sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Drops: 78 Centavos & Polícia Federal!

Drops: 78 Centavos

78 Centavos

Já conhecem este canal? Eu vou começar a fazer indicações de canais que sigo e espero que gostem. O 78 Centavos não mostra apenas a vida de uma família brasileira vivendo em Orlando, EUA. Ele mostra, além disso, ofertas de casas em Orlando, através da ação do corretor (Pavone), que fala português, e que acompanha o Rodrigo. Ótima chance para conhecer os EUA, residências e passeios. Vale conferir!





Polícia Federal: A Lei é para todos!


O filme estreou semana passada e, apenas em seu fim de semana de estreia, rendeu quase 7,5 milhões de reais. Foi um sucesso marcante. Eu fui assistir e fiquei rendido pelo ritmo do filme. Antes de entrar na sala, eu estava me preparando para um filme com vários diálogos e sem muita ação, pois eu acreditava que seria assim. Fui surpreendido pelo diretor, pois o filme tem um ritmo forte, não perde o suspense durante os diálogos, mantêm-se em alta até em uma simples cena de um policial acompanhando um suspeito pela casa e fica firme na história da investigação. A escolha do modo da narrativa foi acertada, os ângulos de câmera muito bem colocados e atuações incríveis. Não sei se vai levar o Oscar, mas é um forte concorrente! E o que me orgulha ainda mais é que não tem dinheiro público nele. É filme como deve ser! Se ainda não assistiu, vá ver! É 5 estrelas!



quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Não é arte!



A minha liberdade termina quando a sua começa;
É assim que expressam os limites e isso interessa;
Entretanto, existem outras fronteiras nesse umbral;
Essas fronteiras são: a lei e a moral.

A lei não te impede de agir;
Mas te diz o que te ocorrerá se, mesmo assim, quiser continuar;
E, se continuar, fique sabendo que o braço da lei irá te alcançar;
E não adiantará bramir.

Já a moral é sua subjetividade;
Quando motivada, ela te impede;
Uma pessoa agindo com moral é forte!
A moral dá ao homem suporte!

A liberdade imoral fere;
A liberdade, então, torna-se crime;
Deve ser combatida, assim a lei sugere!
Nossa lei, nossa proteção sublime!

Esperemos a investigação do Ministério Público. Quando a investigação encerrar, irei criar texto sobre o que foi definido. Uma investigação do Ministério Público pode demorar algum tempo, entretanto, alguns aspectos já foram iluminados. Na matéria do Correio do Povo, "Erotização de crianças era objetivo” da ‘Queermuseu’, dizem procuradores gaúchos" (leia) Alexandre Lipp e Sílvio Munhoz perceberam, em algumas obras, um facilitador para a pedofilia e enviaram parecer para reforçar a decisão dos colegas que estão responsáveis pelo caso. Já os procuradores que estão levando a investigação oficial, apesar de não terem percebido tal ponto, afastando a acusação de pedofilia, ainda estão abertos para a investigação e, segundo informativo do Ministério Público do Rio Grande do Sul, que pode ser lido na matéria acima, estão trabalhando em outros fatores. Outras representações foram interpostas no MP-RS, como crime religioso, e estão sendo investigadas também. Foram mais de 20 representações junto ao MP-RS contra atos desta exposição. Quando houver mais detalhes, colocarei em um post especial. Minha opinião é idêntica ao do procurador Alexandre e me causa espanto que o investigador oficial não a tenha considerado.



Além disso, a questão jurídica não é sobre liberdade artística, mas sobre a exposição de crianças a material impróprio e financiado com dinheiro dos impostos. Sobre a questão da liberdade artística, o poema acima retrata o que deve ser seguido e como eu vejo o assunto.







segunda-feira, 18 de setembro de 2017

O que espero do novo presidente?



Depois de tudo que eu andei expondo, após o impeachment da Dilma, já fica evidente o tipo de governo que eu acredito que vá ajudar o Brasil a superar a crise econômica, voltar a crescer, gerar emprego e melhorar a condição de vida de cada brasileiro. Fiquei, então, imaginando o que eu gostaria que o presidente do Brasil, que será eleito em 2018, fizesse de fato e que o seu sucessor próximo mantivesse. Sim, não adianta um presidente realizar e outro desfazer. Isso geraria uma crise ainda pior. Seria como duas pessoas dentro de um barco furado. Enquanto uma tira a água, a outra coloca de novo. É preciso que se tenha continuidade nos atos, por isso, ambas as pessoas devem retirar a água do barco e tampar o furo. Isso se chama estabilidade!

O que eu vou escrever é o que eu considero ideal. Se o presidente fizer mais que isso, ele me surpreenderá. Se ele fizer menos, vou considerar medíocre. Simples assim. Claro, para isso, ele deverá ter apoio do Congresso e maioria para sustentar suas decisões. Não são decisões difíceis, mas são decisões que irão requerer coragem. Vamos começar.

Economia

1-    Redução de impostos, taxas e contribuições, tanto federais como estaduais, para abaixo de 20% do PIB. Com menos impostos, maior será o crescimento econômico e melhor será a arrecadação do Estado.
2-    Extinção do imposto de importação. A desculpa deste imposto é o de proteger a indústria nacional. A teoria é que a nossa indústria deveria ter se fortalecido com esse imposto e isso não aconteceu. Nossa indústria se acomodou. A extinção deste imposto irá colocar nossa indústria nos trilhos, com um choque da explosão de uma bolha econômica incômoda. A indústria poderia se favorecer disso e importar maquinários e serviços com melhor tecnologia e, assim, se desenvolver.
3-    O retorno do câmbio com lastro, chamado Currency Board (leia). Chega desse câmbio flutuante. A cada crise política, ou financeira, o dólar samba na nossa cara e quase passa dos 4 reais. Com o dólar em alta, nossas importações sofrem e nossas exportações ficam em outra bolha ilusória. O lastro em dólar impediria uma perda agressiva do valor do Real. Conseguindo manter o valor do Real a quase 2 dólares, manteríamos a vantagem das exportações, mas promoveríamos o aumento das importações.
4-    Alteração nas ações do Banco Central para se ajustar ao novo Currency Board.
5-  Extinção do BNDES e os valores ainda não pagos pelas empresas negociados na justiça. Ele cria uma bolha econômica ilusória e muito prejudicial para as taxas de juros. Eliminando o BNDES, tornaremos nossas taxas de juros mais reais e, portanto, teremos taxas menores.
6-   Redução dos entraves para se abrir uma empresa. Se conseguirmos agir para tornar mais rápida a abertura de uma empresa, mais chances teremos de formalizar trabalhos e serviços e fazer o Brasil crescer com a ação de empreendedores. Menos Estado, mais mercado!







Executivo

1-    Extinção de ministérios. Manteria apenas os seguintes ministérios: Fazenda, Agricultura, Educação, Saúde, Defesa e Justiça. Cultura seria uma secretaria dentro de Educação, assim como o “Relações Exteriores” seria uma pasta dentro da Defesa.   
2-  Maior controle nos gastos públicos, fornecendo ferramentas para desburocratizar o Estado. A burocracia faz o Estado gastar mais. Otimizar a organização do Estado impediria o gasto e, também, o desvio de recursos.
3-    Fiscalizar com maior eficiência. O Estado perde 200 bilhões de reais ao ano com a corrupção (leia).
4-    Privatizar os Correios, a Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil e o que mais ainda estiver em posse do Estado e que não esteja compreendido dentro da proteção dos ministérios acima citados. O Estado não precisa ser dono de nada, pois, sendo dono, impede o desenvolvimento da instituição.
5-    Reforçar ao Legislativo o “10 Medidas Contra a Corrupção” do MP e fazê-lo virar lei.

Judiciário


1-    Desvincular o STF, o MP e o STJ do poder público. Seus membros serão escolhidos mediante concurso de provas e títulos e não mais por nomeação em lista. Todos os cargos seriam escolhidos por provas e títulos.

Recado aos Raymundo!

Aos Raymundo de Porto Alegre; Eu não quero saber de suas mentiras e nem de seus venenos. Estou vivendo em paz com minha mãe. Deixem-nos ...