Pular para o conteúdo principal

Autores, pesquisem!


Pesquisem! Autores, pesquisem!



Estou percebendo um erro recorrente nos autores japoneses. Coisa que me espanta. Nessa temporada, já percebi dois deles que não estão pesquisando para escrever. A pesquisa é essencial para se desenvolver uma história, pois insere no enredo a credibilidade necessária. Vou começar com um exemplo de uma série passada. Em “Monster Musume”, o autor pesquisou brevemente sobre os animais e inseriu, nas suas personagens, características próprias de suas metades animalescas. Dessa forma, com uma pesquisa breve, o autor justificou porque Miia (uma Lamia, ou seja, uma garota-serpente) seria tão ruim como cozinheira, pois seu paladar, como carnívora, seria menos sensível que o paladar de um herbívoro, ou de um onívoro. Foi um golpe de mestre que trouxe ao enredo um brilho próprio e trouxe profundidade aos personagens ao apresentar características únicas a elas. 

Retornando para essa temporada, as duas séries em questão são: “High School Prodigies Have It Easy Even In Another World”, que já foi alvo de crítica nesse blog, pois o autor não sabe o que é uma revolução e nem sabe o que é uma religião e, mesmo assim, tentou abordar os dois temas criando um vexame. O vexame dessa temporada até o momento. E  Didn't I say to make my abilities average in the next life”, no episódio dessa semana, tentou abordar 4 temas, sendo bem-sucedido em apenas um. Apesar dessa crítica, continuo assistindo a essa série.

Na questão dos militares, a conduta militar impede qualquer ação de um batalhão sem a autorização de um superior. Um militar que age sem a autorização de um superior é imediatamente punido, ou torna-se um mercenário. Se houve autorização de um superior, aí entramos na questão de política e seria um ato de guerra que colocaria os dois reinos em rota de colisão. Os militares nunca agiriam sem que lhes fosse determinada uma missão. Se o fazem, não são militares, mas mercenários. O que as garotas enfrentaram foi um grupo de mercenários, e não de militares. Todo mercenário é um militar, mas nem todo militar é um mercenário.

O enredo tocou nesses assuntos, mas não aprofundou. Ficou ruim. Faltou pesquisa. Foi um ato amparado por um superior? Então é guerra! Foi um ato isolado? Então, não são militares, mas mercenários. E militares não atacam inocentes e nem civis, a menos que seja ordem direta de um superior e, ainda assim, existe um código de ética militar e tratados militares internacionais, que impedem qualquer exagero em tempos de guerra e paz.  Então, se o autor tivesse pesquisado um pouquinho, ele teria revisto alguns pontos da história. Ficou péssimo! Horrível!

Outra questão que foi abordada muito mal foi a questão do ódio. A personagem principal reagiu melhor quando falaram de seus seios pequenos, do que quando a sua amiga explicou seu ódio por ter tido duas famílias mortas por criminosos. Não perdeu apenas uma família, mas DUAS. A personagem principal caiu naquela questão que mencionei no blog, sobre personagens que não reagem adequadamente ao que acontece ao seu redor. Ela passou um sinal de mesquinhez com essa reação fraca à dor da sua amiga. A personagem principal tornou-se egoísta e fria, pois seu ego ficou acima dos valores como amizade e família. Para ela, ter seios pequenos é mais grave do que duas famílias terem sido exterminadas.

Devo salientar um ponto positivo aqui. Na cena da conversa, já no final do capítulo, o diretor mostrou uma chama diminuindo de tamanho. Interpretei como o fogo do ódio da personagem. Sabendo que o ódio é um sentimento que não se desfaz apenas com uma conversa de uma noite, sendo um fogo que não se extingue, devo confessar que o diretor acertou. Isso ficou bom. O ódio é uma chama que deseja consumir o seu alvo e permanece ativa até conseguir seu objetivo. Ao mostrar esse fogo no interior do personagem, dessa forma, o enredo meio que se salvou, porém, o mesmo enredo, ao mostrar a personagem sofrida mudando sua posição, no capítulo seguinte, ficou muito ruim, pois não respeitou a dor do passado dela.

Enfim, faltou pesquisar sobre os militares, sobre política e sobre o ódio e não teria escrito coisas tão ruins e superficiais A única questão bem apresentada foi a questão do avô covarde que, pensando na neta, se escondeu no mato e não ajudou seus companheiros, enquanto eles eram mortos. A covardia o fez sobreviver. Apesar de tosco, é a primeira vez que vejo algum autor abordar a covardia como algo bom. Vivemos mesmo em tempos de covardes?  Na Bíblia está escrito que os mansos herdarão a Terra. Por dois motivos: eles não entram em confusão e, covardes, se escondem quando é preciso.

Apesar dessas derrapagens, ainda não abandonei a série, pois ela ainda consegue me fazer rir. E eu gosto bastante da abertura. Como uma comédia, ainda consegue ser boa, mas caiu muito em meu conceito. 

Então, autores, pesquisem! Não criem nada sem uma devida pesquisa sobre o tema e não deixem nenhuma abordagem de maneira superficial, ou isso vai ser interpretado como falha de roteiro.  

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: