Pular para o conteúdo principal

Covid-19 War: Michael Levitt!


COVID-19 WAR: Osmar Terra

Antes de começar o tema, quero deixar aqui um esclarecimento sobre as definições de termos que usei, pois isso pode estar gerando uma certa confusão. A quarentena imposta em muitos estados brasileiros é o isolamento horizontal, ou lockdown[1], já explicado nos primeiros textos da série sobre a Covid-19, que consiste no fechamento total de lojas, indústrias e comércios. É a paralização completa dos meios de produção, salvo os meios ditos como essenciais. Até países desenvolvidos, cuja população possui reserva de capital, essa forma de enfrentamento da pandemia está gerando recessão e, portanto, desemprego e pobreza. Imagine o que isso acarretará ao Brasil? O World Food Program[2], como já foi mostrado em texto aqui no blog, já afirmou que as medidas adotadas para enfrentar a crise da epidemia por Covid-19 matará mais pessoas do que a doença em si. Por isso, lutar pela abertura dos meios de produção no Brasil é lutar para salvar vidas.



O Banco do Canadá admitiu que essa forma de contenção do vírus prejudica, em muito, a economia. Apesar das palavras de otimismo, as medidas que a instituição está tomando mostram a severidade da situação. Leia as medidas completas através do link de referência abaixo.

Bank Of Canada[3]:
 “COVID-19 and the economy
The COVID-19 pandemic represents a serious health threat to people around the world, and a significant disruption to daily life. It is having a major impact on the global and Canadian economies. Every sector of the Canadian economy is affected. Some sectors, such as the energy, travel and hospitality and service industries, are being particularly hard hit.

The public health actions needed to contain the spread of the virus, such as school closures, states of emergency, and social distancing measures, while necessary, are themselves going to significantly impact economic activity.

However, it’s important to underscore that while the impact is large, it will be temporary. Authorities around the world have taken bold and necessary measures to contain the spread of the virus and to support people and businesses through a very challenging time.”

Pois bem, em alguns textos, eu tratei o lockdown apenas como isolamento, mas o termo isolamento sozinho se remete a uma forma de tratamento para a epidemia. Foi um erro meu em alguns textos. Ao ler isolamento nos meus textos anteriores, trato do isolamento horizontal, ou lockdown.



E essa medida tão cruel para a economia, e para os empregos, tem como finalidade tentar achatar a curva gráfica do avanço do vírus e seu contágio. O achatamento da curva, em tese, deveria evitar que os hospitais ficassem sobrecarregados com pacientes. Em tese, seria para evitar que todos ficassem doentes ao mesmo tempo. Apenas em tese.



Segundo Osmar Terra, em nenhum país que o lockdown foi adotado, a curva se achatou. Ela continuou em crescimento exponencial até que a população tivesse o que se chama de imunidade de rebanho. Aliás, o lockdown não é apenas danoso para a economia, mas para a saúde, pois evita que a população consiga ganhar a tão importante imunidade[4].

Assim que a imunidade de rebanho, ou coletiva, é ganha, a curva cai de maneira vertiginosa. Ou seja, o lockdown proporciona um lento desenvolver da curva de queda, pois evita que a população consiga a imunidade. Ela mata a economia e dificulta que a população receba a imunidade.



Frontliner[5]: “Michael Levitt, professor da Faculdade de Medicina de Stanford, descobriu que, independentemente das intervenções dos governos, após cerca de duas semanas de crescimento exponencial o número de novos casos rapidamente desacelera e a curva se torna subexponencial. As implicações são profundas.”. Levitt recebeu o Nobel de Química em 2013 e é biofísico e bioquímico. Em entrevista ao Frontliner, ele afirma: “Eu acredito que a política de imunidade de rebanho é a política certa. Acho que a Grã-Bretanha estava exatamente no caminho certo antes de receberem números errados [do modelo do Imperial College]. E eles cometeram um grande erro. Eu vejo os países que se saíram excepcionalmente bem como Alemanha e Suécia. Eles não praticaram muitas restrições e deixaram suficientes pessoas contrair a doença para obter alguma imunidade de rebanho. Eu vejo os perdedores de destaque países como Áustria, Austrália e Israel que tiveram um lockdown muito rigoroso, mas não tiveram muitos casos. Eles danificaram suas economias, causaram danos sociais maciços, prejudicaram o ano educacional de seus filhos, mas não obtiveram imunidade de rebanho".

Não há como se discutir, com os dados apresentados, que o lockdown não é uma medida benéfica. O que se pode fazer no momento é pedir a reabertura do Brasil, antes que enfrentemos uma espécie de HOLODOMOR causado por um controle social, através de um medo de um maldito vírus chinês. Aliás, eu vou escrever sobre esse vírus chinês quando tiver a oportunidade. E não pode ser uma reabertura inconsequente, mas uma reabertura inteligente que preste atenção aos procedimentos de saúde para que a população ganhe a imunidade desejada. 

História do Mundo[6]: “Holodomor é uma palavra ucraniana que quer dizer “deixar morrer de fome”, “morrer de inanição”. Tal palavra passou a ser empregada no contexto da história ucraniana para definir os acontecimentos que levaram à morte por fome de milhões de ucranianos entre os anos de 1931 e 1933. Grosso modo, o holodomor, assim como o holocausto nazista contra os judeus, consistiu em um genocídio contra a população da Ucrânia empreendido pelo comunismo soviético, que era liderado por Stalin.”

#ReabreBrasil



[1] Leia em: <https://www.outrospapos.com/2020/03/isolamento-horizontal-x-isolamento.html>
[2] Leia em: <https://www.outrospapos.com/2020/04/covid-19-war-world-food-program.html>
[3] Leia em:
 <https://www.bankofcanada.ca/markets/market-operations-liquidity-provision/covid-19-actions-support-economy-financial-system/>
[4] Leia em: <https://jovempan.com.br/noticias/mundo/imunidade-coletiva-coronavirus-oms.html>
[5] Leia TUDO em: <https://www.frontliner.com.br/premio-nobel-diz-que-previsoes-de-casos-de-covid-estao-erradas/>
[6] Leia em: <https://www.historiadomundo.com.br/idade-contemporanea/holodomor.htm>

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: