Pular para o conteúdo principal

Jornalismo está morto!


Jornalismo possui um conjunto de técnicas com as quais o profissional aprende a manusear a informação, garantindo a transmissão da mesma através dos meios. A perfeita comunicação usa ferramentas que evitam ruídos/interferências que impeçam a boa absorção da informação pelo receptor. Em síntese, jornalismo é o estudo que permite que um receptor (jornalista/repórter) interaja com o receptor (público) para informa-lo sobre algo, através dos meios necessários (rádio, televisão, internet) e usando das melhores técnicas para isso. Basicamente, “O jornalismo[1] é uma atividade cujo principal objetivo é dar informação ao povo. O jornalista é aquele que exerce essa profissão através de diversos meios de comunicação: imprensa, rádio e televisão”.

A natureza do jornalismo é amoral (não possui em si mesma, em sua atividade, a representação da moral), apartidária (não deveria tomar partido) e neutra. Esta natureza tem como fundamento o princípio da neutralidade científica, no qual o jornalista, assim como o cientista, deve se colocar neutro de valores para assumir a tarefa de interpretar a realidade e transmiti-la sem preconceitos.

Infelizmente, não é isto que se vê hoje em dia. Ao que parece, e faço aqui esta crítica, o jornalismo não está mais preocupado em transmitir uma realidade, mas construir uma realidade através de sua narrativa e domínio dos fatos. Como o profissional é um ser imperfeito, cheio de paixões e com um vasto conhecimento vivido e experimentado, é impossível que ele não coloque seus valores, seu olhar, sob um determinado fato, sem colocar nele seu próprio conhecimento adquirido. O jornalismo presencia em suas fileiras o mito da neutralidade científica, com profissionais dedicados em alterar o meio através de sua mensagem.

Como exemplo, vemos aqui uma manipulação grosseira que virou piada. Um jornalista parece enfrentar a fúria dos ventos para levar informação para o público, que está seguro em suas casas. Infelizmente, faltou combinar com dois transeuntes que passavam tranquilamente atrás do profissional. Profissional este que virou motivo de deboche. Ele tentou criar, aumentar, uma realidade que não existia, através da manipulação de sua narrativa.





E isso é o que mais se vê hoje. Dependendo da afinidade do jornalista, teremos diferentes tipos de resultados de um mesmo evento. Se o repórter quiser que um evento fracassado, de apenas 200 pessoas, pareça maior do que é, basta usar ângulos fechados de imagem. A farsa aparece quando as mesmas 200 pessoas são fotografadas em um ângulo mais aberto, que evidencie quão reduzido é o número de participantes frente ao local no qual elas estão inseridas.


A afinidade do jornalista interfere em muito no resultado da matéria a ser transmitida. Ou ele arrebenta com o objeto da matéria, ou ele tenta salvar o objeto da matéria. E, então, aparece a questão da ideologia política. Todos os brasileiros parecem ter notado que os meios de comunicação tradicionais são fortes atrativos para um jornalismo vermelho, que adora um socialismo. E, portanto, vemos com frequência grandes jornais a defender políticos que estão afinados com suas bases ideológicas. Como mostra o vídeo do Danilo, até um soco pode virar um “leve empurrão” dependendo de quem agrediu.




Veja que nem a mídia cultural, de entretenimento, consegue se salvar disso.






Conclusão

E o jornalismo atual parece ter se reduzido a isso: uma tentativa de construção da realidade através do discurso midiático e da narrativa. Ainda bem que o monopólio da comunicação não está mais nas mãos da grande mídia. Um cidadão com uma câmera na mão, no lugar certo, já consegue desmascarar a tentativa de adulterar uma informação para prejudicar/beneficiar alguém. A tecnologia, ainda bem, transformou o povo, até então uma massa sem rosto, em um ser capaz de externar seus sentimentos e perceber a intenção . O povo, agora, possui olhos, ouvidos e não se deixa enganar pelos meios de comunicação tradicionais.






[1] Conceitos: < https://conceitos.com/jornalismo/>

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: