Pular para o conteúdo principal

Meme: My People!

Aqui eu estou me zoando! A Yena com Y seria como um Raymundo com Y? Fica a questão! KKKK




A personagem hiena, a Yena, foi bem apresentada em seu capítulo de estreia e não vi nenhum tipo de lacração. Foi tudo bem explicadinho e com um ótimo humor. Entretanto, o capítulo dessa semana parece que foi escrito por outra pessoa, ou o autor cedeu um pouquinho ao pessoal da lacração, então, para aqueles que não viram o capítulo de estreia da Yena, eu venho a informar aqui: hienas fêmeas não têm p!nto mas, sim, um cl!tóris maior que o pênis do macho.

National Geographic[1]: “De facto, é tão único que, durante séculos, assumiu-se que as quatro espécies (malhada, parda, raiada e o protelo) eram hermafroditas porque ambos os parceiros no acasalamento pareciam ter pénis. O pressuposto era que mudariam de género de acordo com a necessidade.
Na verdade, a fêmea da hiena-malhada, ao contrário de qualquer outro mamífero, tem um clítoris maior do que o pénis do macho. “O clítoris é extremamente alongado para formar o pseudo-pénis totalmente eréctil através do qual urinam, copulam e dão à luz”, explica a investigadora Kay Holekamp. É o único mamífero fêmea que não tem abertura vaginal externa.”.

Já a personagem Yena, por ter crescido acreditando que era um macho, sofre de um distúrbio chamado Disforia de Gênero. O médico George R. Brown explica[2]: “Disforia de gênero caracteriza-se por identificação forte e persistente com o gênero oposto associada a ansiedade, depressão, irritabilidade e muitas vezes a um desejo de viver como um gênero diferente do sexo do nascimento.”.  


[1] Leia: <https://nationalgeographic.sapo.pt/natureza/actualidade/1461-orgaos-sexuais-das-hienas-uma-questao-de-tamanho>
[2] Leia: <https://www.msdmanuals.com/pt-pt/profissional/transtornos-psiqui%C3%A1tricos/sexualidade,-disforia-de-g%C3%AAnero-e-parafilias/disforia-de-g%C3%AAnero-e-transexualismo>

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: