Pular para o conteúdo principal

OP indica um canal sobre Azur Lane

**Yostar** Copidesque: ChatGPT 4o A Yostar é uma empresa japonesa conhecida por seu papel de destaque no desenvolvimento e publicação de jogos mobile, com grande foco na criação de experiências imersivas e envolventes. Fundada em 2014, a Yostar rapidamente se estabeleceu como uma das principais desenvolvedoras do gênero gacha, conquistando fãs ao redor do mundo. **Jogos de Sucesso** Entre seus lançamentos de maior sucesso estão *Azur Lane*, *Arknights* e *Blue Archive*. Cada um desses jogos apresenta uma combinação única de mecânicas de jogo, narrativas cativantes e visuais atraentes que têm capturado a imaginação dos jogadores. *Azur Lane*, por exemplo, transforma navios de guerra históricos em personagens anime chamadas shipgirls, que lutam contra inimigos em uma narrativa rica e complexa. *Arknights* é um jogo de defesa de torre com uma narrativa distópica e design de personagens únicos, enquanto *Blue Archive* oferece uma experiência de RPG escolar com uma trama envolvente e person

Bienal do Livro de Pernambuco

Bienal do Livro de Pernambuco- 2011


Literatura e Cidadania na Veneza Brasileira





Se tem uma cidade brasileira na qual eu ponho todo o meu respeito, esta cidade é Recife. A história do Brasil passou por Pernambuco, e por Salvador, e foi ali abençoada por tão gentil povo. É difícil iniciar um texto jornalístico tentando fugir da construção do “lide”, mas a paixão por esta terra me faz querer começar a matéria do avesso e permitir que este amor que sinto extrapole as palavras e tome vida. Tentarei me controlar e iniciar o texto propriamente dito. Pois, hoje, houve a coletiva de imprensa para o lançamento da VIII Bienal do Livro de Pernambuco, que acontecerá nos dias 23 de setembro a 02 de outubro, no Centro de Convenções de Pernambuco em Olinda.



O tema desta Bienal é Cidadania e Literatura, pois é difícil conceber um povo cidadão sem a benção da literatura. Um dos homenageados da Bienal, o escritor Ronaldo Correia Brito, relata que o saber precisa ser transmitido. Ele complementa que não sabe por qual meio, mas que vai ser transmitido vai. Ele lembra que, antigamente, o conhecimento era transmitido de forma oral, pelo que ele chamou de “homens-biblioteca” que discursavam sobre temas e histórias. Após essa era, o saber começou a ser transmitido pela escrita, concluindo, então, que o saber vai sempre existir e que, hoje, há um consumo da escrita. Rogério Robalinho, coordenador da Bienal, inicia seu discurso de abertura dizendo que a Bienal é a grande celebração de um produto nobre- o livro. O livro ainda é o principal suporte do conhecimento.



E no tema “Literatura e Cidadania”, a Bienal dá exemplo de cidadania promovendo a sustentabilidade com projetos de gestão de resíduos e premiação aos expositores mais sustentáveis. Mas não para por aí, pois Wellington Melo, coordenador de conteúdo, relata que a programação foi toda pensada neste eixo entre literatura e cidadania, com 6 espaços para debates (Círculo das Letras, Café Cultural, Círculo das Ideias e os Auditórios Beberibe, Brum e Ribeira)  Confiram a programação de cada espaço clicando aqui.



Ronaldo Correia Brito, muito bem humorado, diz que ser homenageado é algo positivo e agradável, embora ele não saiba ao certo o que um homenageado deve fazer. Eu digo que nós é que precisamos coroar a história e o amor pelos livros deste escritor. Segundo o site da Bienal,  “Publicou os livros de contos Retratos imorais (2010), editora Alfaguara, indicado pelo jornal O Globo na lista dos Dez Melhores Livros do Ano; Livro dos Homens (2005) e Faca (2003), pela Cosac&Naify; As Noites e os Dias (1997), editora Bagaço; e Crônicas para ler na escola (2011), editora Objetiva”.



O outro homenageado é Mauro Mota, cujo centenário de seu nascimento se comemora este ano, e “foi secretário, redator-chefe e diretor do Diario de Pernambuco. Colaborador literário do Correio da Manhã, do Diário de Notícias e do Jornal de Letras do Rio de Janeiro. Entre 1956 e 1971, foi diretor executivo do Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais. Diretor do Arquivo Público de Pernambuco entre 1973 e 1983. Membro do Seminário de Tropicologia da Universidade Federal de Pernambuco e da Fundação Joaquim Nabuco. Foi membro do Conselho Estadual de Cultura de Pernambuco e do Conselho Federal de Cultura”.



A festa será de intensa manifestação cultural, com debates, presença de diversos autores e em Recife. A mistura perfeita para um evento literário, isto é, livros, conhecimento e praia. Espera-se para este ano o mesmo volume de visitas do evento passado- 610 mil pessoas. Vamos também?

Postagens mais visitadas deste blog

Ghost in the Shell

Máquinas vivas; Um fantasma surge; O homem virtual. Ghost in the Shell está mais próximo do que pensamos! 

Boushoku no Berserk

Berserk of Gluttony: Uma Série Que É Meu "Pecado"! Boushoku no Berserk (Berserk of Gluttony) - Pictures - MyAnimeList.net Fate é um jovem que acreditava ter uma habilidade inútil chamada "Gula", que o mantinha constantemente faminto. Ele era um vassalo em uma casa de cavaleiros sagrados, onde era tratado com desdém, nutrindo uma paixão secreta pela cavaleira Roxy Hart. Ela destaca-se como a única guerreira nobre em um mundo dominado por cavaleiros que abusam de seu poder para oprimir o povo. Quando Fate acidentalmente mata um ladrão enquanto ajuda Roxy, ele descobre que sua habilidade de "Gula" vai além do que parecia. Esse evento o faz perceber os aspectos positivos e negativos de seu "pecado". Comprometido a proteger Roxy, ele decide usar seu poder em prol da casa daquela que sempre o tratou com humanidade e respeito. Baseada em uma novel escrita por Ichika Isshiki , com arte de fame , "Berserk of Gluttony" é serializada desde 2017,

Ciclos de revolução: A Quarta Revolução!

Ciclos de Revolução: A Quarta Revolução Revisão: ChatGPT Estamos vivenciando a quarta revolução industrial/tecnológica, e muito tem sido discutido sobre os potenciais danos que esta revolução pode causar ao tecido social, incluindo desemprego e outras adversidades. Procuro refletir sobre o futuro com base no passado, observando no presente os mesmos receios que nossos antepassados enfrentaram nas três revoluções industriais anteriores. Começo com uma conversa que tive com uma taxista, para então discorrer sobre algumas das revoluções passadas. Durante uma parada em uma lanchonete que estava instalando terminais de autoatendimento no último ano, tive uma conversa: “Taxista: --- Estão instalando essas máquinas para substituir trabalho humano. Muitos caixas estão perdendo seus empregos. Isso é o capitalismo! Eu: --- Por outro lado, a tecnologia, ao eliminar um posto de trabalho (caixa de atendimento), cria outras necessidades. A lanchonete precisará de profissionais para manutenção de sof