sexta-feira, 16 de agosto de 2019

Silent Archives!


Nota DEZ!



Silent Archives é um dos melhores quadrinhos nacionais que li esse ano! É uma coletânea de trabalhos do autor Luiz Gustavo (Riojin). Na obra estão muitos trabalhos premiados e uma história inédita. As histórias seguem um elemento comum: não possuem diálogos, que é uma exigência de um concurso internacional chamado Silent Manga Audition, no qual o autor já foi diversas vezes premiado. E seu reconhecimento é justo!

Existe uma característica poderosa que pode ser facilmente percebida na arte do autor, que Ricardo Cruz (vocalista, membro do grupo Jam Project) resumiu perfeitamente e que eu concordo plenamente: “Ele consegue  misturar com fluidez um traço mais sério com outro mais humorístico e escrachado. Essa combinação dosada na medida costuma criar uma narrativa muito gostosa de ler”. É, de fato, um elemento muito poderoso na arte do Riojin.

Outro ponto incrível na obra é  que ela consegue passar, transmitir, a paixão que ele sente pelos quadrinhos. Ao ler a obra, você consegue perceber o cuidado com os detalhes. Percebe-se o carinho para com o desenho e a atenção para se contar uma boa história, que sempre te dá uma sensação de alegria. São histórias com humor e sensibilidade.

Uma obra realmente NOTA DEZ! Clique e compre!



segunda-feira, 12 de agosto de 2019

Conto do Morvo!




Em um reino muito distante, chamado de Brazópolis, existia um clã que praticou muitas irregularidades enquanto estava no poder. Esse clã dominava a corte suprema de Brazópolis, pois tinha dentro do tribunal muitos vassalos. E essa corte se esqueceu do que seria a verdadeira justiça, e destruiu a lei máxima que protegia o país de Brazópolis. E esse conto é sobre isso e a guerra que se desenvolveu contra o crime e seus tentáculos.

*****
E um dia com bastante frio, uma garotinha se aproxima da casa de seu avô. Em frente a uma lareira quentinha, o velho senhor a vê chegando e se levanta para ir em direção à porta. Ele a recebe com um carinhoso abraço e recebe dela um amoroso beijo.

--- Venha para perto da lareira se esquentar. Eu vou te trazer um leite quente com biscoitos. --- disse o senhor cobrindo sua netinha com um cobertor nos ombros.

--- Vovô! O que foi o dia de Morvo? --- disse a garotinha se aconchegando perto da lareira quentinha.

--- Minha linda, foi o dia em que a escuridão começou a se dissipar de nossa nação. --- disse o velhinho dando para sua neta uma xícara.

--- Eu preciso escrever sobre isso para a escola. --- disse ela.
--- Então, vou lhe contar o que sei! Mas preste atenção! Certa vez, um dos juízes de Brazópolis, decidiu que seria a hora de soltar todos os criminosos do país, pois queria libertar um grande chefe de uma máfia, e quebrou, mais de uma vez, a lei suprema da justiça, e seu ordenamento. A lei máxima já não significava nada para eles. Foi então que a reação começou. O delegado máximo do país decidiu agir, pois viu na conduta do juiz um crime a ser investigado e leu, em seu quarto, uma lei que é muito próxima à lei de nosso país, que lhe deu bastante confiança:

LEI Nº 7.170, DE 14 DE  DEZEMBRO DE 1983.
Art. 1º - Esta Lei prevê os crimes que lesam ou expõem a perigo de lesão:
Il - o regime representativo e democrático, a Federação e o Estado de Direito;

--- Vovô, o que é estado de direito? --- perguntou ela enquanto mastigava um biscoito de leite e mel.

O senhor, então, senta-se calmamente e responde:

--- “Por Estado de direito entende-se geralmente um Estado em que os poderes públicos são regulados por normas gerais (as leis fundamentais ou constitucionais) e devem ser exercidos no âmbito das leis que os regulam, salvo o direito do cidadão de recorrer a um juiz independente para fazer com que seja reconhecido e refutado o abuso ou excesso de poder. Assim entendido, o Estado de direito reflete a velha doutrina [...] da superioridade do governo das leis sobre o governo dos homens, segundo a fórmula lex facit regem”. (Bobbio, 1990, p. 18). Isso deu confiança ao delegado para agir, pois o Direito de ambos os países era semelhante. Ele foi até o ministério público de Brazópolis e disse que o grande juiz estava quebrando as leis do país, portanto, anulando o Estado de Direito e que eles precisavam intervir, uma vez que toda a quebra das leis que vem de um alto tribunal coloca em risco todas as leis do país, ou seja, seu ordenamento jurídico. --- ele faz uma breve pausa.

Pegando um biscoitinho do prato da neta, o senhor prossegue em sua explicação:

--- O procurador do ministério daquele país, reconhecendo o autor citado, pois também adorava as leis daquele país vizinho, pegou um caderninho em sua mesa e citou:

“Parágrafo único - Incorre na mesma pena quem:

I - com o objetivo de realizar os atos previstos neste artigo, mantém serviço de espionagem ou dele participa;

III - oculta ou presta auxílio a espião, sabendo-o tal, para subtraí-lo à ação da autoridade pública;”

Ambos perceberam como era grave o momento do país e que tudo precisava ser esclarecido, principalmente por conta de invasão de informações pessoais de personagens públicos. Nesse dia, minha preciosa, surgiu um movimento de combate à corrupção no alto tribunal do nosso país. Não foi fácil, posso te dizer.

--- Nossa, vovô! Que situação! Mas por que eles não conversaram usando as leis do nosso país?

--- Eles já tinham notado que estavam sendo gravados, então, precisaram falar em código, por isso, usaram leis de outro país para poderem conversar.

--- Nossa, que situação horrível! --- repetiu a menina, depois de tomar toda a xícara de leite em um único gole. --- E o que aconteceu em seguida?

--- Querida, eu posso te contar mais tarde! Agora, o vovô precisa sair para encontrar o médico. --- disse o velhinho se levantando e indo em direção à porta. --- Continuaremos um outro dia!

A menina se despede de seu avô, enquanto ele se retirava. A história, então, deve continuar em outro momento, pensou ela!

PoesiaBr 01

Os meus exemplares da antologia, referente ao concurso de poesias organizado pela editora Versiprosa, já chegaram. Um trabalho muito bom de ...