Pular para o conteúdo principal

Covid War: Henry Ford Health System

Covid War- Estudo da Henry Ford Health System


Treatment with hydroxychloroquine, azithromycin, and combination in patients hospitalized with COVID-19 Samia Arshad, Paul Kilgore, Zohra S. Chaudhry, Gordon Jacobsen, Dee Dee Wang, Kylie Huitsing, Indira Brar, George J. Alangaden, Mayur S. Ramesh, John E. McKinnon, William O’Neill, Marcus Zervos, * Henry Ford COVID-19 Task Force



Quem está acompanhando a sequência de textos sobre a pandemia, que eu estou batizando como “Covid War”, já sabe que o vírus está tendo um uso político maciço, e que muitos já se curaram com o uso do coquetel com Hidroxicloroquina e Azitromicina como, por exemplo, um membro da família imperial brasileira, cujo vídeo eu inseri em matéria anterior, como testemunho do uso. Recentemente, Bolsonaro também testou positivo para a doença e começou a usar o coquetel que, até o presente momento, está funcionando. O presidente não apresenta complicações e nem mesmo febre. Nesse ponto, em um desespero, a mídia que tenta torcer pelo vírus, começou a lançar matérias implicando que o uso do coquetel seria meramente um “efeito placebo”. Efeito placebo é um mecanismo no qual o seu corpo produz anticorpos por achar que está tomando um remédio, sendo uma resposta unicamente mental/emocional.


Para o desespero da turma que torce pelo vírus saiu, esse mês, uma pesquisa do Henry Ford Health System (com sede em Detroit) com um estudo completo sobre o uso do coquetel. E sabem o que eles concluíram, com o estudo em 2.541 pacientes hospitalizados? O coquetel funciona! International Journal of Infectious Diseases (clique para ler aqui): “In this multi-hospital assessment, when controlling for COVID-19 risk factors, treatment with hydroxychloroquine alone and in combination with azithromycin was associated with reduction in COVID-19 associated mortality. Prospective trials are needed to examine this impact”. Pacientes internados já estão em um nível avançado da doença, pois, outro ponto negativo do isolamento é a resposta tardia do paciente em sair de casa para receber tratamento e, mesmo assim, segundo esse estudo, a taxa de mortalidade foi reduzida.


Os pacientes tratados, segundo a publicação do hospital, são todos maiores de 18 anos, e com idade média em 64 anos, sendo 51% homens e 56% afroamericanos. Os resultados são impressionantes e você pode acompanhar o estudo aqui1: “The Cox regression result for the two propensity matched groups (Table 4) indicates that treatment with hydroxychloroquine resulted in a mortality hazard ratio decrease of 51% (p = 0.009). The resulting Kaplan–Meier survival curves within the propensity matched setting displayed significantly better survival in the hydroxychloroquine treated group, with the enhanced survival persisting all the way out to 28 days from admission”. A redução da taxa de mortalidade do grupo que usou o coquetel foi de 51%. O coquetel funciona!




O Henry Ford Health System é um complexo hospitalar fundado em 1915 e conta com 6 hospitais e mais de 30 mil funcionários.

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: