Pular para o conteúdo principal

Outro Papos indica Little V Mills

 O belo também é harmonia musical, então, indicar o canal de um metaleiro que não somente faz covers de anime songs (anisongs) como também as adapta para o metal, é indicar o belo. Pode parecer estranho, mas o metal possui beleza, principalmente se o trabalho for rigoroso como o dele. Ele adapta para o heavy metal, ele canta e ainda canta em japonês. E a  beleza no heavy metal é multifacetada, indo desde o visual rebelde até a exuberância teatral, sempre refletindo a diversidade e a criatividade desse gênero musical.

Primeiro Boletim de 2018!

Primeiro boletim de 2018

Vamos começar 2018. Espero que tenham tido uma excelente passagem de ano. Vou me concentrar em dois tópicos essenciais: o blog e livros. São os pontos de interesse para este ano que se inicia.




O BLOG

O Outros Papos será renovado para mais um ano, mas permanecerá com a mesma estrutura do ano passado. Teremos textos mais elaborados na segunda-feira, poemas na quarta-feira e textos curtos (Drops) na sexta-feira. Caso necessário, usarei os demais dias da semana para escrever algo, porém, somente se for importante. A divulgação do mesmo se dará pela minha conta no Twitter (Paraymo1) e pelas páginas que uma amiga e minha mãe estão mantendo no Facebook. Um beijo, Bebel, e obrigado por tudo! Obrigado, mãe! A continuidade deste trabalho se dá, pois ele é necessário para a divulgação dos livros e, também, porque eu ainda almejo algo maior para ele. A proteção dos textos do blog continuará nas mãos da DMCA.

É um ano de eleições, com a América Latina em ruínas por causa dos ditadores. Pretendo escrever muito!


LIVROS

Estamos em ano da Bienal do Livro de São Paulo, que é uma das maiores feiras literárias do Brasil. Neste sentido, pensei em aumentar minha visibilidade na feira, levando ao evento muitos trabalhos. Até o presente momento, a editora Scortecci já levará dois trabalhos: “Faces de Deus” e “Fé de mais, ou Fé de menos?”. Entrarei em contato com a Perse, para colocar mais um trabalho no evento, que será o “Apocalipse: Brasília!”. Eu também vou trabalhar para lançar mais um título inédito: “Eu falei de crise!”. Este último ainda sem editora. Vou ter que trabalhar rápido para lançar, pois somente o registro dele na Biblioteca Nacional vai demorar quase 180 dias. Meu cronograma será bem curto.

Sobre a Bienal, penso em ir e gravar alguma coisa para o blog. Tomara que eu consiga, e também vou iniciar o que prometi realizar no ano passado, e não fiz, que é a divulgação do meu trabalho via ferramentas disponíveis na Amazon. Pretendo aumentar as vendas.

Então, vamos lá! Ao trabalho!



Postagens mais visitadas deste blog

Boushoku no Berserk

Berserk of Gluttony: Uma Série Que É Meu "Pecado"! Boushoku no Berserk (Berserk of Gluttony) - Pictures - MyAnimeList.net Fate é um jovem que acreditava ter uma habilidade inútil chamada "Gula", que o mantinha constantemente faminto. Ele era um vassalo em uma casa de cavaleiros sagrados, onde era tratado com desdém, nutrindo uma paixão secreta pela cavaleira Roxy Hart. Ela destaca-se como a única guerreira nobre em um mundo dominado por cavaleiros que abusam de seu poder para oprimir o povo. Quando Fate acidentalmente mata um ladrão enquanto ajuda Roxy, ele descobre que sua habilidade de "Gula" vai além do que parecia. Esse evento o faz perceber os aspectos positivos e negativos de seu "pecado". Comprometido a proteger Roxy, ele decide usar seu poder em prol da casa daquela que sempre o tratou com humanidade e respeito. Baseada em uma novel escrita por Ichika Isshiki , com arte de fame , "Berserk of Gluttony" é serializada desde 2017,

Outros Papos indica: Japanese Noodles Udon Soba Kyoto Hyogo

 Saboreiem! Um canal dedicado à culinária japonesa! Se gostarem, se inscrevam lá!

Traduções ideológicas

Hoje, no blog, não farei recomendações, mas sim uma sugestão. Há uma controvérsia em torno de alterações indesejadas em traduções e legendas de obras japonesas. Se os próprios japoneses começassem a traduzir e legendar seus animes para o Ocidente, essas distorções poderiam ser evitadas. Pergunto-me por que, até agora, os japoneses ainda não optaram por legendarem eles mesmos e disponibilizarem à venda discos com suas obras legendadas em outros idiomas. Isso certamente eliminaria o ruído ideológico e, sem dúvida, eu seria um dos consumidores da mídia física lançada por eles, com legendas "feitas em casa". Na administração, aprendemos que devemos apresentar não apenas os problemas, mas também as soluções. Portanto, considero essa a solução para o problema das alterações ideológicas em obras orientais.