Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de junho 10, 2018

Quatro aberturas, quatros histórias e um bônus!

Revisão: ChatGPT! Estou divulgando quatro aberturas de animes que me impressionaram nesta temporada. Com a metade da temporada já concluída, selecionei minhas séries favoritas considerando não apenas a qualidade da música, da edição e da animação, mas também o impacto emocional que cada série tem sobre mim. Assim, o prazer de assistir à série também é um critério importante. Mesmo que uma abertura seja tecnicamente inferior à outra, se a série tiver uma pontuação emocional mais alta, ela será destacada. Foi uma escolha difícil, pois todas as aberturas estão disponíveis na Crunchyroll. Primeira Posição: Mushoku Tensei O forte apelo emocional da série é indiscutível. A abertura faz uma retrospectiva da vida de Rudeus até o momento atual, mostrando cenas familiares, momentos marcantes e personagens importantes, além de antecipar eventos futuros que são particularmente emocionantes para quem sabe o que virá. O diretor acertou em cheio em todos os elementos, criando uma abertura que é verda

Drops: Noobz!

Drops: Noobz Noobz possui um site há cerca de 8 anos e, também, um canal no Youtube que quero recomendar. Ataliba é o apresentador do canal e um cara bem divertido. Os vídeos são bem elaborados, cheios de “defeitos especiais” (brincadeira), humor e boa informação. O canal visa promover informação sobre “games, cinema, animes, quadrinhos, heróis, humor, podcasts e um pouco mais sobre o mundo do entretenimento”. O foco principal do canal é o anime. Se deseja conhecer, basta clicar no vídeo abaixo.

Não fuja do mal!

Não fuja do mal; Não se torne a presa; Sim, defenda-se! Neste AMV da série Mushibugyo, de 2013, vemos um ponto essencial na postura do herói, que é não recuar perante uma ameaça que vai dizimar uma vítima. O haicai acima tenta expressar em poucas palavras o sentimento deste AMV.  

Shazam, o injustiçado!

Shazam, o injustiçado! Para esta segunda-feira, gostaria de um texto um pouco mais leve, por isso, vou discorrer um pouco sobre um personagem que gosto muito, mas que acredito ser bem desmerecido dentro da editora que atualmente detêm os direitos autorais dele. Quero conversar sobre o Capitão Marvel, rebatizado como Shazam. A criação do herói Guilherme Ataíde conta para o Mundo Estranho [1] sobre a origem do personagem: “O primeiro Capitão Marvel foi criado em 1939 pela finada Editora Fawcett. O nome do herói era uma contração da palavra “Marvelous” e seus poderes incluíam superforça e supervelocidade. Mas o que o tornou popular era o fato de o seu alter ego ser uma criança, Billy Baxton, que se transformava no herói gritando “Shazam!”. O Capitão Marvel ficou tão popular que, em 1941, a DC processou a Fawcett, alegando que o herói era uma cópia do Super-Homem. O processo durou 12 anos e levou a Fawcett à falência. Entre 1953 e 1973, quando a DC finalment