Pular para o conteúdo principal

REVELADA PARCERIA ENTRE CRUNCHYROLL E JBC

CRUNCHYROLL E JBC

O JBGroup, organização que comanda a JBC- editora, acaba de anunciar uma parceria para trazer ao Brasil o Crunchyroll- serviço de streaming de animes e dramas.

Segundo release, divulgado hoje, o JBGroup colocou a Japorama- a agência de comunicação da empresa- para cuidar da divulgação, localização e tradução do sistema e legendas para o português.  Esta parceria será responsável por um feito inédito, pois será o primeiro idioma (além do inglês) a fazer parte das legendas do canal.

CRUNCHYROLL- MINHAS IMPRESSÕES

 

Crunchyroll foi fundado em 2006 e, este ano, consegui meu cadastro para assistir e analisar o serviço. O conteúdo para o nosso país é extenso e conta com 113 shows, somente na área de animes, fora os dramas. São shows com nomes de peso, pois posso citar aqui Usagi Drop, Fairy Tail, Sket Dance, Gintama, Bleach, Naruto Shippuden, Place Promised in Our Early..., The Idolm@ster, Hayate no Gotoku, entre outros. Para a temporada chamada FALL 2011 nós já temos 12 shows. Eu ia colocar aqui a quantidade de capítulos que dá isso tudo mas, depois que passei de 1140 capítulos, eu desisti de contar! Aliás, isso é uma vantagem do Crunchyroll, pois eu o vejo como uma grande biblioteca.

A transmissão se dá de três formas: em SD, 480 (que é igual a imagem de DVD) e 720p. A transmissão em 720, diferente do que está sendo pregado em muitos fóruns de animês, é sim HD e é HD de qualidade. Podem conferir aqui uma matéria sobre isso (clique). Com a minha velocidade de conexão em 3Mb eu consigo assistir tranquilamente qualquer anime. Outra coisa que está sendo dita em fóruns é que a transmissão é estilo “youtube”, mas como disse, é 720p e vai bem com 3 Mb de velocidade, então, não vejo mal nisso.

As legendas, até onde eu assisti, não continham erros e nem engasgavam. Apenas quando meu antivírus rodava, para verificar algo, o vídeo dava uma pulada, mas é insignificante. Como a empresa que cuidará das legendas e da tradução será a Japorama, eu espero que continue com a mesma qualidade, ou que a melhore.

Outros serviços do Crunchyroll são: fóruns para a discussão e participação dos internautas, serviço de notícias com releases, loja para a venda de produtos (Blu-ray, DVD, camisetas, Cds...) e a venda de um software bacana chamado Comipo. Eu já o estou usando para criar quadrinhos para o meu blog. Além disso, foi feito um live stream diretamente da Comic Con New York e eu pude conversar, ao vivo, com o diretor Makoto Shinkai. Vocês não sabem a felicidade que isso foi para mim.

Agora vem a pergunta importante: quanto custa? Você escolhe! Pode assistir tudo de GRAÇA, basta apenas esperar que a propaganda de 30 segundos passe e o vídeo é todo seu. Nem precisa de cadastro. Ou pode pagar uma taxa. Não sei o valor que o JBGroup colocará para disponibilizar o serviço, mas esta é a página do Crunchyroll com os valores em dólar. E, pagando essa taxa, que é menor que 10 dólares, você tem o direito a assistir o anime, ou drama, uma hora após o lançamento dele no Japão. Este é um serviço chamado simulcast.

CONCLUSÃO

 

Streaming TV mais do que aprovada por sua variedade de títulos, qualidade e vários serviços. Além disso, pessoal, é tudo OFICIAL, ou seja, vai gerar empregos para o Brasil, renda para a população, prazer para o fã (como eu), tributos para o Governo, mais produtos e serviços para nós (como o comipo) e colocará dinheiro nessa indústria que nos traz tantas animações. Vamos lá! Eu recomendo!

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: