sexta-feira, 17 de abril de 2020

Twitter War: Covid-19- Segunda Parte!


COVID-19 WAR


E a crise continua, mas ela não é sobre o vírus. É sobre o seu uso político. Usaram o vírus para impedir o direito à liberdade do cidadão. Usaram o vírus para vigiar o cidadão através de seu celular. Usaram o vírus para fechar comércios. Para muitas pessoas, que não possuem reserva de capital, o que é boa parte da população, isso começou a afetar a sua condição física, moral e psíquica, pois começou a faltar alimento. Com pouco giro de capital e mercadorias, os preços aumentaram. Tudo começou a ficar mais caro.

Muitas pessoas que estavam nas ruas foram presas, simplesmente por estarem lá. Isso não é controle do vírus. Isso não é APENAS isolamento horizontal.  Isso é controle da população através do medo. Você gostou disso? Desse controle opressor dos governadores contra a sua população? Se não gostou, ótimo! Isso é uma pequena prova do socialismo implantado. É assim o dia-a-dia de pessoas atrás da cortina de ferro. Se não gostou, é seu dever impedir a implantação do socialismo em nossa nação, para que nossos filhos não fiquem reféns de um estado autoritário.


Nelson Teich[1]: “Vamos começar falando sobre a polarização que está acontecendo entre a saúde e a economia. Esse tipo de problema é desastroso porque trata estratégias complementares e sinérgicas como se fossem antagônicas. A situação foi conduzida de uma forma inadequada, como se tivéssemos que fazer escolhas entre pessoas e dinheiro, entre pacientes e empresas, entre o bem e o mal.”



Como disse em um texto anterior, eu me arrependi de ter dado apoio ao Madetta. Eu o fiz, pois suas palavras foram confortadoras em um momento de caos, porém, suas ações deixaram a desejar. Fui conhecendo (Osmar Terra, Wong, Zimerman e Yamaguchi) estudos discutindo e questionando o isolamento horizontal. Eu os coloquei aqui no blog, para que todos tivessem ciência do contraditório. Ciência é isso: dúvidas, contraditório, pesquisas e relativismo. Quando começaram a usar o isolamento horizontal como meio de oprimir o cidadão, ficou claro que os governadores, à revelia do presidente da República, queriam o caos. Aqui um vídeo sobre os motivos da demissão do ministro. Assistam.



E nós temos apenas um pequeno grupo de pessoas lutando contra isso, nos representando no poder político: o presidente da República, seu vice, alguns generais, alguns advogados e ministros. Todo o resto, STF, governadores, Congresso, mídia e políticos estão torcendo pelo vírus, pelo totalitarismo, e pelo medo.  São agentes do caos. Querem derrubar o presidente, nem que destruam o país no caminho.



Maia, por exemplo, está aprovando orçamentos de forma a impedir o controle fiscal. Caso o presidente supere a crise da pandemia, e ele vai superar, como todos nós, ele cairá na malha do Congresso que o está forçando a assumir responsabilidades fiscais além da conta do orçamento. Estão estourando o orçamento para, depois, o acusarem de irresponsabilidade fiscal e pedirem seu impeachment. O golpe está claro e está à nossa frente. O “centrão” continua agindo.

Como se não bastasse, inventam números para a crise. Uma fonte que tenho em um hospital disse que a margem de ocupação dos leitos de UTI está em 40% e que o pico da pandemia se foi. Como podem dizer que as UTIs estão lotadas? Eles jogam com o medo. Isso também foi mostrado aqui.




Esse doutor divulga a mesma informação. Governadores estão escondendo a verdade da população? Leia e decida!

E, mesmo assim, é necessário continuar enfrentando o medo, o totalitarismo e a doença. É uma situação que nunca foi vista e que não se tem parâmetros para se criar uma baliza, mas o Brasil vencerá!







[1] Leia em: <https://www.linkedin.com/pulse/covid-19-como-conduzir-o-sistema-de-sa%C3%BAde-e-brasil-nelson-teich>

Meme: Produtos

A guerra cultural mostrou uma coisa: aqueles que seguem a agenda progressista (socialista) tentam enfiar goela abaixo suas idéias através de produtos e a sociedade tenta rejeitar esses produtos. Dessa situação, criei esse meme! No capitalismo, os produtores precisam mudar seu produto para se adequar ao consumidor,  e no progressismo, os produtores de conteúdo tentam mudar o cliente para servir ao produto (lacração). 

quarta-feira, 15 de abril de 2020

Clara



A gentileza
É sua real força
Linda donzela


A Clara desconhece a sua própria força, em todos os sentidos dessa expressão. Infelizmente, não existe vídeo disponível com ela, então, fico apenas com essa imagem para ilustrar o poema. 

segunda-feira, 13 de abril de 2020

Seek Hearts

Seek HeartsXBOXGT: Paray BR


O jogo da Kemco foi lançado ano passado para o XBOX, mas somente esse ano que eu consegui um tempo para jogar. Eu gosto dos jogos (rpg) japoneses de turno e aprecio demais a estrutura montada para o desenvolver da história. Jogos de turno, com uma boa história, sempre irão atrair a minha atenção e como eles são, geralmente, bem baratos eu sempre os vejo com bons olhos. Joguei e gostei desse.



A História

Izen é um robô construído com forma humana e possibilidade de interagir com pessoas de forma natural, tendo um comportamento próximo de um ser humano. Em um determinado momento, ele decidi viajar o mundo para conhecer mais da própria criação, uma vez que ele não possui memórias passadas, e saber qual o objetivo principal de sua origem. Ele tem uma amiga que conheceu quando ela era pequena, chamada Clara, e que decidi o acompanhar nessa jornada de autodescobrimento. Outros personagens irão se unir a eles nessa jornada, como Lucca e Gantz. E a jornada de autodescobrimento acaba por se tornar algo mais complexo, quando ele começa a juntar as peças do quebra-cabeça e começa a perceber um lado sombrio em sua criação.  


O pano de fundo da história

O pano de fundo da história é um arcabouço de informações que o autor usa para dar mais profundidade à história. A história também pode ser um elemento de divulgação da filosofia usada como pano de fundo. Nesse caso, à medida que avançamos na história, podemos perceber que o pano por trás do enredo é um iluminismo clássico. Segundo Danilo Moraes[1]: “Na Idade Média, tínhamos a teologia como a rainha das ciências e, no Iluminismo, este papel foi passado para a filosofia e para a ciência.”.

Assim é em Seek Hearts. Existem três elementos básicos nesse mundo construído: Fadas que são o elemento religioso; Humanos que são o elemento impulsionador da história e, por fim, Robôs que são o avanço da tecnologia e representam a ciência. Sem querer dar muito spoiler, mas a história caminha para uma luta entre eles, com a vitória dos personagens que representam o iluminismo.

Continuar a divulgar o iluminismo é um pouco chato, pois a ideia central dessa frente era mostrar que a idade média seria uma idade das trevas e que somente a ciência e o conhecimento posteriores a ela é que iluminaram o mundo (daí a origem do nome desse pensamento). Além disso, o iluminismo foi usado para tirar Deus como centro do mundo e colocar o homem como centro de tudo. Isso favoreceu o surgimento de pensamentos político-ideológicos de opressão do homem moderno.

E sabemos que a idade média não foi um período de escuridão, pois o florescer de muitas descobertas se deram naquela época, e, se formos um pouco mais para trás, veremos até que outras épocas também contribuíram em muito para o avanço da humanidade, como, por exemplo, o Direito greco-romano que é a base do Direito no mundo ocidental. Além disso, é um clichê muito usado ultimamente e está se desgastando.



De qualquer forma, é esse o pano de fundo da história. Gostemos dele, ou não, a estrutura funciona muito bem para tecer um bom enredo.

A jogabilidade

Aqui não se tem muitas inovações. É um rpg de turno, ou seja, você precisa esperar seu oponente jogar para, depois, você decidir suas ações. E, durante seu turno, você pode atacar, usar um item, ou se defender. Para superar alguns adversários, você precisa subir o nível de seus personagens, para deixá-los capazes de fazer frente à ameaça. Aqui deixo um vídeo meu (gravado direto do XBOX ONE S) com uma dica para desenvolver rápido seus personagens. Quando possível, achem essa ilha no vídeo.





As inovações mesmo se dão no campo da procura. Como todo rpg nesse estilo, Seek Hearts conta com exploração de mapa para achar um item. E, acreditem, os personagens ganharam uma mobilidade que eu nunca tinha visto: eles conseguem pular de um campo mais alto do mapa para um campo mais baixo. Eles pulam e o Kratos não! (😊) Além disso, cada um dos personagens jogáveis tem uma função específica: Gantz pula para alcançar lugares altos, Izen consegue mover plataformas para mover o grupo, Lucca é capaz de converter ervas venenosas em itens úteis e a Clara é uma gorila (😊).

Diversão e conclusão

É um ótimo rpg, pois ele tem um enredo muito bem construído, com uma história bem contada e personagens engraçados, mas com passados de tristeza e superação. Sobre o humor, é divertido ver a Clara, por exemplo, rejeitar a própria força física, pois ela deseja ser mais feminina, ou a Lucca com medo do comportamento do chefe da guilda, ou o Izen e seu “hobby” de ficar preso em paredes (culpa da Clara). É um jogo muito interessante. Eu me diverti bastante jogando e espero conseguir pegar todas as conquistas antes que esse texto venha a ser atualizado no blog. Se você ainda não o conhece, experimente jogar. Seek Hearts compensa.





Atenção jogadores: existe um final falso e três finais verdadeiros!
  


[1] Leia: <https://www.icp.com.br/df100materia3.asp>

Poemas no Twitter III

 Enfim, o último poema lançado no Twitter e fechando essa semana.