Pular para o conteúdo principal

Foi uma musa que me inspirou!

Fui Inspirado por doce musa angelical!


Bucólicos são os poemas românticos que enaltecem o verde,

Verde para valorizar o jardim,

Jardim que no horizonte se perde,

Perde-se de vista os floridos campos protegidos por colunas de marfim.

 

Minha imaginação vai longe ao escrever sobre estas formas poéticas,

Poéticas de fato, com colunas de marfim, flores, rosas e setim,

Setim que oculta uma princesa, contra tentações maquiavélicas,

Maquiavélicas são as intenções, creia em mim.

 

Uma princesa imaculada vestida de seda,

Seda que lhe recobre o corpo divino,

Divino!  Deitada em um gazebo, neste jardim, atraindo o olhar felino,

Felino, pois são olhos de caçador que brilham como uma labareda.

 

E aqueles cabelos caindo por sobre uma almofada,

Almofada que exala perfumes, mas você se contêm,

Contêm este ímpeto da carne, e se mantêm,

Mantêm longe, apreciando esta sua amada.

 

A poesia romântica é assim: platônica, bucólica e instigante,

Instigante, pois saber que uma princesa está ali deitada,

Deitada à espera de seus desejos, naquele instante,

Instante em que esta imaginação é por mim apreciada.

 

Ah, é um amor difícil, puro e esquecido,

Esquecido, pois hoje vamos sempre às vias de fato,

Fato! Não tem como contestar, o romantismo está vencido,

Vencido pelo prazer carnal, imediato.

 

Ainda nem entrei na questão da religiosidade,

Religiosidade é outro ponto do romantismo,

Romantismo medieval, que versava sobre uma divindade,

Divindade que poderia ser qualquer uma, sem pragmatismo.

 

Estes sãos os principais pontos do romantismo,

Romantismo como forma poética, construção da realidade,

Realidade que deu lugar ao Humanismo,

Humanismo que interpretou o amor de outra forma. E isso é verdade!

 

COTIDIANO

 

Bom, vamos entrar no subtópico cotidiano que, como sabem, uso para explicar a origem do texto poético acima. Que coisa bizarra! Quando digo que as palavras possuem vida própria, e o coração humano apenas as transmitem, eu não estou brincando. Acreditem, eu ia escrever sobre praias. Sim, era para sair um texto sobre praias e a ligação com o bucolismo. Ao invés disso, saiu um texto sobre as características da poesia romântica que são: bucolismo, amor platônico, musa inspiradora e religiosidade. O texto não fluía. Eu inventei de criar um poema em que a última palavra, de cada verso, repete como primeira palavra do verso seguinte, com exceção da última palavra, do último verso, de cada estrofe. Isso me amarrou demais e não deixou o texto fluir como eu queria. Todavia, acho que saiu um bom texto e espero que gostem do resultado, afinal, acho que foi minha musa inspiradora que recitou para mim. E, antes que perguntem, minha musa inspiradora, para este texto, foi uma pessoa muito querida que já faleceu. Estou quase acreditando em psicografia hehehe.

 





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diego Rox e o Jardim das Borboletas

Diego Rox e o Jardim das Borboletas
Como sabem, sou inscrito do canal do Nando Moura, ou seja, sou um dos “bots” do canal. Sobre este assunto, está até engraçado. Vou escrever sobre isto antes de entrar no assunto. Os adversários que temem a verdade nos ofendem com termos que não condizem com nosso real comportamento. Ficou engraçado, porque, se juntarmos todas as ofensas em uma frase, eu acabo virando um “robô, com recurso de bot, nazista e fascista, que não gosta de odores fortes”, por isso, está engraçado ver esta situação. Fui reduzido a um robô Windows 10, que não gosta de pum.
Ao assunto. Através do vídeo do Nando, sobre o uso de bots, eu acabei conhecendo o canal do Diego Rox. Veja um vídeo abaixo. Ele parece ter uma agenda parecida com a do Nando Moura, isto é, ele é cristão, pois acredita em Deus e em Cristo, prega ação contra a corrupção, homenageia os verdadeiros heróis anônimos, é caridoso e defende a liberdade. Uma agenda que também me aproxima dele, por isso, hoje, esto…

Cavaleira ou Amazona? Veja a resposta!

Amazona ou Cavaleira?
    Em meu tempo de colégio, nas décadas de 80 e 90, nos foi ensinado que o feminino de cavaleiro seria amazona. Em uma prova, um colega marcou o feminino de cavaleiro sendo cavaleira e foi repreendido. Desta forma, fixei amazona como o feminino correto para o termo em questão, ou seja, mulher que anda a cavalo. Ao assistir Walkure Romanze, eu me deparei com a palavra cavaleira e me questionei. Inclusive, alertei-os para a forma que eu julgava correta, mas sem retorno positivo. Deste modo, fui pesquisar para ver se a expressão estaria correta.


    Nestas pesquisas, encontrei um professor que prontamente me respondeu a esta questão. O caso estava solucionado com uma bela lição que, agora, repasso a vocês. Com a palavra o professor Ari Riboldi.
    No meu tempo de estudante, no ensino primário e no ginásio, também se aprendia assim: cavaleiro (masc.), amazona (fem); cavalheiro (masc.), dama (fem.). No entanto, os dicionários registram o termo 'cavaleira' …

Será o Veredito?!

Canal Será o Veredito?!
Foi a primeira recomendação do Youtube que gostei de ter recebido. Sobre o canal: “O Direito tá na mídia! O Direito tá na moda! Um juiz de direito se torna celebridade nacional. Tribunais transmitem suas sessões ao vivo pela televisão. Os meios de comunicação não se cansam de veicular notícias jurídicas. Mas, o mundo jurídico possui formalidades que dificultam a compreensão dos seus temas pelo cidadão que não tem formação no direito. Muito se fala; pouco se explica. Por isso surgiu o "Será o Veredito!?". Um canal que traz informações sobre o direito com uma linguagem simples, clara e objetiva.”



O primeiro vídeo que vi desse canal foi uma resposta ao Bugalho. Uma resposta baseada em livros, mostrando a fonte de seu conhecimento e minando, com ótimos argumentos, a posição de seu opositor. Todos os vídeos que assisti foram assim, com a fonte de leitura em mãos. Ele já se disse de centro-direita, o que o faz ser um aliado natural da liberdade e da proprie…