Pular para o conteúdo principal

Antologia do Pequeno Rato

 Não é um exemplo de literatura gótica, apesar de ter animais fantásticos que falam, mas possui o sofrimento da alma da literatura gótica. É um clamor sofrido de um pequeno ser que está preso em um ambiente de experimentos e só tem no seu cientista o seu observador e, quem sabe, seu salvador. É uma metáfora para os sentimentos de traição, perda e dor de ser agredido e não ter a força necessária para reagir. Tudo isso é gótico. 

Cells at work, construa o muro!



Estou assistindo “Cells at Work” e relembrando minhas aulas de histologia, citologia e embriologia. Em um determinado momento, assistindo ao episódio 3, tive uma iluminação para explicar uma coisa interessante. Na série, o nosso corpo é representado como uma cidade. Ele possui estruturas e habitantes (células) que trabalham para o bem do organismo (cidade). Dentro do pequeno ecossistema orgânico, estando tudo em equilíbrio, a cidade e seus habitantes prosperam. Prosperidade garantida pelas células de defesa e isso nos ensina, também, como a proteção de fronteiras é importante!

Em determinados momentos, como em um corte de pele (o primeiro muro que impede a invasão), o ecossistema pode ser invadido por germes, vírus, ou bactérias, que tirarão o equilíbrio do sistema e poderão levar o corpo à morte. O site Biomania[1] detalha os eventos que ocorrem no corpo quando  mesmo é invadido:


“Um agente invasor, ao entrar no organismo, gera um mecanismo de defesa, a resposta imune. As substâncias invasoras são detectadas pelos macrófagos, que irão atuar em sua digestão parcial e na comunicação aos demais componentes do sistema imune da invasão sofrida, para que essas substâncias sejam totalmente destruídas e eliminadas. Após a atuação dos macrófagos, os linfócitos T auxiliadores entram em ação, ligando-se aos antígenos invasores.

Este processo estimula a produção, pelos leucócitos, de compostos denominados interleucinas, que atuarão na ativação e estímulo para a produção de mais linfócitos T auxiliadores.

Estes novos linfócitos intensificarão o combate aos antígenos e liberarão outros tipos de interleucinas, que estimularão a produção de linfócitos T matadores e linfócitos B. Depois de estimulados, estes linfócitos se multiplicam até que os antígenos sejam desativados e eliminados.

Parte dos linfócitos produzidos é armazenada, estes são um tipo de linfócito especial, denominados de células de memória. Estas guardam durante anos, ou pelo resto da vida, a capacidade de reconhecer agentes infecciosos com os quais o organismo já se deparou. Havendo um novo ataque por agentes conhecidos, as células de memória são estimuladas a se reproduzir, dando início ao processo de defesa do organismo, em um curto intervalo de tempo.”



Você pode ter uma noção visual, do texto acima, através do trabalho excelente desta série chamada "Cells At Work". Veja abaixo. Precisei pegar um vídeo de "react", pois estes tem certa proteção contra flags. Assistam a série, oficialmente, via Crunchyroll!E ainda com direito a homenagem à Jojo Bizarre Adventure! 😊







E qual a ligação disto com o título? Construa o muro? Simplesmente porque a série nos deixa cientes do perigo de uma invasão e como proteger suas fronteiras, seus agentes de fiscalização e proteção é essencial para a defesa da Nação(corpo). Em um primeiro momento, saiba que a comparação de um país com um organismo vivo está presente na filosofia do Direito. Plínio Salgado[2]: “Uma Nação é como um corpo humano: um conjunto de órgãos e de tecidos e células, todos relacionados entre si e todos tendentes à manutenção do indivíduo. Isso nos leva a concluir que uma Nação não se pode governar sem um planejamento que abranja, ao mesmo tempo, o conjunto dos problemas e que esteja atento aos pormenores e às peculiaridades de cada um no sentido da unidade da solução global.” 

Dito isto, vamos ao exemplo. Os EUA enfrentam um problema semelhante ao do corpo humano, pois os democratas estão querendo acabar com as fronteiras, com a equipe de fiscalização (ICE) e deixar imigrantes ilegais entrarem sem restrições legais em sua terra. Os democratas desejam corromper os EUA e, assim como um corpo humano, uma Nação não se defende de invasões sem: exército, representado na série pelas Células T, Linfócitos e Macrófagos; sem fronteiras, representado na série, dentre outros elementos, pela pele humana; e sem lei. E, sejamos sinceros, nem todos os imigrantes ilegais são inofensivos. Deixei as fontes para este parágrafo ao final do texto.



