Pular para o conteúdo principal

Sengoku Youko

Revisão: ChatGPT Sengoku Youko: Yonaoshi Kyoudai-hen (Sengoku Youko) - Pictures - MyAnimeList.net Sengoku Youko: Yonaoshi Kyoudai-hen é um animê que cativa com sua mistura de ação, fantasia e drama. Vamos explorar os aspectos positivos da série: 1. História e Premissa:    - O mundo de Sengoku Youko é dividido em duas facções: humanos e monstros chamados katawara. A protagonista, Tama, é uma katawara que ama os humanos e está disposta a protegê-los do mal, mesmo que isso signifique lutar contra os de sua própria espécie.    - Seu irmão, Jinka, tem uma visão oposta e nutre ódio pelos humanos, apesar de ser um deles. Essa dinâmica entre irmãos cria tensão e profundidade na narrativa.    - Quando o grupo descobre um plano para experimentar em humanos e transformá-los em monstros, eles se unem para enfrentar essa ameaça, mesmo que isso signifique enfrentar um exército inteiro de guerreiros. Sengoku Youko é um daqueles animes que engana, pois apresenta personagens de traços fofos e uma comé

Você vale algo?


Você vale algo? Versão atualizada!
* Por Patrick Raymundo de Moraes



Ele estava parado em um quarto quase vazio. Uma janela quebrada deixava entrar o vento e a chuva de uma noite infestada de gritos e inquietação. Ele estava inquieto. Um quarto barato, de um cortiço barato. Ele estava sentado em uma cadeira velha e barata. Ele estava rodeado de coisas baratas e baratas. Na mão, ele decidia se a vida era barata, ou se ela valia algo. Ela valia algo?

— Você vale algo? — ele pergunta para a moça deitada no chão, enquanto ela sangra, semiconsciente. Ela foi infeliz nesta noite. Um lance do destino. Era fim de turno no restaurante japonês, ela poderia ter ido embora para casa, mas resolveu atender uma última ligação. Ele pedira um “sashimi”. Ela queria mostrar serviço e responsabilidade. Ela queria valer algo aos olhos do chefe.

Além de anotar o pedido, ela se fez de entregadora. O motoqueiro que faz as entregas já havia ido embora. Um caso atípico de comportamento. Em uma cidade grande, o endereço não significa muita coisa. Pode-se ter um prédio luxuoso ao lado de um cortiço, por isso ela não prestou atenção ao endereço.

Ela chegou de lambreta. Ela comprou há dois meses a pequena condução e estava feliz por causa de seu primeiro bem adquirido. A lambreta tinha um grande valor sentimental para ela. ao olhar para o prédio, ela temeu. Foi como se seu instinto lhe avisasse sobre um perigo iminente, como uma presa que estava sendo observada por um predador, mas ela não podia voltar atrás.

Achou o apartamento. O homem parecia tranqüilo e pediu para ela entrar. Ela disse que não. Uma jovem pequena, cabelos longos, lisos e pretos. Ela possui uma origem asiática. A jovem japonesa entregou o pedido. Para seu susto, o homem a agarrou pelo pulso e a puxou para dentro. Ela imediatamente sacou de um pequeno estilete que estava no bolso da calça, mas não teve tempo de usar. Ele usou a coronha da arma para nocautear a pequena.

Com ela desmaiada, ele tranquilamente a deitou de costas e amarrou seus punhos. Depois, juntou seus cotovelos para os amarrar. Ele notou as costas frágeis da japonesa. Como ela era pequena. Em seguida, colocou seus tornozelos bem juntinhos e os amarrou com um nó bem apertado. Então, ele abraçou suas coxas com firmeza e  atou suas pernas na altura dos joelhos. Inconsciente, ela não resistiu. Suas pernas amolecidas, seus músculos fracos, formaram uma bela visão para o seu raptor. As cordas começaram a marcar sua pele sensível. Depois que se sentiu bem ao imobilizar a pequena jovem, ele sentou-se na mesa e começou a comer um prato chinês chamado de "pato à Shangai".

— Você vale algo? — a pergunta repetida faz com que a moça recobre os sentidos e volte ao presente. Ele tinha deixado o dinheiro do pedido no chão, ao lado dela. Ela estava assustada. — Sim, todos valemos algo! — ela diz com uma bravura em voz que não reflete o verdadeiro temor que ela sente em seu coração. Ele a olha com profunda tristeza.

— O que você vale? — ele pergunta. No braço direito há uma Eagle semi-automática de uso do exército. Embora a arma seja de uso restrito das Forças Armadas, ele nunca foi um soldado. A arma pertencia a um irmão já falecido em combate. Ele a engatilha e trava. Ela pensa no que responder, enquanto ele a observa.

— Eu vali sete meses de gravidez de minha mãe e dois meses de oração de minha família. Fui precoce e tive problemas de saúde. Quando fui atropelada, enquanto andava de bicicleta, eu vali as lágrimas de minha mãe e o tremor das mãos de meu falecido pai que me carregou até o hospital. Eu vali o desejo do primeiro beijo de meu namorado. Eu tenho o valor das preocupações deles e do amor que eles carregam por mim. — ela diz com as lágrimas nos olhos que escorriam. “Como essas palavras surgiram?”, ela pensa, sem saber como.

— Você vai me matar? — ela pergunta de forma tímida e medrosa.

— O quanto você vale para você? — ele volta a perguntar.

Ela fica muda por um instante. Ele levanta da cadeira e pega um copo de café. De súbito, acontece de novo e aquela bravura, que ela não sabe de onde vem, surge em seu coração e as palavras se formam como que sussurradas.

— Eu poderia continuar dizendo que me meço pelo valor que os outros dão à mim! Mas isso é errado! O meu real valor é que sou um indivíduo único e eu aprendi a me amar. O meu valor é o valor do amor que eu tenho por mim mesmo. Esse é o verdadeiro valor!

Novamente, ela não sabe de onde tais palavras saem. Elas saem de seu interior, com entusiasmo e força que ela nunca demonstrara antes. A força de um “eu” que ela não sabia que existia até então. É uma presa tentando enfrentar um predador. 

— Qual o meu valor? — ele aponta a arma para ela. Essa é a pergunta decisiva! Um erro seria a morte! Ela olha ao lado, procurando por inspiração que parece não vir. Repentinamente, ouve-se um tiro. Um raio corta o céu de uma cidade turbulenta. Gritos ecoam por toda a parte. Animais vasculham o lixo e o lixo se confunde com pessoas. A chuva parece não cessar. São muitos barulhos uníssonos, então, dessa forma, ninguém a ouviria gritar. Será que ela gritou? Não se sabe. Não se ouviu. 

— Eu não vou errar o próximo tiro! — ele diz.  O tiro atravessou a parede ao lado da cabeça. — Qual o meu valor? É tão difícil responder?

— É lógico que é, seu maníaco! — ela grita! — Eu não te conheço!

Ele aponta a arma para a cabeça dela. Puxa o gatilho. A misteriosa força de vontade volta com rapidez e domina a garota novamente.

— Valor? Não sou eu quem vai te dar um valor! O valor é o que você sente por si mesmo. No momento, ele está baixo! Daria para passar o seu valor por debaixo da porta!

Ele tenta atirar contra ela, mas a arma engasga. Algo trava o gatilho e ele não consegue atirar.

— A arma engasgou? Tenta entender que não é gerando expectativas, mas aceitando quem você é, é que vai fazer com que as coisas melhorem! — ela tenta continuar falando, mas ele avança contra ela. Ele coloca uma mordaça em sua linda boca e seus finos lábios se calam, após um gemido de medo.

Em seguida, ele ergue o punho contra ela. Ela se encolhe no canto, esperando o impacto do soco, entretanto, o impacto não acontece. Ela abre os olhos e vê, com a ajuda de um raio que ilumina o ambiente, seu falecido pai a segurar o agressor pelo peito. O agressor não consegue se mover. A imagem rapidamente some com a velocidade de um relâmpago.

Ela chora e sua mordaça se solta por um milagre. — Você vale a preocupação de meu pai, que desceu só para isso! Que está te impedindo de mover! Você vale a batida de seu coração! Você vale muito e se a vida não está sendo como você queria, siga as palavras que estão no Hagakure: “Enxergar o mundo como se fosse um sonho é um bom ponto de vista. Quando tem um pesadelo, você acorda e diz a si mesmo que era apenas um sonho. Dizem que o mundo em que vivemos não é muito diferente disso”. Amanhã, eu vou acordar e dizer que o dia de hoje foi apenas um pesadelo. Faça o mesmo e recomece!

A garota consegue se soltar de suas amarras como se elas não existissem, pois o espírito de seu pai a ajuda e, imediatamente, pega o dinheiro do pedido e se lança para fora do quarto. O rapaz chora e se põe de joelhos. A arma se desfaz em pequenas partes e ele consegue enxergar, através de outro raio, a figura de um ser paterno que protegeu a filha e outra figura que ele imediatamente reconhece: seu irmão que, agora, lhe sorri e lhe diz ao coração: “A vida está diante de ti, como a morte. Viva e sonhe novamente."! A garota, no dia seguinte, agradece aos seus ancestrais pela proteção e pelo amor. O rapaz continua sentado em seu apartamento barato, mas ele sabe que sua vida não é barata e ele, pela primeira vez, sorri. 

(Publicado na antologia “Palavras que falam”, Editora Scortecci, em 2006, e atualizado para 2020.)

Postagens mais visitadas deste blog

Ghost in the Shell

Máquinas vivas; Um fantasma surge; O homem virtual. Ghost in the Shell está mais próximo do que pensamos! 

Boushoku no Berserk

Berserk of Gluttony: Uma Série Que É Meu "Pecado"! Boushoku no Berserk (Berserk of Gluttony) - Pictures - MyAnimeList.net Fate é um jovem que acreditava ter uma habilidade inútil chamada "Gula", que o mantinha constantemente faminto. Ele era um vassalo em uma casa de cavaleiros sagrados, onde era tratado com desdém, nutrindo uma paixão secreta pela cavaleira Roxy Hart. Ela destaca-se como a única guerreira nobre em um mundo dominado por cavaleiros que abusam de seu poder para oprimir o povo. Quando Fate acidentalmente mata um ladrão enquanto ajuda Roxy, ele descobre que sua habilidade de "Gula" vai além do que parecia. Esse evento o faz perceber os aspectos positivos e negativos de seu "pecado". Comprometido a proteger Roxy, ele decide usar seu poder em prol da casa daquela que sempre o tratou com humanidade e respeito. Baseada em uma novel escrita por Ichika Isshiki , com arte de fame , "Berserk of Gluttony" é serializada desde 2017,

Ciclos de revolução: A Quarta Revolução!

Ciclos de Revolução: A Quarta Revolução Revisão: ChatGPT Estamos vivenciando a quarta revolução industrial/tecnológica, e muito tem sido discutido sobre os potenciais danos que esta revolução pode causar ao tecido social, incluindo desemprego e outras adversidades. Procuro refletir sobre o futuro com base no passado, observando no presente os mesmos receios que nossos antepassados enfrentaram nas três revoluções industriais anteriores. Começo com uma conversa que tive com uma taxista, para então discorrer sobre algumas das revoluções passadas. Durante uma parada em uma lanchonete que estava instalando terminais de autoatendimento no último ano, tive uma conversa: “Taxista: --- Estão instalando essas máquinas para substituir trabalho humano. Muitos caixas estão perdendo seus empregos. Isso é o capitalismo! Eu: --- Por outro lado, a tecnologia, ao eliminar um posto de trabalho (caixa de atendimento), cria outras necessidades. A lanchonete precisará de profissionais para manutenção de sof