Pular para o conteúdo principal

Guarulhos!

Na madrugada do dia 13 de novembro, eu recebi um SMS da empresa aérea informando lamentar o cancelamento de meu voo. Eu iria de Porto Alegre a São Paulo via Congonhas. Fui um dos prejudicados pela “brincadeira” do drone, que atrapalhou o cotidiano do aeroporto. Por causa desta "brincadeira", resolvi alterar meu trajeto para Guarulhos e resolvi, também, pesquisar sobre o aeroporto e o nível de satisfação dos usuários.

Guarulhos, Viracopos, Natal e Brasília foram alguns dos aeroportos privatizados a partir de 2012. Segundo o que li[1], houve um aumento no valor do que foi investido para melhorar a estrutura do aeroporto. Guarulhos passou de 79 vagas destinadas a aviões, para 123. Também aumentou o número de pontes para embarque, de 25 para 45. A empresa que gerencia o aeroporto já investiu R$4 bilhões, aumentando sua capacidade para receber mais de 50 milhões de passageiros. Aponta-se que o investimento privado possui maior capacidade de giro e, por isso, é mais rápido que o investimento das concessões ainda em posse do Estado.





No ranking de satisfação dos clientes, os aeroportos privatizados apresentam-se no TOP 15, sendo que Guarulhos está na décima posição. Clientes estão satisfeitos, em Guarulhos, com os seguintes itens[2]: facilidade de desembarque no meio-fio, tempo de fila na inspeção, sinalização, disponibilidade das informações nos painéis, tomadas, wi-fi, sanitários, assentos na sala de embarque, sensação de segurança nas áreas públicas, limpeza, conforto térmico, conforto acústico.




Resultado Financeiro

As empresas que controlam Guarulhos, principalmente a Invepar, têm registrado prejuízo, referente à administração do aeroporto este ano, devido a alguns fatores. O primeiro é a tentativa de antecipar o pagamento da outorga[3] fixa de 2018, em 450 milhões, para, deste modo, ter apenas um resíduo a ser pago. As empresas também estão investindo na construção de terminais e melhorias. Isso impacta da contabilidade geral, como já apresentei acima. A retração econômica é outro fator importante.

Com isso, a Invepar analisa que Guarulhos é uma atividade recente, em crescimento, isto é, como é um investimento novo, vai precisar de tempo para amadurecer. Apesar disso, a Invepar possui fôlego contábil, pois fechou o ano de 2016 com lucro de mais de 400 milhões, ou seja, ela tem como manter a atividade.

E, diferente do que acontece com os aeroportos controlados pela Infraero, um eventual prejuízo não impacta diretamente nas contas da União, ou seja, nós não pagamos, com nossos impostos, um eventual prejuízo. E falando nisso... 

Infraero

Com menos aeroportos para administrar, a Infraero[4] conseguiu otimizar seus esforços e se beneficiou da livre concorrência, ficando com 8 aeroportos no ranking acima. A concorrência livre, com mercado competitivo, e menos poder nas mãos do Estado, foram elementos que fizeram a empresa se beneficiar pelo simples fato de não ter o controle total em suas mãos. O comércio, quanto mais livre, melhor opera em benefício do cliente.

Infelizmente, ainda não é o suficiente, pois dos 59 aeroportos controlados por ela, apenas 23 deram lucro e a empresa ficou com prejuízo líquido de R$276 milhões no primeiro semestre deste ano. O que tem salvo a empresa são os aportes do Tesouro Nacional[5], ou seja, a empresa depende do governo e desequilibra as finanças públicas, fazendo urgir a necessidade de se privatizar mais aeroportos.

E isso é bom, porque ao se privatizar mais aeroportos, o resultado das privatizações pode ser usado para cobrir o prejuízo e realizar investimentos nos aeroportos que ainda ficarem sob o domínio do estado e, claro, aliviar o bolso do governo e os nossos pescoços.



E sobre Guarulhos, acredito que eu vá usá-lo com maior frequência ao necessitar embarcar com destino a São Paulo e de lá retornar.






[1] Todos a Bordo, lido em 13/11/2017 no link:
https://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2017/08/31/aeroporto-privatizacao-concessao-guarulhos-confins-galeao-brasilia/
[2] Guarulhos Hoje, acessado em 13/11/2017 no link:
https://www.guarulhoshoje.com.br/2017/05/12/aeroporto-de-guarulhos-e-10o-em-satisfacao-do-cliente-diz-secretaria/
[3] Valor Econômico, visto em 20/11/2017 no link:
http://www.valor.com.br/empresas/5069786/guarulhos-tenta-repactuar-pagamento-de-outorga
[4] Infraero lido em 13/11/2017 no link: http://www4.infraero.gov.br/imprensa/noticias/aeroportos-da-infraero-superam-a-meta-de-satisfacao-dos-passageiros/
[5] Valor, lido em 13/11/2017 no link: http://www.valor.com.br/empresas/5074596/infraero-fica-no-prejuizo-em-2017

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: