quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Capitalismo X Socialismo


No capitalismo existe a liberdade;
No socialismo falta até piedade;
O capitalismo compensa o seu esforço;
O socialismo nem abraça o esboço.

O capitalismo sempre te fará progredir;
O socialismo, tão sufocante, te prende;
No capitalismo seu belo trabalho rende;
No socialismo falta até o seu sorrir.




segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

Guerra Cultural


A guerra cultural está ocorrendo mais agressivamente. Em 2018, nos textos “Censura nas redes sociais, Hagakure neles!” e “Liberdade de expressão e Redes Sociais”, fiz um apelo para que os conservadores, em especial, viessem a lutar para ocupar espaços em associações, escolas e organizações, para defender nosso ponto de vista e nossas ideias, tais como a liberdade de propriedade, liberdade individual, respeito à cultura judaico-cristã, e respeito à família, por exemplo. Eu sei que sou insignificante nesse mar de informações que é a internet,  que não tenho influência nenhuma para orientar nada, mas outros começaram a transmitir a mesma mensagem e a onda está se espalhando. Ainda bem! Fico feliz que exista essa sincronia de pensamento dentro da Direita. 

Leia os textos aqui:



A guerra cultural é uma guerra para conquistar mentes e corações e, por muito tempo, a esquerda teve o quase controle total da informação e como ela é transmitida. Através de uma propaganda forte, ela conseguiu transmitir a sua agenda e enganou a muitos. Pregou respeito à diversidade, enquanto a usava como instrumento de domínio ideológico; pregou combate à pobreza, quando, na verdade, levou povos à miséria; pregou combate à burguesia, quando, na verdade, se aliou a alguns pequenos grupos empresariais e saqueou o país. Inchou o Estado, com a justificativa de combater a desigualdade, mas, com isso, acabou por tornar a sociedade mais desigual, com um Estado gordo, ineficiente e grande comedor de impostos, que quase levou o país para a sua maior recessão. Se fizeram de paladinos da justiça, enquanto seus líderes eram condenados por corrupção. Enfim, com o domínio da cultura, eles fizeram o que quiseram com o país.




É urgente que continuemos nossa jornada de reconquista do mercado, das ideias, da educação e das instituições. Ouso afirmar até que devemos entrar e ocupar espaço também em seus ninhos, os sindicatos, com valentia, na tentativa de encerrar esse ciclo de uso da máquina pública para privilegiar pequenos grupos, que não levam o país para frente. É ousado, pois mal conseguimos, no presente momento, conseguir dominar o espectro educacional do brasileiro que é educado com Marx, mas desconhece Mises. Que lê Gramsci, mas nada conhece de Edmund Burke. Se encanta com Chauí, mas acredita que Olavo é astrólogo. Infelizmente, é assim que se encontra a nossa educação.





Entretanto, estou confiante, pois muitos estão se levantando com essa missão de equilibrar a informação. Pessoas que confio estão lutando, com suor e sacrifícios, para fazer com que o país se liberte do socialismo que se impregnou de forma tão sólida nos corações, principalmente dos jovens. Oro a eles que continuem, que se espalhem, que preguem o modelo conservador e que façam como nos tempos da igreja antiga e criem células independentes para conseguir permanecer no combate ideológico. Em menos de 2 anos (datados pelos textos acima) fomos longe e sei que  podemos alcançar mais mentes e mais vidas para o bem de nossa sociedade, pois o conservadorismo é a luta pela liberdade do homem, respeito a Deus, e proteção da propriedade.

domingo, 16 de fevereiro de 2020

Hotel Transamérica São Paulo


Hotel Transamérica São Paulo

Ocorrerá em São Paulo, nos dias 22, 23 e 24 de maio, a Geek Nation  Brasil, no Transamérica Expo (Av. Dr. Mário Vilas Boas Rodrigues, 387, Santo Amaro, São Paulo – SP). O evento, segundo informações do site: “A Geek Nation Brasil irá entregar um ambiente imersivo e capaz de agregar as pessoas por meio de uma atmosfera lúdica. Durante o evento os visitantes e fãs irão conviver com personagens e experienciar lugares mágicos e fantásticos. Tudo isso a partir de uma nação que abraça o geek em toda sua diversidade: Cultura pop ocidental e oriental, games, inovações tecnológicas e moda.”





E o texto não será sobre o evento, mas sobre uma dica de hospedagem única que, garanto, será útil para muitas pessoas que desejam ficar próximas ao lugar do evento: Hotel Transamérica São Paulo (Av. das Nações Unidas, 18.591 - São Paulo, SP).


O Hotel



Eu me hospedei no hotel durante duas noites, pois eu acabei descobrindo que a minha glicemia se eleva de acordo com o estresse, então, eu estou em uma missão para fugir de todo o estresse que eu puder. Lutando para não precisar usar a insulina ainda, pois estou conseguindo segurar a minha diabetes com muito esforço. Vou comentar mais sobre isso em um texto futuro. E, quando minha mãe precisou viajar para resolver algumas questões, eu aproveitei a chance para trabalhar em um local diferente: o Transamérica SP.

Eu já me hospedei em alguns hotéis em São Paulo, dentre eles o Bourbon Convention Ibirapuera, o Hilton, o Novotel Morumbi e, também, o Emiliano. Posso afirmar, de acordo com minhas preferências, que o Hotel Transamérica é o que melhor atendeu às minhas necessidades. E quais foram essas necessidades? Um ambiente calmo, tranquilo, com um bom quarto, bons serviços e com uma boa segurança. Só para deixar o básico escrito. Sim, eu avaliei o hotel como o melhor em todas as categorias.

O Quarto

Vou deixar um vídeo acima com imagens do quarto e de algumas áreas externas do hotel. O tipo de acomodação: standard twin. O quarto é amplo e muito calmo. Eu me hospedei em um momento em que o hotel recebia um evento de grande porte, ou seja, todos os quartos lotados e, mesmo assim, eu não percebi nenhum barulho que poderia vir de um quarto vizinho. Um ambiente com bom isolamento acústico. Parecia que eu estava sozinho no hotel de tão calmo que estava o meu andar. E a vista do meu quarto era linda, pois mostrava muito verde, um pouco da área da piscina e o centro de exposições que sediará o evento em maio. Ao cair da noite, a vista tornava-se mais bela com as luzes da cidade.

O quarto também estava muito conservado, com mobília novinha, com um estilo clássico que eu adoro, e muitas amenidades interessantes que são comuns em hotéis de categoria superior, como é o caso desse ótimo hotel. O frigobar tinha produtos sem açúcar, como refrigerante e balas. Eu não indiquei, na hora da reserva, que eu sou diabético, então, encontrar no quarto opções no frigobar, para quem não pode consumir açúcar, foi uma ótima surpresa.


Áreas externas



As áreas comuns do hotel são incríveis! A começar por uma decoração em mármore muito sofisticada, que me passou uma impressão ótima, pois dá ao ambiente uma sensação sóbria, clássica e suntuosa. A decoração é muito próxima ao estilo palaciano inglês e isso dá ao hotel a elegância de um clássico britânico.

O hotel é cercado de muito verde, com um pequeno campo de golfe e quadras de tênis. A piscina é aquecida e tem um ótimo tamanho. Com um apertar de um botão, podemos chamar o serviço de bar e apreciar o sol em espreguiçadeiras novinhas.




É um hotel com uma área externa invejável. Existe muito espaço aberto, o que ajuda a manter a sensação de tranquilidade. Além disso, o hotel mantem um pequeno espaço aonde pássaros vêm se alimentar, trazendo a natureza para mais perto de nós e quebrando o tabu que diz que São Paulo é apenas concreto. Não, não é! São Paulo também tem muito verde e o hotel é só mais um exemplo. E, por isso, dizem que é um resort e eu concordo, pois ele tem características e serviços de um. O hotel é um resort urbano, com certeza.  

Serviços: Quarto, Concierge, Recepção e Restaurante




É impressionante como eles são qualificados e profissionais em tudo! Os serviços do hotel são impecáveis e precisos. O serviço de quarto é respeitoso, rápido e eficiente. Sempre respeitou o prazo determinado pelo concierge, que sempre me atendeu com muita educação. Ao pedir uma refeição, ou um serviço de lavanderia, por exemplo, o serviço sempre foi pontual. E mesmo com o hotel lotado, eles nunca passaram do prazo para entregar o serviço.





Os garçons são educados e sempre respeitosos, assim como a camareira e o serviço de lavanderia. Ao pedir algo, sempre fui atendido no menor tempo possível, com a maior educação possível e a maior eficiência no trabalho realizado.  E olha que eu dou trabalho! 😊



Os restaurantes são muito belos e espaçosos. É impressionante como o hotel preza pelo seu espaço interno. Acredito que seja impossível se sentir claustrofóbico no Transamérica. E os pratos elaborados com a maior fineza, beleza e sabor. Por exemplo, eu pedi uma canja brasileira que me foi servida em uma linda  e delicada porcelana. A apresentação dos pratos é gentil, e o chef sempre dá atenção aos detalhes. É uma experiência inesquecível e saborosa. Uma coisa que eu observei é que o chef sempre usa um ingrediente inovador nos pratos que ele elabora. Você sempre terá uma agradável surpresa ao degustar algum prato do restaurante clássico do hotel.

A melhor seleção de pães que já comi!


 E a cordialidade é sempre um ponto marcante. No meu último dia, pedi um prato e, por desatenção, não percebi que tinha beringela, e eu sou alérgico. Ao explicar ao garçon o ocorrido, ele levou a questão ao chef que prontamente trocou meus legumes de maneira rápida e eficiente, sem perder a sensibilidade do prato e a apresentação dele. Fiquei impressionado com isso também.  

A conclusão

Tenha certeza que essa é a hospedagem mais próxima do evento e com a melhor qualidade. Eu estou quase certo que você poderá encontrar aqui algum dos nomes que estarão no evento e tenho plena certeza que será bem tratado. Se puder realizar uma reserva, dê preferência para esse ótimo hotel. E, de quebra, deixo aqui um vídeo com um pouco e uma decolagem de um helicóptero que presenciei em minha estadia.




quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

Liberdade

Lutar contra a opressão,
Libertar toda uma Nação,
É dever de cada cidadão,
É nossa maior obrigação.

Para todos a liberdade;
Para todos a igualdade;
Defender a fraternidade;
Braços pela posteridade.


segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020

Shen Yun

Shen Yun



No fim de janeiro, e início de fevereiro, São Paulo foi agraciada com a presença de um grupo artístico que preserva as tradições chinesas de dança e religião. Shen Yun foi fundado em 2006 e é um grupo independente do partido chinês e está sediado em Nova Iorque. Seu fundador conta que seu grupo está impedido de se apresentar em solo chinês, por conta da opressão do socialismo.

E qual a razão do partido impedir a disseminação da arte? Como sabem, para se ter o controle da população, nada pode ser maior que o Estado, ou seja, nada pode ser maior que o próprio partido que representa o Estado, tornando-o o centro pleno da experiência da sociedade. Dessa forma, nada pode ameaçar o domínio do partido, que se torna o próprio “deus”. Shen Yun, por sua vez, nos conta histórias da beleza da cultura chinesa, através dos mitos divinos, sendo que a tradução próxima para Shen Yun seria justamente “a beleza da dança de seres divinos”. Dessa forma, temos um partido que acredita ser divino, contra a história divina do passado chinês que é contada pela dança do grupo. Um atrito que foi resolvido com a censura e opressão, impedindo que o grupo conte a história dos contos chineses em sua própria pátria.

Segundo o grupo[1], os princípios da sociedade chinesa, antes da revolução comunista, eram baseados na harmonia entre os Céus, a Terra e a humanidade, sendo que o povo chinês era regido pelos princípios da fé, da propriedade, da benevolência e da lealdade. O povo tinha como sua base moral o respeito pela história dos deuses de sua nação. Após a revolução comunista, o sistema foi sendo substituído por um Estado repressor das liberdades individuais. Hoje, com o comunismo chinês, segundo relatório de 2020, da Human Rights Watch[2] (HRW), nos indica que a repressão chinesa está escalando: “O resultado, sob a administração Xi Jinping, é a opressão mais ampla e brutal que a China já viu nas últimas décadas. A breve e modesta abertura que existiu nos últimos anos para as pessoas se expressarem sobre assuntos de interesse público tem claramente caminhado rumo ao fim. Organizações da sociedade civil têm sido caladas. O jornalismo independente já não existe. Os debates nas redes virtuais foram reduzidos e substituídos por uma bajulação orquestrada. As minorias étnicas e religiosas sofrem graves perseguições. Pequenos passos rumo ao Estado de Direito foram substituídos pelo tradicional Estado por Direito imposto pelo Partido Comunista. As limitadas liberdades de Hong Kong sob a política "um país, dois sistemas" estão sendo severamente desafiadas.”

Shen Yun, então, tornou-se um porta-voz da verdadeira cultura chinesa com seu espetáculo de dança, música e fé, enfrentando a repressão do governo com a serenidade da dança, a harmonia da música e a resistência pacífica da fé.

O espetáculo



O espetáculo em si é uma linda construção de mitos, que são contados com uma dança simplesmente perfeita, com uma música harmônica, e com base moral interessante. O budismo usava de um pergaminho, chamado Chōjū-jinbutsu-giga, para disseminar suas lições ao mundo, contando fatos sob a ótica do iluminismo do Budismo e o espetáculo consiste em pequenas histórias que são contadas em intervalos, geralmente com um ensinamento embutido em sua história. Sendo a principal força dele a sua bela e perfeita apresentação. Podemos dizer que o espetáculo é próximo de um Chōjū-jinbutsu-giga. Tive particular atenção com a encenação do conto da flauta roubada, que, ao seu fim, nos faz pensar sobre os erros de um homem em querer ter muitas mulheres, fazendo um apelo muito sensato para a manutenção da monogamia.

Além da disseminação da tradição chinesa, o show também faz um forte apelo contra a opressão do povo chinês com quadros encenando o massacre diário que o povo passa dentro das fronteiras da nação chinesa, com a censura e a opressão, além da vigilância constante do Estado sob o povo. Exatamente o que nos diz o relatório acima citado (HRW): “No plano doméstico, o Partido Comunista Chinês, preocupado com o fato de que permitir a liberdade política poderia comprometer seu poder, construiu um Estado orwelliano de vigilância altamente tecnológico e um sofisticado sistema de censura na internet para monitorar e abafar o criticismo público. No exterior, ele tem usado sua crescente influência econômica para silenciar críticos e realizar o mais intenso ataque ao sistema global de proteção dos direitos humanos desde sua emergência em meados do século XX.”

As cores falam muito na obra, pois elas são fortes, vívidas e com tons sempre quentes, dando ao show um elemento único. Quando fiz meu estudo de caso, sobre o Mangá Tropical, escrevi que uma das bases para a animação japonesa seria o teatro Kabuki (arte de cantar e dançar), com suas cores fortes e vívidas. De um certo modo, Shen Yun lembra também um teatro Kabuki, sem a maquiagem forte de seus atores e, portanto, pode ser considerado um correlato de ambas as artes.

Ao relatar a perseguição que as minorias estão sofrendo na China, ficamos cientes que o espetáculo também é uma apresentação religiosa, pois seus membros são praticantes de uma religião que hoje está proibida na China: Falun Dafa. Segundo site da instituição: “Falun Dafa[3] (também chamado Falun Gong) é um avançado sistema de prática de autocultivo da Escola Buda. Falun Dafa foi fundado pelo Sr. Li Hongzhi, mestre da prática. É uma disciplina na qual a “assimilação à característica mais elevada do universo – (Verdade-Compaixão-Tolerância) – é o fundamento da prática. A prática é guiada por esta característica suprema e se baseia nas mesmas leis que sustentam o desenvolvimento do cosmos” . Com isso, muitas das danças e cânticos, além da intenção de divertir, educar e divulgar, também servem para que o próprio Deus da criação se manifeste em nossas vidas, nos livrando de carmas. E confesso que foi a parte mais linda do espetáculo, pois, além da beleza da arte, se fez presente uma manifestação bela da religiosidade.

E o espetáculo ainda se mostrou avançado, com o uso de um cenário digital (uma tela) que ajudava a dar asas à imaginação dos autores e criar um impacto visual maior nas cenas com os mitos divinos da criação. Ficou muito belo e impactante!

Conclusão



O espetáculo é belo. Se você não assistiu, fique atento ao seu retorno, para poder apreciar esse lindo show que mescla dança, canto, religião e educação. Precisamos apoiar a verdadeira cultura chinesa em tempos sombrios de opressão socialista. E o espetáculo termina com uma linda profecia que nos diz que a “maré vermelha” passará e novos sábios surgirão. Temos que construir esse futuro!







[1] Leia: <https://www.shenyunperformingarts.org/our-story?/our-story/a-great-american-story>
[2] Leia: <https://www.hrw.org/pt/world-report/2020/country-chapters/337660>
[3] Leia: <https://pt.falundafa.org/inicio.html>

Capitalismo X Socialismo

No capitalismo existe a liberdade; No socialismo falta até piedade; O capitalismo compensa o seu esforço; O socialismo nem abraça o ...