Imigração legal, sim! Imigração ilegal, não!




Antes que acusem o texto de ser xenófobo, eu não estou atacando a imigração, mas a imigração ilegal, isto é, aqueles que não obedecem às leis do país no qual desejam entrar e o fazem de forma ilegal. Toda a migração, ordeira e dentro da lei, promove grandes benefícios ao país a que se destina, principalmente se sua entrada legal transcorrer de mérito. Meu bisavô foi sírio, bem como minha bisavó, logo tenho descendência síria. Em um contexto mais amplo, tenho em meu sangue a contribuição de índios, negros, sírios e italianos. O problema está, como mostra o vídeo abaixo, na imigração ilegal, isto é, daqueles que entram de forma ilegal em um país. 







Conclusão

Assim como você pode perceber que um corpo sem um sistema de defesa está fadado à morte, um país também precisa de estruturas de defesa que protejam seus habitantes, ou seja, um corpo, bem como um país, precisa de proteção às suas fronteiras e leis rígidas que impeçam abusos dos invasores. Caso invadido, um país precisa de agentes qualificados para atacar o problema. Um problema de segurança pública é idêntico a uma invasão por vírus e deve ser tratado com a mesma urgência. Se permitir a criminalidade, a violência se alastrará. Precisamos de uma política de segurança pública eficiente, de uma política de estratégia militar e cooperação das instituições pela segurança nacional.


Veja o vídeo abaixo para entender mais sobre o problema enfrentado pelos EUA.  




Abolish ICE: <http://www.foxnews.com/opinion/2018/07/05/tammy-bruce-abolish-ice-narrative-is-recipe-for-disaster-for-democrats.html>

Open Borders: <http://www.foxnews.com/politics/2018/03/07/sessions-unloads-on-california-dems-for-radical-open-borders-agenda.html>

Build the Wall: <http://www.foxnews.com/politics/2018/03/14/trumps-border-wall-look-at-numbers.html>



[1] Biomania: <https://biomania.com.br/artigo/sistema-imunologico-humano>
[2] Integralismo: <http://www.integralismo.org.br/?cont=-5042#.W1YKg9aJLIU>

Postagens mais visitadas deste blog

Ghost in the Shell

Máquinas vivas; Um fantasma surge; O homem virtual. Ghost in the Shell está mais próximo do que pensamos! 

Boushoku no Berserk

Berserk of Gluttony: Uma Série Que É Meu "Pecado"! Boushoku no Berserk (Berserk of Gluttony) - Pictures - MyAnimeList.net Fate é um jovem que acreditava ter uma habilidade inútil chamada "Gula", que o mantinha constantemente faminto. Ele era um vassalo em uma casa de cavaleiros sagrados, onde era tratado com desdém, nutrindo uma paixão secreta pela cavaleira Roxy Hart. Ela destaca-se como a única guerreira nobre em um mundo dominado por cavaleiros que abusam de seu poder para oprimir o povo. Quando Fate acidentalmente mata um ladrão enquanto ajuda Roxy, ele descobre que sua habilidade de "Gula" vai além do que parecia. Esse evento o faz perceber os aspectos positivos e negativos de seu "pecado". Comprometido a proteger Roxy, ele decide usar seu poder em prol da casa daquela que sempre o tratou com humanidade e respeito. Baseada em uma novel escrita por Ichika Isshiki , com arte de fame , "Berserk of Gluttony" é serializada desde 2017,

Ciclos de revolução: A Quarta Revolução!

Ciclos de Revolução: A Quarta Revolução Revisão: ChatGPT Estamos vivenciando a quarta revolução industrial/tecnológica, e muito tem sido discutido sobre os potenciais danos que esta revolução pode causar ao tecido social, incluindo desemprego e outras adversidades. Procuro refletir sobre o futuro com base no passado, observando no presente os mesmos receios que nossos antepassados enfrentaram nas três revoluções industriais anteriores. Começo com uma conversa que tive com uma taxista, para então discorrer sobre algumas das revoluções passadas. Durante uma parada em uma lanchonete que estava instalando terminais de autoatendimento no último ano, tive uma conversa: “Taxista: --- Estão instalando essas máquinas para substituir trabalho humano. Muitos caixas estão perdendo seus empregos. Isso é o capitalismo! Eu: --- Por outro lado, a tecnologia, ao eliminar um posto de trabalho (caixa de atendimento), cria outras necessidades. A lanchonete precisará de profissionais para manutenção de sof