sexta-feira, 13 de abril de 2018

Melhor Fantasia: Record Of Grancrest War!


Outros Papos: Troféu Melhor Fantasia

Record of Grancrest War



Sinopse via Crunchyroll:

“Simulcast on Sextas-feiras 1:30pm -03
Uma terra assolada pelo caos - Atlatan. Temendo o desastre causado pelo caos, o povo vive sob a proteção dos Senhores - indivíduos munidos do poder dos Brasões, usados para suprimir o caos. Contudo, os Senhores desistiram de proteger seu povo e se viraram uns contra os outros em uma guerra fria, tentando furtar os Brasões uns dos outros para obter supremacia. Dentre eles está Siluca, um mago solitário que detesta os Senhores, e Theo, um cavaleiro errante que segue em jornada de treinamento para algum dia libertar sua terra natal de seu governo tirânico.”



Vamos arrumar algumas imperfeições desta sinopse. Em primeiro lugar, os nobres não desistiram de lutar pelo povo. Um grande mal assolará o mundo e somente a união dos dois brasões reais poderá dar uma possibilidade de defesa ao mundo. Então, eles lutam entre si pela união deste poder, para que eles possam proteger seu povo. Em segundo lugar, Siluca é uma maga e não é solitária. Ela também não detesta os nobres.

*****
Eu considero uma obra no gênero Fantasia boa quando ela te promove alguns elementos:
1-    Uma realidade cativante;
2-    Uma ameaça poderosa;
3-    Personagens fortes;
4-    Dinâmica bem elaborada;
5-    Sensação de suspense;





1-    A realidade da série é bem construída. Começamos com um casamento e uma tragédia, tornando os dois noivos inimigos. Um Romeu e Julieta bem elaborado. Depois, a guerra entre as duas facções que pode ser usada como pano de fundo para explicar a guerra fria (EUA x URSS) e a chegada de um personagem pobre que consegue se tornar um nobre, talvez uma inspiração à lenda do Rei Arthur. Uma maga que não deseja seguir seu destino e se liga a um cavaleiro para começar a trilhar seu caminho com os próprios pés. A realidade construída com tragédias, futuros e esperanças foi a primeira coisa que saltou aos meus olhos.

2-    A ameaça que vitimou familiares, fez com que noivos se tornassem inimigos. Agora, o pano de fundo apresenta duas camadas de ameaças. Uma ameaça que paira no ar, um grande demônio que pode acabar com tudo, e a guerra iniciada após o casamento ter sido frustrado. A segunda ameaça é fruto da primeira. Eu posso até afirmar que a primeira ameaça é tão grandiosa que bastou sua existência, mesmo que não se faça presente, para insurgir a segunda ameaça.

3-    Uma grande ameaça, sem personagens fortes, não seria de interesse, pois não teria o devido peso na balança. Como o anime trata de uma guerra, temos, até o presente momento, pois a série não terminou nesta temporada, duas guildas. De um lado, temos um jovem esperançoso que foi agraciado com um contrato com uma linda e grande maga. Ele demonstra a força da jovialidade e a determinação que faz com que os jovens sejam conhecidos pela persistência. Ele envolve a todos com seu carisma. A maga é a inteligência estratégica que, ora funciona, ora falha. Isto mostra que o personagem é humano. Do outro lado, temos uma rainha entristecida, voltada para uma vingança pessoal, que a fará fazer qualquer coisa. E um escorpião traidor. Outros personagens são muito bem construídos para dar a estes 4 suporte para suas histórias.

4-    A dinâmica entre os personagens é linda. Diálogos bem construídos, personagens com forte passado e forte presença. A história corre bem nas telas. A melhor dinâmica para um roteiro é o amor e este roteiro sabe como desenvolver casais apaixonados. Os noivos têm um episódio especial só sobre o desenvolvimento do amor entre eles. E o casal principal desenvolve seu amor em tela, aos pouquinhos, até culminar em um beijo, em uma tarde chuvosa, dentro de uma árvore. Coisa linda! Infelizmente, pelo orçamento limitado, algumas batalhas que deveriam ser grandiosas, pois deveriam mostrar a força de nações em conflito, ficam restritas a poucos soldados. Quase fica parecendo briga de gangues de rua. E quando o diretor resolve mostrar um batalhão inteiro, o CG não ajuda.

5-    A sensação de suspense parte do sentimento que se desenvolve quando você se interessa pelos personagens e se preocupa com o destino deles. Como os personagens são bem construídos, fiquei grudado na tela em muitos momentos. Torci por vários e me angustiei com tragédias, com casais se sacrificando e reinos caindo. Algumas cenas de morte são nobres e apaixonadas. Elas me fizeram segurar o choro. Outras cenas me fizeram saltar do sofá e querer quebrar os dentes de um personagem.


Mediante tudo o que foi exposto, eu considerei Record Of Grancrest War a melhor Fantasia da temporada.

SPOILER... SPOILER... SPOILER

Troféu Melhor Vilão

Para ganhar este troféu, o cabra tem que ter feito coisas horríveis. Eu vou computar aqui os feitos deste cafajeste:

- Golpe de Estado: Ele tomou o reino do pai à força!
- Assassinatos: Ele matou o próprio pai para reinar, além de muitas outras pessoas.
- Genocídio: Ele matou todos os integrantes da tribo de uma maga rival.
- Traição: Traiu sua facção e mudou de lado, após chantagear uma rainha e deitar-se com ela.

Sem contar o que ele forçou uma rainha a fazer contra sua vontade! Aquilo lá, sim, já bastava para ele ser o pior vilão desta temporada. 

Por todos os crimes cometidos, dou o troféu Melhor Vilão da Temporada a este babaca:







quarta-feira, 11 de abril de 2018

Koko!


Doçura de mel,
Olhar convidativo,
Quero-te minha!




Estou escrevendo este haicai (5-7-5) no dia do julgamento do Lula pelo STF, então, estou com pressa e preocupado. Decidi parar um pouco e admirar o traço desta personagem. Um traço gentil, delicado e belo que a torna bela, delicada e gentil. Dá para assistir esta série via Crunchyroll.




segunda-feira, 9 de abril de 2018

Crítica- O Mecanismo!


O Mecanismo é uma série original Netflix baseada no livro “Lava Jato- o juiz Sérgio Moro e os bastidores da operação que abalou o Brasil” do jornalista Vladimir Netto[1]. Ela é dirigida por José Padilha e estrelada por Carol Abras e Selton Mello.



Fui assistir por causa da polêmica envolvendo os criminosos da esquerda, que choraram e espernearam quando a série estreou. Dilma chorou, Padilha rebateu. Lula se enfureceu, o Brasil todo riu. Enfim, confesso que foi isto que me estimulou a assistir a esta série. E isto comprovou a velha regra do marketing que ensina: “Falem bem ou falem mal, mas falem de mim”. Infelizmente, esta regra funcionou novamente. Com tanta gente falando mal, eu acabei me interessando. Assisti vários episódios!

Aqui preciso deixar claro que não li o livro no qual a série se baseia e sei que a série é uma obra de ficção baseada no livro em questão, então, obvio que algumas liberdades artísticas foram permitidas. Não será possível, então, comparar a obra com a realidade que a inspira. Este é um trunfo que a direção obteve ao informar, em poucas linhas, que a série é uma obra de ficção. Entretanto, nada nos impede de comparar esta série com o filme “Polícia Federal- A Lei é Para Todos”, uma vez que ambas as obras se baseiam nos mesmos fatos.

O primeiro ponto que notei na série é um tom narrativo que nos remete aos seriados antigos de investigação policial, com extensos diálogos internos dos personagens. Algo que Padilha usou em Tropa de Elite também. Já o filme da Lava Jato usa mais diálogos externos e as cenas expositivas. Enquanto um conta o que o personagem sente e pensa, em relação ao que está ocorrendo, o outro mostra tudo de forma mais dinâmica.

A série, por ter mais duração, poderia ter se concentrado mais nas investigações, entretanto, foi no filme que a investigação realmente ocorreu. A série fica muito tempo presa ao personagem do Selton Mello e sua fúria e angústia por não conseguir lidar com a corrupção. O filme trata da investigação de maneira mais completa. A série também é ingênua ao mostrar a investigação como função isolada da Polícia Federal, enquanto sabemos que a Polícia Federal teve apoio do Ministério Público e da Justiça Federal. Se a investigação fosse realizada apenas por aqueles três agentes, ela teria sido abafada. Esta é a ingenuidade da série. Ela trata da corrupção sistêmica das instituições brasileiras e os tão poderosos corruptos não conseguem lidar com três agentes? Já o filme mostra que a equipe estava bem equipada e bem preparada, sendo uma investigação blindada pela justiça.

Atuação do Juiz e Delação Premiada

Blindada pela justiça? Como assim? Simples, chegamos aqui na figura do juiz responsável por analisar e deferir/indeferir as ações pedidas pelo Ministério Público: aquele que representa o juiz Sérgio Moro. No seriado, Moro é muito apático e representado quase como um coadjuvante que mais atrapalha que ajuda nas investigações. No filme da Lava Jato, que o mostra como ele é de fato, o juiz foi responsável por evitar danos às investigações. Como assim? Quando o STF desejou soltar os investigados, foi uma recomendação do Moro ao STF que não permitiu que isto acontecesse. Foi quando o magistrado lembrou ao ministro do STF que junto aos investigados foram encontradas drogas, e que o nosso ordenamento jurídico, bem como os tratados internacionais, impedem a soltura de investigados relacionados com o tráfico de drogas (cena do caminhão de palmito no filme). O ministro do STF acatou recomendação de Moro e os investigados foram mantidos sob custódia.

A delação premiada, grande trunfo usado para que os investigadores conseguissem provas das acusações, também foi tratada de forma diferente aqui. No seriado, este instrumento foi retratado quase que como algo inútil, enquanto no filme a delação teve seu papel fundamental para desatar os fios da corrupção. Sem ela, nenhum delator abriria o bico. Foram duas coisas essenciais à investigação: o juiz que conseguiu manter os investigados sob custódia do Estado e a delação premiada que os fez delatar para uma redução de pena.

A corrupção

No filme, eles mostram que a corrupção no governo petista foi usada para manter um grupo no poder, para manter uma agenda de poder de um grupo da esquerda brasileira. No seriado, a corrupção foi demonstrada como algo sem uma bandeira política definida. Como Padilha é um simpatizante da esquerda, fica claro que ele usou esta obra de ficção para tentar desassociar a imagem da esquerda da imagem da corrupção. A corrupção da esquerda é desculpa para manter uma agenda revolucionária e eu considero isto mais grave. O seriado tenta esquivar desta realidade.  

Conclusão

Enquanto mantenho uma nota 10 para o filme que já analisei, eu dou uma nota 5 para o seriado. O seriado só fez sucesso por causa do chilique da esquerda. Aqui embaixo deixo o trailer do filme que realmente homenageia a operação que deu esperanças ao Brasil! Se precisar escolher apenas um para assistir, escolha o filme!


   


[1] Saraiva: https://www.saraiva.com.br/lava-jato-o-juiz-sergio-moro-e-os-bastidores-da-operacao-que-abalou-o-brasil-9337385.html

Recado aos Raymundo!

Aos Raymundo de Porto Alegre; Eu não quero saber de suas mentiras e nem de seus venenos. Estou vivendo em paz com minha mãe. Deixem-nos ...