Pular para o conteúdo principal

Refletindo sobre a Misericórdia e o Próximo

Mateus 22: “Ame o seu próximo como a si mesmo”



    Amai ao próximo! É interessante notar como essa passagem é especial. Aqui não se pede o amor a todos. Há sensatez, então, em pedir que se ame ao que está próximo. É mais fácil amar àquele que está ao nosso redor. E quem é o próximo? No livro de Lucas-  10:36,37 – “Qual, pois, destes três te parece que foi o próximo daquele que caiu nas mãos dos salteadores? E ele disse: O que usou de misericórdia para com ele. Disse, pois, Jesus: Vai, e faze da mesma maneira”. E “Vá e seja misericordioso” foi a ordem de Jesus. No dicionário, o sentido de misericórdia é “Sentimento de pesar ou de caridade despertado pela infelicidade de outrem; piedade, compaixão”. Existe, então, a necessidade que você perceba a infelicidade de outra pessoa e esta infelicidade origine, no seu interior, o sentimento de compaixão que, possivelmente, gerará a caridade.

    Séculos atrás, o próximo era a pessoa que estava em uma região geográfica próxima a você, ou seja, na sua cidade ou em seu bairro, pois era muito mais difícil conhecer a dor e o sofrimento de alguém distante. Hoje, o teu próximo é, também, aquele que teus sentidos alcançam mediante a ação dos meios de comunicação.  Antes, poderia ser seu vizinho. Hoje, além de poder ser seu vizinho, poderá ser uma pessoa do outro lado do mundo, cujo sofrimento chegou-lhe ao conhecimento pelos meios de comunicação. A nossa responsabilidade cresceu muito com isso.

    Somos responsáveis pelo amor a todos cujo sofrimento nos chega mediante diversas fontes sensoriais.  Ampliou-se, assim, o leque de pessoas que necessitam das ações de misericórdia. Ampliou-se a definição de “próximo” e relativizou-se o limite e a distância para com o mesmo. Aliás, as ações são divididas em duas formas, assim determinadas no Catecismo:

As obras de misericórdia corporais são:
1ª Dar de comer a quem tem fome;
2ª Dar de beber a quem tem sede;
3ª Vestir os nus;
4ª Dar pousada aos peregrinos;
5ª Assistir aos enfermos;
6ª Visitar os presos;
7ª Enterrar os mortos.

As obras de misericórdia espirituais são:
1ª Dar bom conselho;
2º Ensinar os ignorantes;
3ª Corrigir os que erram;
4ª Consolar os aflitos;
5ª Perdoar as injúrias;
6ª Sofrer com paciência as fraquezas do nosso próximo;
7ª Rogar a Deus por vivos e defuntos.

(Catecismo de S. Pio X. Capítulo IV. "Das obras de misericórdia")



    A coisa complica bastante se relacionarmos o próximo com o sentimento de misericórdia e os meios de comunicação. Torna-se uma missão demasiadamente grande, para qualquer pessoa, mas há um alento nas palavras que li na homepage da Igreja Nossa Senhora do Carmo (Campo Belo- MG): “Cada um dentro de suas possibilidades e dons, pode em diversos momentos da vida fazer obras de misericórdia. Para uns é mais fácil visitar enfermos, para outros é mais fácil ensinar os ignorantes”. Inseriu-se, no ato da misericórdia, dois fatores interessantes. O primeiro fator é que pode-se fazer o que estiver dentro de nossas possibilidades. O segundo fator é a possibilidade de escolher momentos da vida para efetuar as obras de misericórdia.

    Quando eu não consigo ajudar alguém que sofre, sempre me vem à cabeça o tormento de que estou falhando com a misericórdia. Somos falhos. Falhamos ao tentar findar sofrimento alheio, e isso me pesa sempre. Estas palavras acima me servem como remédio para essa dor. Devo sempre fazer de acordo com minhas possibilidades e no momento que julgar ser correto. Deus assim o faz:

“Isaías 30:18


Contudo, o Senhor espera o momento

de ser bondoso com vocês;
ele ainda se levantará

para mostrar-lhes compaixão.
Pois o Senhor é Deus de justiça.
Como são felizes todos
os que nele esperam!”

    Como sou fraco, sei que meu tempo não é o correto, mas é o que posso realizar no momento, diferentemente de Deus, cuja misericórdia vem no momento certo, embora, muitas vezes, não a compreendamos. A verdade é uma só: a misericórdia, nos dias atuais, deve ser praticada para qualquer um que lhe gere o sentimento, mas de acordo com sua possibilidade e tempo.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…