Pular para o conteúdo principal

OP indica um canal sobre Azur Lane

**Yostar** Copidesque: ChatGPT 4o A Yostar é uma empresa japonesa conhecida por seu papel de destaque no desenvolvimento e publicação de jogos mobile, com grande foco na criação de experiências imersivas e envolventes. Fundada em 2014, a Yostar rapidamente se estabeleceu como uma das principais desenvolvedoras do gênero gacha, conquistando fãs ao redor do mundo. **Jogos de Sucesso** Entre seus lançamentos de maior sucesso estão *Azur Lane*, *Arknights* e *Blue Archive*. Cada um desses jogos apresenta uma combinação única de mecânicas de jogo, narrativas cativantes e visuais atraentes que têm capturado a imaginação dos jogadores. *Azur Lane*, por exemplo, transforma navios de guerra históricos em personagens anime chamadas shipgirls, que lutam contra inimigos em uma narrativa rica e complexa. *Arknights* é um jogo de defesa de torre com uma narrativa distópica e design de personagens únicos, enquanto *Blue Archive* oferece uma experiência de RPG escolar com uma trama envolvente e person

Shiki Oriori


Shiki Oriori- O Sabor da Juventude



Este trabalho é uma antologia que une três diretores diferentes: Haoling Li ("Shanghai Koi"), Jiaoshou Yi Xiaoxing ("Hidamari no Chōshoku") e Yoshitaka Takeuchi ("Chiisana Fashion Show"), sob a tutela do estúdio CoMix Wave Films. Haoling Li também exerceu o cargo de diretor chefe, isto é, ele coordenou o trabalho como um todo. Apesar do crédito no pôster com referência ao mestre Shinkai- “Do Criador de Your Name”- as únicas ligações do mestre Makoto com a obra em questão são o estúdio no qual ele desenvolve suas obras (CoMix Wave Films) e Yoshitaka Takeuchi que é chefe de CGI da maioria dos filmes do diretor. Nada mais. Colocá-lo no pôster e fazer chamada como se ele possuísse responsabilidade sobre o enredo é de uma enganação revoltante.  A Netflix está sendo decepcionante desde aquele Death Note nojento.




Sobre o trabalho em si, ele é de uma boa profundidade autoral e nos deixa com diversos caminhos para uma análise. Há quem o analise pelo aspecto do crescimento dos personagens, ou pelo seu aspecto familiar, mas eu quero analisar por outro ângulo, para tentar aproximá-lo mais das verdadeiras obras do mestre Makoto Shinkai. Nas obras do mestre Makoto, nós somos sempre engolidos por uma sensação de solidão, pela ausência justificada do próximo, pela força dos elementos da natureza. Por encontros e muitas despedidas. “O Jardim das palavras” e “Your Name” são grandes exemplos destes detalhes narrativos que impressionam nos enredos do Shinkai. A chuva que engole dois personagens em um parque, enquanto eles parecem não se comunicar, enquanto seus sentimentos se desenvolvem em uma falsa ausência de comunicabilidade. Falsa, sim, pois a comunicação não verbal ocorre a todo momento no estilo detalhista do diretor. Como em uma olhada rápida, de um jovem, no contorno delicado de um pé de donzela que me lembrou imediatamente o livro “A Pata da Gazela” de José de Alencar. As obras de Makoto Shinkai também são profundas no quesito de encontros e desencontros e, muitas vezes, a depressão da despedida fala mais alto do que a alegria de um reencontro, à exceção de “Your Name” que, ao quebrar este paradigma o reforçou nas demais obras do autor.

Shiki Oriori se aproxima destas questões: encontros e despedidas, solidão e introspecção. São homenagens a estes elementos sempre encontrados nas obras do diretor japonês. As três histórias estão reunidas em torno de um sentimento de separação, de despedida. Elas contam como a ausência pode alterar um destino e como nossas vidas estão repletas de despedidas indesejadas. Mesmo na história do meio, sobre a modelo, que pode parecer negar esta abordagem crítica, ela possui suas despedidas e seus desencontros e reforça o sentimento de solidão, de estar sozinho(a) sem um(a) companheiro(a). Todas as três obras abordam a solidão e se interlaçam em uma cena pós-crédito.

E, como toda a homenagem, esta antologia não supera o sentimento original que as obras do Makoto forçam em nossas almas. Eu brinco dizendo que o mestre Makoto gosta de agarrar nossos corações com as mãos e apertar bem forte com as palavras e cenas de seus enredos. Shiki Oriori tenta copiar este estilo e, apesar de ter profundidade, não alcança a força das mãos do Shinkai.

É uma obra consistente? Sim, mas é também uma tentativa de homenagear a obra do diretor de “Your Name” e, infelizmente, sem ter o mesmo sucesso da adaptação de elementos do enredo do Shinkai. Vale assistir? Sim, pois possui uma estrutura consistente, uma animação de ótima qualidade e três histórias interessantes e bem contadas.

Mais sobre a obra no link abaixo:

https://www.animenewsnetwork.com/encyclopedia/anime.php?id=21127

Vale um 3,75 estrelas como homenagem do trabalho do diretor Shinkai e 4 estrelas se não considerarmos este fator!  



Postagens mais visitadas deste blog

Ghost in the Shell

Máquinas vivas; Um fantasma surge; O homem virtual. Ghost in the Shell está mais próximo do que pensamos! 

Boushoku no Berserk

Berserk of Gluttony: Uma Série Que É Meu "Pecado"! Boushoku no Berserk (Berserk of Gluttony) - Pictures - MyAnimeList.net Fate é um jovem que acreditava ter uma habilidade inútil chamada "Gula", que o mantinha constantemente faminto. Ele era um vassalo em uma casa de cavaleiros sagrados, onde era tratado com desdém, nutrindo uma paixão secreta pela cavaleira Roxy Hart. Ela destaca-se como a única guerreira nobre em um mundo dominado por cavaleiros que abusam de seu poder para oprimir o povo. Quando Fate acidentalmente mata um ladrão enquanto ajuda Roxy, ele descobre que sua habilidade de "Gula" vai além do que parecia. Esse evento o faz perceber os aspectos positivos e negativos de seu "pecado". Comprometido a proteger Roxy, ele decide usar seu poder em prol da casa daquela que sempre o tratou com humanidade e respeito. Baseada em uma novel escrita por Ichika Isshiki , com arte de fame , "Berserk of Gluttony" é serializada desde 2017,

Ciclos de revolução: A Quarta Revolução!

Ciclos de Revolução: A Quarta Revolução Revisão: ChatGPT Estamos vivenciando a quarta revolução industrial/tecnológica, e muito tem sido discutido sobre os potenciais danos que esta revolução pode causar ao tecido social, incluindo desemprego e outras adversidades. Procuro refletir sobre o futuro com base no passado, observando no presente os mesmos receios que nossos antepassados enfrentaram nas três revoluções industriais anteriores. Começo com uma conversa que tive com uma taxista, para então discorrer sobre algumas das revoluções passadas. Durante uma parada em uma lanchonete que estava instalando terminais de autoatendimento no último ano, tive uma conversa: “Taxista: --- Estão instalando essas máquinas para substituir trabalho humano. Muitos caixas estão perdendo seus empregos. Isso é o capitalismo! Eu: --- Por outro lado, a tecnologia, ao eliminar um posto de trabalho (caixa de atendimento), cria outras necessidades. A lanchonete precisará de profissionais para manutenção de sof