Pular para o conteúdo principal

O problema da ocidentalização!

O problema da ocidentalização



O filme Death Note (2017), lançado pela Netflix, foi um fracasso. O ódio do público permitiu que o filme ficasse no TT do Twitter por quase um dia inteiro, na data de seu lançamento.  A culpa disso se resume a esta maldita palavra: ocidentalização. No meio cinematográfico, esta palavra tem um sentido parecido com o que está no dicionário. No dicionário (leia) é “um processo  através do qual sociedades não-ocidentais recaem sob a influência da cultura ocidental em questões tais como indústria, tecnologia, lei, política, economia, estilo de vida, dieta, língua, alfabeto, religião ou valores ocidentais”. Para os cineastas, é um processo pelo qual um produto asiático deve passar para entrar em acordo com padrões e normas ocidentais.


Ocidentalização

Alguns cineastas acreditam que, se uma história não passar por este processo de ocidentalização, a obra não terá empatia do público e o mesmo não entenderá as nuances da narrativa e sua problemática. Esta forma de pensar odiosa criou Dragon Ball Evolution, Ghost In The Shell e, mais recentemente, Death Note (2017). O primeiro equívoco, do processo de ocidentalização, é acreditar que não haveria empatia do público ocidental por um Light Yagami japonês, ou uma Motoko Kusanagi japonesa. E eles estão enganados! Não existe um motivo para transformar a nacionalidade/raça/gênero/idade de personagens. Eles também afirmam, com isso, que os EUA não possuem uma qualificada equipe de atores asiáticos, que pudesse representar estes personagens. Estão errados! Quantos atores asiáticos existem nos EUA e que poderiam interpretar um Light melhor que este ator? Vários! E o público possui empatia por eles.


Roteiro- White Washing


A empatia do público não depende de nacionalidade, mas da qualidade do roteiro. E o roteiro deste Death Note foi horrível do começo ao fim. E por qual razão não contrataram, ao menos, atores asiáticos para o papel? A explicação está em outro termo horrível, que está explicado na manchete abaixo.


Whitewashing em Ghost in The Shell (leia)

Este processo acima pode ser equiparado ao preconceito de raça. Que eu, como ocidental sul-americano, vou gostar mais de um filme se transformarem um personagem tipicamente asiático em um ocidental. É um processo tão maligno quanto o nazismo, ao defender a raça ariana como predominante. Que o público gostará mais do filme se ele for estrelado por um branco quando, na verdade, o papel pede um ator asiático. É quase um discurso nazista da supremacia de raças. Asqueroso! E ainda tentaram desviar um pouco, ao colocar um L negro, mas o conceito se aplica integralmente. 


O Roteiro- Adaptação

O roteiro ainda errou ao não se preocupar nem mesmo com a construção interna dos personagens. Eu não posso pegar duas fatias de pão, colocar queijo, carne, alface e maionese e chamar isso de SUSHI! Da mesma forma, eu não posso pegar um personagem EMO, fútil e banal e chama-lo de Light. Se o personagem é o Light Yagami de Death Note, ao menos, ele tinha que ser um frio e calculista estrategista, que antecipa todos os passos de seus adversários como um mestre do xadrez faria. Um cara com estilo, que é respeitado por todos. Se queriam apenas se basear minimamente em DN, não usassem os personagens que amamos tanto. Que usassem unicamente o caderno, em uma história original, com personagens originais.


Tem tantas falhas, que deixo um vídeo aqui, pois não tem como escrever sem xingar essa coisa. Assistam. 







Enfim, se eu fosse um produtor e o diretor convidado viesse dizer que o roteiro precisa de ocidentalização, eu chutaria o cara para fora do projeto e de forma forte para ele nunca mais voltar! A ocidentalização, muitas vezes, serve apenas para ridicularizar o público, a história e os autores originais. Quem o faz, na verdade, nunca entendeu a obra original.

O melhor mesmo é rir para não chorar, então, aqui vai uma ocidentalização à baiana!






DEATH NOTE 2017 É UM FRACASSO PIOR QUE DB EVOLUTION !






Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: