Pular para o conteúdo principal

O belo vive!

 O Belo vive;  Sonhos na neve;  Alma limpa!

Feira do Livro de Brasília



Está acontecendo, no Complexo Cultural da República (Biblioteca Nacional), até o dia 1º de dezembro, a 31ª Feira do Livro de Brasília. Ao lado da recente Bienal do Livro de Brasília, que ocorreu ano passado, forma uma frente literária importante para a nossa cidade. O evento, este ano, conta com R$ 1,3 milhão de investimento do GDF, valor maior que o destinado para a feira em 2011.


“Investir na formação de cidadãos leitores como estratégia de transformação representa investir no patrimônio mais importante de uma nação, seu capital humano. Nesse sentido, a Feira do Livro de Brasília, que ao longo dos últimos 30 anos agrega e valoriza várias formas de expressões e saberes, indo do oral ao escrito, do popular ao erudito e de Brasília para o Brasil se justifica como espaço privilegiado para a realização de investimento tão necessário”. (Site do evento)


O espírito desta celebração à leitura é abraçado por todas as editoras ali presentes, bem como pelas entidades participativas e representantes de classe. Uma feira para o estímulo da leitura e da paixão pelo livro, que forma o cidadão do presente e do futuro, é simbolizada por diversos lançamentos. Para a reflexão sobre a história, para bem defender o futuro, temos como representante o livro “As Duas Guerras de Vlado Herzog-Da Perseguição Nazista na Europa à Morte Sob Tortura no Brasil” (Civilização Brasileira). Este livro em questão foi o vencedor do Prêmio Jabuti 2013, e será autografado no evento.


A conscientização é fruto do estudo e celebra a formação do cidadão de maneira a investir no capital humano. Com este pensamento, a escritora Gacy Simas lança seu livro em formato de DVD, formando o jovem leitor e informando sobre a necessidade da preservação ambiental. O livro traz a história em slide e arquivo de jogos para os jovens.

O Monstro do Mar de autoria de Gacy Simas



A fase atual é de investigação e debate, por isso, a feira reúne dois trabalhos interessantes sobre estes temas. O primeiro, segundo o próprio site, é “Vicente Vilardaga (DF) – autor de “À Queima-Roupa – o Caso Pimenta Neves”, que trabalhou com os dois protagonistas na Gazeta Mercantil e acompanhou de perto essa história. Vilardaga também entrevistou o assassino com exclusividade – participará no sábado (30), das 17h30 às 18h30, com Maria Stela Grossi Porto(DF – autora do livro Sociologia da Violência: do conceito às representações sociais), da mesa sobre Literatura policial”. Já o segundo é um debate sobre biografias:


“Na quarta-feira (27), das 19h às 20h30, será realizado o primeiro bate-papo sobre BIOGRAFIAS E DIREITOS AUTORAIS, com a filha de João Cabral de Melo Neto, Inez Cabral de Melo, e Toninho Vaz (Biógrafo dos Poetas Paulo Leminski e Torquato Neto)”.


Para quem gosta de futebol, a feira nos presenteará com a presença do jornalista Juca Kfouri e Afonso Oliveira de Almeida. Segundo o release do evento: “Na sexta-feira (29), da 19h às 20h, pela programação Literatura e Pensamento, teremos Literatura e futebol, o esporte mais amado do Brasil como motor da ficção, com Juca Kfouri (SP- autor de “Porque não desisto- Futebol, Poder e Política) e Afonso Oliveira de Almeida (DF) – autor de “A Copa do mundo é nossa ficção”.


Eu também participo do evento com dois trabalhos bem conhecidos. O “Papos que Ficaram na Memória”, ed. Litteris, que versa sobre os melhores papos deste humilde e pequeno blog, bem como, “Mangá Tropical- Um Estudo de Caso”, ed. Perse, que pesquisa e analisa a influência do tema japonês (narrativa e argumentação) dos mangás em nossos autores, para responder a uma pergunta polêmica: No Brasil fazemos mangá? Minha participação está no estande do Sindicato de Escritores do DF (Sindescritores), ao lado do estande da editora Vozes.  Também fico orgulhoso, pois o Dicionário de Escritores do DF, realizado pelo autor Napoleão Valadares, em exibição no estande da ANE, possui minha participação também. Uma grande honra para mim!

Eu e a autora Gacy Simas


  SERVIÇO

31ª Feira do Livro de Brasília

Data: 23 a 01 de dezembro

Abertura oficial: 23 de novembro (sábado), às 17h.

Horário de visitação: 10h às 22h

Local: Biblioteca Nacional de Brasília, Complexo Cultural da República.

Mais informações: www.feiradolivrodebrasilia2013.com.br

O Comitê Organizador da 31ª edição da Feira do Livro de Brasília se coloca à disposição para prestar os esclarecimentos que se façam necessários ao bom andamento de nossa parceria.

Ivan Valério,
Diretor Presidente

Telefone
(61) – 9988-2285

CÂMARA DO LIVRO DO DISTRITO FEDERAL
SIG. Quadra 08, Lote 2356, sala 301
(61) 3028-1054



Postagens mais visitadas deste blog

Boushoku no Berserk

Berserk of Gluttony: Uma Série Que É Meu "Pecado"! Boushoku no Berserk (Berserk of Gluttony) - Pictures - MyAnimeList.net Fate é um jovem que acreditava ter uma habilidade inútil chamada "Gula", que o mantinha constantemente faminto. Ele era um vassalo em uma casa de cavaleiros sagrados, onde era tratado com desdém, nutrindo uma paixão secreta pela cavaleira Roxy Hart. Ela destaca-se como a única guerreira nobre em um mundo dominado por cavaleiros que abusam de seu poder para oprimir o povo. Quando Fate acidentalmente mata um ladrão enquanto ajuda Roxy, ele descobre que sua habilidade de "Gula" vai além do que parecia. Esse evento o faz perceber os aspectos positivos e negativos de seu "pecado". Comprometido a proteger Roxy, ele decide usar seu poder em prol da casa daquela que sempre o tratou com humanidade e respeito. Baseada em uma novel escrita por Ichika Isshiki , com arte de fame , "Berserk of Gluttony" é serializada desde 2017,

Outros Papos indica: Japanese Noodles Udon Soba Kyoto Hyogo

 Saboreiem! Um canal dedicado à culinária japonesa! Se gostarem, se inscrevam lá!

Traduções ideológicas

Hoje, no blog, não farei recomendações, mas sim uma sugestão. Há uma controvérsia em torno de alterações indesejadas em traduções e legendas de obras japonesas. Se os próprios japoneses começassem a traduzir e legendar seus animes para o Ocidente, essas distorções poderiam ser evitadas. Pergunto-me por que, até agora, os japoneses ainda não optaram por legendarem eles mesmos e disponibilizarem à venda discos com suas obras legendadas em outros idiomas. Isso certamente eliminaria o ruído ideológico e, sem dúvida, eu seria um dos consumidores da mídia física lançada por eles, com legendas "feitas em casa". Na administração, aprendemos que devemos apresentar não apenas os problemas, mas também as soluções. Portanto, considero essa a solução para o problema das alterações ideológicas em obras orientais.