Pular para o conteúdo principal

Seek Hearts

Seek HeartsXBOXGT: Paray BR


O jogo da Kemco foi lançado ano passado para o XBOX, mas somente esse ano que eu consegui um tempo para jogar. Eu gosto dos jogos (rpg) japoneses de turno e aprecio demais a estrutura montada para o desenvolver da história. Jogos de turno, com uma boa história, sempre irão atrair a minha atenção e como eles são, geralmente, bem baratos eu sempre os vejo com bons olhos. Joguei e gostei desse.



A História

Izen é um robô construído com forma humana e possibilidade de interagir com pessoas de forma natural, tendo um comportamento próximo de um ser humano. Em um determinado momento, ele decidi viajar o mundo para conhecer mais da própria criação, uma vez que ele não possui memórias passadas, e saber qual o objetivo principal de sua origem. Ele tem uma amiga que conheceu quando ela era pequena, chamada Clara, e que decidi o acompanhar nessa jornada de autodescobrimento. Outros personagens irão se unir a eles nessa jornada, como Lucca e Gantz. E a jornada de autodescobrimento acaba por se tornar algo mais complexo, quando ele começa a juntar as peças do quebra-cabeça e começa a perceber um lado sombrio em sua criação.  


O pano de fundo da história

O pano de fundo da história é um arcabouço de informações que o autor usa para dar mais profundidade à história. A história também pode ser um elemento de divulgação da filosofia usada como pano de fundo. Nesse caso, à medida que avançamos na história, podemos perceber que o pano por trás do enredo é um iluminismo clássico. Segundo Danilo Moraes[1]: “Na Idade Média, tínhamos a teologia como a rainha das ciências e, no Iluminismo, este papel foi passado para a filosofia e para a ciência.”.

Assim é em Seek Hearts. Existem três elementos básicos nesse mundo construído: Fadas que são o elemento religioso; Humanos que são o elemento impulsionador da história e, por fim, Robôs que são o avanço da tecnologia e representam a ciência. Sem querer dar muito spoiler, mas a história caminha para uma luta entre eles, com a vitória dos personagens que representam o iluminismo.

Continuar a divulgar o iluminismo é um pouco chato, pois a ideia central dessa frente era mostrar que a idade média seria uma idade das trevas e que somente a ciência e o conhecimento posteriores a ela é que iluminaram o mundo (daí a origem do nome desse pensamento). Além disso, o iluminismo foi usado para tirar Deus como centro do mundo e colocar o homem como centro de tudo. Isso favoreceu o surgimento de pensamentos político-ideológicos de opressão do homem moderno.

E sabemos que a idade média não foi um período de escuridão, pois o florescer de muitas descobertas se deram naquela época, e, se formos um pouco mais para trás, veremos até que outras épocas também contribuíram em muito para o avanço da humanidade, como, por exemplo, o Direito greco-romano que é a base do Direito no mundo ocidental. Além disso, é um clichê muito usado ultimamente e está se desgastando.



De qualquer forma, é esse o pano de fundo da história. Gostemos dele, ou não, a estrutura funciona muito bem para tecer um bom enredo.

A jogabilidade

Aqui não se tem muitas inovações. É um rpg de turno, ou seja, você precisa esperar seu oponente jogar para, depois, você decidir suas ações. E, durante seu turno, você pode atacar, usar um item, ou se defender. Para superar alguns adversários, você precisa subir o nível de seus personagens, para deixá-los capazes de fazer frente à ameaça. Aqui deixo um vídeo meu (gravado direto do XBOX ONE S) com uma dica para desenvolver rápido seus personagens. Quando possível, achem essa ilha no vídeo.





As inovações mesmo se dão no campo da procura. Como todo rpg nesse estilo, Seek Hearts conta com exploração de mapa para achar um item. E, acreditem, os personagens ganharam uma mobilidade que eu nunca tinha visto: eles conseguem pular de um campo mais alto do mapa para um campo mais baixo. Eles pulam e o Kratos não! (😊) Além disso, cada um dos personagens jogáveis tem uma função específica: Gantz pula para alcançar lugares altos, Izen consegue mover plataformas para mover o grupo, Lucca é capaz de converter ervas venenosas em itens úteis e a Clara é uma gorila (😊).

Diversão e conclusão

É um ótimo rpg, pois ele tem um enredo muito bem construído, com uma história bem contada e personagens engraçados, mas com passados de tristeza e superação. Sobre o humor, é divertido ver a Clara, por exemplo, rejeitar a própria força física, pois ela deseja ser mais feminina, ou a Lucca com medo do comportamento do chefe da guilda, ou o Izen e seu “hobby” de ficar preso em paredes (culpa da Clara). É um jogo muito interessante. Eu me diverti bastante jogando e espero conseguir pegar todas as conquistas antes que esse texto venha a ser atualizado no blog. Se você ainda não o conhece, experimente jogar. Seek Hearts compensa.





Atenção jogadores: existe um final falso e três finais verdadeiros!
  


[1] Leia: <https://www.icp.com.br/df100materia3.asp>

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: