Pular para o conteúdo principal

Nota DEZ e Nota ZERO II


Nota DEZ e Nota ZERO

Nota ZERO


Music Girls episódio 6



Estava acompanhando a série Music Girls, via Crunchyroll, quando os personagens dialogaram mostrando que não se sentiam confortáveis com o próprio gênero. Um velho que sentia que tinha uma garota de 17 anos no seu interior, ou uma garota que sentia que tinha um garoto de dez anos dentro de si. Este discurso é um reforço da ideologia de gênero que, por sua vez, tenta normalizar a disforia de gênero[1] que é um distúrbio que merece tratamento adequado. Resolvi abandonar a série e dar um belo ZERO a ela pelo reforço a esta ideologia que deve ser combatida.


Episódio 6







Nota DEZ



Hanebado ganha outro 10 pelos efeitos sonoros da série. No episódio 7, fomos levados a assistir ao combate da personagem principal contra uma de suas adversárias. Uma animação impecável, um roteiro muito bem construído, diálogos intensos e um confronto magnífico que me fez crer que a personagem principal deverá receber algum tratamento contra psicose em breve (rs). E, dentro deste episódio, com grandes qualidades técnicas e artísticas, sobressaiu na minha avaliação o técnico de som e os efeitos sonoros. O embate poderoso das duas jogadoras só foi possível graças ao trabalho do diretor de som. Cada raquetada teve um som poderoso, quase como se fossem espadas, trovões ou chicotes a golpear. A intensidade do som promoveu a intensidade da batalha destas duas grandes jogadoras. É impressionante como este estúdio está entregando um espetáculo a cada semana. Nota DEZ para o diretor de som e DEZ para o conjunto da obra!  Vídeo abaixo meramente ilustrativo.







[1] Tua Saúde: <https://www.tuasaude.com/disforia-de-genero/>

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: