quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Reflexão sobre o Estado!

Quanto menor o Estado, mais o Estado pode fazer pelo que lhe resta de obrigação.

O Estado mais gordo, ou seja, um Estado que eu já considero obeso, deve cuidar apenas de:

1)    Segurança- Forças Armadas, Polícias (Militar, Civil, Federal), Tribunais de Justiça, ABIN e MP;
2)    Educação- Biblioteca Nacional, escolas e universidades (com co-participação do mercado);
3)    Saúde- Hospitais, Farmácia Popular e controle de remédios.


Imagina, um orçamento de 1,7 trilhão de reais (PIB de 2016) concentrado em apenas estes itens! O orçamento da União está diluído em muitos projetos e que não somam em nada para o desenvolvimento do país. Se reduzir a participação do Estado, ele pode se dedicar a fazer melhor o que se destina a realizar. Na segunda-feira, nós vimos o quão benéfico é para o país um mercado livre da interferência do Estado. Todos os grandes nomes da economia mundial tem seus mercados livres, portanto, são países que concentram sorrisos. Pense também que um Estado menor tem menos chances de corrupção e que um Estado menor influência menos negativamente na inflação, taxa de preço e valores. Um Estado menor consome menos, por isso, precisa de menos impostos. Com menos impostos, a produção cresce e a arrecadação do Estado cresce (clique). Menos pobreza, mais educação. Menos pobreza, mais felicidade! São muitos benefícios que me fazem acreditar na minha frase acima.