de literatura gótica, apesar de ter animais fantásticos que falam, mas possui o sofrimento da alma da literatura gótica. É um clamor sofrido de um pequeno ser que está preso em um ambiente de experimentos e só tem no seu cientista o seu observador e, quem sabe, seu salvador. É uma metáfora para os sentimentos de traição, perda e dor de ser agredido e não ter a força necessária para reagir. Tudo isso é gótico. 

Mais um meme sobre a Covid-19.

Como coloquei no título, mais um meme sobre a pandemia. Os jogadores no mundo em um futuro não muito distante.

Covid-19 War: Michael Levitt!

COVID-19 WAR: Osmar Terra Antes de começar o tema, quero deixar aqui um esclarecimento sobre as definições de termos que usei, pois isso pode estar gerando uma certa confusão. A quarentena imposta em muitos estados brasileiros é o isolamento horizontal , ou lockdown [1] , já explicado nos primeiros textos da série sobre a Covid-19, que consiste no fechamento total de lojas, indústrias e comércios. É a paralização completa dos meios de produção, salvo os meios ditos como essenciais. Até países desenvolvidos, cuja população possui reserva de capital, essa forma de enfrentamento da pandemia está gerando recessão e, portanto, desemprego e pobreza. Imagine o que isso acarretará ao Brasil? O World Food Program [2] , como já foi mostrado em texto aqui no blog, já afirmou que as medidas adotadas para enfrentar a crise da epidemia por Covid-19 matará mais pessoas do que a doença em si. Por isso, lutar pela abertura dos meios de produção no Brasil é lutar para salvar vidas.

Você vale algo?

Você vale algo? Versão atualizada! * Por Patrick Raymundo de Moraes Ele estava parado em um quarto quase vazio. Uma janela quebrada deixava entrar o vento e a chuva de uma noite infestada de gritos e inquietação. Ele estava inquieto. Um quarto barato, de um cortiço barato. Ele estava sentado em uma cadeira velha e barata. Ele estava rodeado de coisas baratas e baratas. Na mão, ele decidia se a vida era barata, ou se ela valia algo. Ela valia algo? — Você vale algo? — ele pergunta para a moça deitada no chão, enquanto ela sangra, semiconsciente. Ela foi infeliz nesta noite. Um lance do destino. Era fim de turno no restaurante japonês, ela poderia ter ido embora para casa, mas resolveu atender uma última ligação. Ele pedira um “sashimi”. Ela queria mostrar serviço e responsabilidade. Ela queria valer algo aos olhos do chefe. Além de anotar o pedido, ela se fez de entregadora. O motoqueiro que faz as entregas já havia ido embora. Um caso atípico de comportamento. Em