Pular para o conteúdo principal

Não é arte!



A minha liberdade termina quando a sua começa;
É assim que expressam os limites e isso interessa;
Entretanto, existem outras fronteiras nesse umbral;
Essas fronteiras são: a lei e a moral.

A lei não te impede de agir;
Mas te diz o que te ocorrerá se, mesmo assim, quiser continuar;
E, se continuar, fique sabendo que o braço da lei irá te alcançar;
E não adiantará bramir.

Já a moral é sua subjetividade;
Quando motivada, ela te impede;
Uma pessoa agindo com moral é forte!
A moral dá ao homem suporte!

A liberdade imoral fere;
A liberdade, então, torna-se crime;
Deve ser combatida, assim a lei sugere!
Nossa lei, nossa proteção sublime!

Esperemos a investigação do Ministério Público. Quando a investigação encerrar, irei criar texto sobre o que foi definido. Uma investigação do Ministério Público pode demorar algum tempo, entretanto, alguns aspectos já foram iluminados. Na matéria do Correio do Povo, "Erotização de crianças era objetivo” da ‘Queermuseu’, dizem procuradores gaúchos" (leia) Alexandre Lipp e Sílvio Munhoz perceberam, em algumas obras, um facilitador para a pedofilia e enviaram parecer para reforçar a decisão dos colegas que estão responsáveis pelo caso. Já os procuradores que estão levando a investigação oficial, apesar de não terem percebido tal ponto, afastando a acusação de pedofilia, ainda estão abertos para a investigação e, segundo informativo do Ministério Público do Rio Grande do Sul, que pode ser lido na matéria acima, estão trabalhando em outros fatores. Outras representações foram interpostas no MP-RS, como crime religioso, e estão sendo investigadas também. Foram mais de 20 representações junto ao MP-RS contra atos desta exposição. Quando houver mais detalhes, colocarei em um post especial. Minha opinião é idêntica ao do procurador Alexandre e me causa espanto que o investigador oficial não a tenha considerado.



Além disso, a questão jurídica não é sobre liberdade artística, mas sobre a exposição de crianças a material impróprio e financiado com dinheiro dos impostos. Sobre a questão da liberdade artística, o poema acima retrata o que deve ser seguido e como eu vejo o assunto.







Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: