Pular para o conteúdo principal

#HASHITAG- 01



Nova revista da editora JBC, com foco na culinária japonesa e assuntos diversos, já está disponível. Uma revista interativa, "é possível acessar online todo o seu conteúdo e ainda conferir material exclusivo de cada edição através de seu smartphone, tablet ou computador, seguindo os links ou QR-Codes no final de cada artigo".

Nesta edição, "#HashiTag nº 1 ensinamos você a fazer um delicioso piquenique ao estilo japonês. Também revelamos os segredos do shoyu e trazemos receitas de dar água na boca do baladado restaurante e sushi bar Hideki. Há também espaço para notícias frescas, um ensaio com a modelo Neide Tsukasaki, mangás e muito mais".

Segundo o que li no release, "com foco na Culinária Japonesa, você pode localizar de forma fácil e rápida a matéria ou a informação que deseja", e assim fui conferir a revista virtual. Ela abre de forma fácil e, de fato, é muito versátil. Podemos clicar no índice e ir direto para a página que queremos e, além disso, possui a possibilidade de seguir links externos que interessem e complementam a leitura. Muito interativa. Existem alguns anúncios, dentro da revista, que poderiam usar este recurso, mas não usam. Ao clicar em um link externo, abre-se uma nova janela com o endereço correspondente e a revista entra em uma espécie de estado de "stand by" retornando assim que você clica nela. Uma revista com muitos recursos e que comprova o que disse em uma entrevista, que a interatividade e os recursos on-line farão a diferença no lançamento de novas publicações.

Revista #HashiTag 01 – Primavera 2011

Formato: 17 x 24 cm

Nº de páginas: 48 páginas + capa

Periodicidade: trimestral

Site para leitura

Pontos de Distribuição

Facebook: www.facebook.com.br/hashitag

Twitter: @hashitag

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: