sexta-feira, 12 de julho de 2019

Komi Can't Communicate!


Komi Can’t Communicate





Aconteceu algo bem curioso comigo. Tomei gosto por assistir a vídeos com memes de animês, para rir um pouco e me distrair, e acabei notando uma personagem que a grande maioria dos fãs tinha uma certa adoração. Fui atrás de informações sobre a personagem e descobri a Komi Shoko.

Quem diria que eu iria comprar um mangá por causa de memes na internet. E foi isso que aconteceu. Descobri e comprei o mangá “Komi can’t communicate” por causa de memes. E gostei da história ao ponto de querer escrever um pouco sobre ela.

Os personagens principais

Komi aparenta ser uma personagem fria, que está ciente de seu apelo feminino e beleza, porém, a tal “frieza” nada mais é que a total falta de habilidade em se comunicar. Até um simples “bom dia” torna-se um grande desafio para ela, que não consegue mesmo falar em público. Ela lembra uma outra personagem (Bocchi), entretanto, se compararmos as duas, a Bocchi é mais habilidosa em se comunicar do que ela. Comparando-as você consegue perceber o tamanho do desafio da Komi. Ela torna-se, então, uma prisioneira dessa incapacidade e isso a aflige muito.

Tadano é um personagem comum, que possui uma habilidade especial que o faz perceber situações. Com essa habilidade, ele consegue “ler” o interior dos demais personagens. Escrevendo assim parece um superpoder, mas é uma habilidade instintiva que a maioria das pessoas normais possui. Não é nada interessante, contudo, é essa habilidade que permite que ele se aproxime da Komi.

A história com um pouquinho de spoiler

Primeiro dia de aula. Nova escola. Tadano está super feliz, achando que sua vida escolar será sem grandes surpresas, até que ele conhece, ainda na entrada do colégio, uma colega de classe. Sim, Komi e ele se encontram imediatamente. Ele tenta ser gentil. Ela... bem... ela age como... Komi-san. Vocês entenderão ao ler a história, e isso faz com que o Tadano pense que ela é uma garota super fria. Aos pouquinhos, o autor vai unindo os dois até que eles são deixados juntos e o Tadano vai ligando as peças desse quebra-cabeça até perceber que Komi não consegue se comunicar. Lembram que eu disse que ele era bom em “sentir” as pessoas? Pois bem, ele sente isso em Komi e acerta em cheio. Nesse momento, com uma construção ótima da narrativa, chega o momento mais lindo da história, no qual os dois se comunicam pelo quadro negro da escola. E ele percebe o sofrimento da Komi e decide ajudá-la a alcançar seu sonho: Komi quer ter 100 amigos!

Esse é o começo da história. O foco principal é a comédia de situações, na qual o autor mostra que é um mestre em deixar seus personagens em situações interessantes, para tirar deles o máximo do riso e da ternura. Komi-san é um anjo de tão querida e o Tadano é um cara simples, tímido, mas de bom coração. O autor explora bem todas as incapacidades de ambos na jornada deles rumo às 99 amizades.

Não sei como o autor cria cada uma das situações que envolve os personagens, mas a inspiração é sempre criativa, mesmo quando usa de clichês que vemos em histórias desse gênero. Ele brinca com as incapacidades de uma forma ora tenra e engraçada, ora um pouco triste. Eu não sei quanto a vocês, mas eu fiquei com um nó na garganta em alguns momentos nos quais a Komi-san tenta superar essa incapacidade e não consegue, bem como dei gargalhadas com outras situações que a Komi enfrenta.

Ela é tão bem construída, como personagem, que consegue cativar. Não é para menos que existem muitos memes sobre ela e sua história. E olha que eu só li o primeiro volume da obra. Vou continuar acompanhando e recomendo.

Qualidade do mangá
Sobre a produção gráfica: o papel é resistente, muito bom ao tato e grosso o suficiente para que os quadros não se misturem de uma página a outra. A cola é firme, fazendo com que o mangá se torne resistente. A capa é normal, com brilho fosco e bem conhecida por aqui. É um trabalho de produção muito bom. Se houve alguma falha de tradução, eu não percebi. Está aprovado!  

  

    

quarta-feira, 10 de julho de 2019

Carta do Ratinho: Vitória contra as Cobras!





 Espero que esteja tendo um ótimo dia, mamãe!

Que ano intenso! Desde a minha última cartinha, muita coisa aconteceu. Eu ainda me recordo do dia em que o vidro que separava minha baia, da baia das cobras, se quebrou e elas tentaram invadir o meu lar. No momento em que o cientista me salvou e me colocou seguro em uma baia distante. No momento em que o cientista ergueu mangustos e um velho caranguejo para mover as cobras de volta para seu covil. Quanta coisa aconteceu!

Nesses dias turbulentos, eu fiquei em dúvida sobre o agir do cientista. Foi aí, durante meus pensamentos, minhas reflexões diárias sobre se o cientista seria bom ou mau, que eu descobri um antigo livro e o li. Aquelas palavras me iluminaram sobre a real essência do cientista, pois estava escrito: “Eu formo a luz, e crio as trevas; eu faço a paz, e crio o mal; eu, o Senhor, faço todas estas coisas.” (Isaías 45:7). Eu não entendi bem, mas senti em meu coração que o cientista estava assim definido. Não dava para dizer que ele era mau ou bom, ele era, e é, apenas o cientista. Uma entidade que me defendeu, que me protegeu e me livrou das víboras.

Eu ainda precisei me mudar de baia novamente, pois adoeci. Tinha muito doce no meu sangue e precisei estar em uma baia especial para cuidar da minha saúde. Eu estava gordinho, precisei emagrecer e nessa nova baia tinha a ajuda necessária. Então, eu me mudei para uma baia gigantesca, cheia de outros bichinhos e todos cuidando de suas vidas de maneira intensa e vibrante. Eu fiquei espantado com a nova baia. Nela, conheci gaviões que me ensinaram a perder peso. Precisei deixar de comer meus docinhos. Perdi peso! E como gostei dessa nova baia.

Nesse intermédio, o caranguejo velho foi até a baia em que as cobras estavam para reivindicar o meu espaço de volta. Não deve ter sido fácil, mas ele conseguiu que as víboras recuassem ainda mais. Elas foram derrotadas novamente e o caranguejo retornou a mim com as chaves da minha antiga baia. As víboras perderam por completo. A baia que elas tanto almejavam conquistar, que era o meu lar, voltou a ser minha.

Essa foi a cartinha mais agradável de se escrever, pois nela contêm muitas vitórias. Estou em uma baia incrível, com meu lar recuperado e com saúde. O caranguejo irá me contar detalhes da luta que ele teve com as víboras e os mangustos ainda estão de prontidão para fazer justiça. Eu só tenho que agradecer ao cientista.  Então, essas foram as últimas novidades aqui dessa baia.

Com muito carinho, eu te escrevo estas alegres letras.


Beijos de seu ratinho!

Mais Contos do Ratinho: Leia

segunda-feira, 8 de julho de 2019

Nota DEZ e Nota ZERO!


Nota 10 e Nota ZERO!


Nota 10

O nosso ministro Sérgio Moro foi responsável por mostrar ao povo que a justiça consegue alcançar até o mais poderoso corrupto de nossa nação. Ele, e muitos outros membros do Ministério Público, tiveram seus celulares invadidos e suas conversas foram adulteradas, divulgadas e usadas para tentar desmerecer a operação Lava Jato. O hacker não obteve êxito em provar conluio e o Ministério da Justiça ainda soltou nota sobre reportagem da Vesga, ops, Veja: "O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, não reconhece a autenticidade de supostas mensagens obtidas por meios criminosos e que podem ter sido adulteradas total ou parcialmente. Lamenta-se que a Revista Veja se recusou a encaminhar cópia das mensagens antes da publicação e tenha condicionado a apresentação das supostas mensagens à concessão de uma entrevista, o que é impróprio. De todo modo, alguns esclarecimentos objetivos: (LEIA AQUI)."  

Mesmo assim, mesmo sendo vítima de um criminoso, o ministro foi até a CCJ do Senado e da Câmara prestar esclarecimentos. Ele merece uma nota 10! Melhor, ele merece um dia para ser honrado!


Acompanhe o Claúdio Dantas no Twitter para outras informações sobre os erros do Verdevaldo, que sequer consegue acompanhar e ler um processo judicial e, também, do Pavão Misterioso que conseguiu invadir os celulares dos acusadores do Moro. O negócio por lá esquentou!



Nota ZERO

Deputados e senadores, que estão sendo investigados pela Lava Jato, aproveitaram a presença do ministro Sérgio Moro na CCJ para fazer seu circo. Ofenderam não somente ao ministro, mas a todo o cidadão de bem do Brasil. A indignação foi imensa. E eles estão alimentado a raiva do povo em relação ao Congresso. E toda ação tem uma reação proporcional!





ZERO para esse povo!   

domingo, 7 de julho de 2019

As redes sociais em uma guerra da informação


Redes sociais em uma guerra social!



É inquestionável que estamos vivendo em um ambiente no qual a informação passou a ser mais importante que o ouro em época de guerra. A informação tornou-se mais importante que qualquer outra coisa e, por isso, existe uma guerra para ver quem é que comanda, quem domina a informação.

Dentro deste contexto de guerra, coronel José Antônio Henrique Dinis[1] explica: “Na era da informação, em que se vive nos países mais desenvolvidos, a informação considera-se um “factor de produção”, aliada ao “capital” e ao “trabalho” da era industrial. No contexto de uma economia e uma sociedade baseada na inovação e no conhecimento, a informação tem um valor vital6.

A informação apresenta-se numa realidade, como fazendo parte das faces de uma mesma moeda. Numa das faces mostram-se as suas características de natureza competitiva, e na outra os aspectos que pode tomar quanto a aspectos de natureza conflitual, onde a segurança assume uma importância relevante.

A quantidade de “informação” e de “conhecimento” apresentam cada vez mais valor, no tipo de sociedade actual referida aos países mais desenvolvidos tecnologicamente. Nestes países, a “guerra de informação”, analisada em sentido lato7, afecta de uma forma geral todas as actividades centradas em rede8, desde o nível individual ou doméstico até ao nível transnacional, num contexto de internacionalização e globalização em que se vive.”

A guerra pelo controle da informação está tomada em diversas frentes, sendo que a grande mídia, aliada a muitos setores do judiciário brasileiro, está se esforçando para ter a hegemonia. Infelizmente, é notório o controle das redações, da grande maioria das revistas e jornais, por um grupo que almeja alcançar seus objetivos e que possui uma visão mais centrada à esquerda do espectro político. Eu fiz Comunicação Social, com bacharelado em Jornalismo, e vários de meus professores atestaram para esse fato. As redações estão tomadas por pessoas com afinidade mais à esquerda.

Marcelo Faria (ILISP) Nos programas que “formam opinião”, tudo o que temos é um grande chá das cinco com a mesma visão de mundo – de esquerda – discordando apenas do nível de intromissão que o estado e o politicamente correto devem ter na vida dos brasileiros, se muito alto ou “apenas” alto.

Esse cenário seria trágico se não fosse um contrapeso: as redes sociais. Por seu intermédio, a pessoa comum não apenas consegue se expressar e se fazer ouvir, mas, também, consegue se informar através de outras fontes que são ignoradas pela mídia tradicional. A informação não passa pela estrutura moldada das redações e consegue chegar pura ao usuário das redes sociais. Dessa forma, o poder de influência da mídia de massa se reduz. O usuário das redes sociais consegue perceber, através de outros usuários, que um determinado ponto de uma matéria é verdadeiro ou não. Daí o medo das redações que tentam dominar a comunicação, alegando que as redes sociais são dominadas por fake news. Elas mesmo são propagadoras de fake news.

Redes sociais

Então, é necessário que mais pessoas conheçam e se inscrevam em redes sociais para que esse contrapeso se torne mais eficiente e quebre a tentativa de adulterar uma narrativa em benefício de uma visão política mais à esquerda. Por isso, eu te convido a se inscrever em redes sociais e a seguir contas de outros usuários que tenham a credibilidade necessária para vencer o domínio das redações tradicionais (Veja, Folha, UOL, entre outras).

A rede que mais uso é o Twitter, pois é informação rápida e certeira. Inclusive, todos os políticos têm uma conta, fazendo com que você não precise da velha mídia para e manter devidamente informado. Então, aconselho a todos a se inscreverem em redes sociais para que possam conhecer a informação e ser, você mesmo, o condutor da informação pura e verdadeira.  



[1] Revista Militar, no site: <https://www.revistamilitar.pt/artigo/401>

Erraram, erraram e erraram!

Bolsonaro O presidente Jair possivelmente errou ao clocar Aras no comando da PGR. É como se colocasse um cão de guarda que fosse ...