Pular para o conteúdo principal

OP indica um canal sobre Azur Lane

**Yostar** Copidesque: ChatGPT 4o A Yostar é uma empresa japonesa conhecida por seu papel de destaque no desenvolvimento e publicação de jogos mobile, com grande foco na criação de experiências imersivas e envolventes. Fundada em 2014, a Yostar rapidamente se estabeleceu como uma das principais desenvolvedoras do gênero gacha, conquistando fãs ao redor do mundo. **Jogos de Sucesso** Entre seus lançamentos de maior sucesso estão *Azur Lane*, *Arknights* e *Blue Archive*. Cada um desses jogos apresenta uma combinação única de mecânicas de jogo, narrativas cativantes e visuais atraentes que têm capturado a imaginação dos jogadores. *Azur Lane*, por exemplo, transforma navios de guerra históricos em personagens anime chamadas shipgirls, que lutam contra inimigos em uma narrativa rica e complexa. *Arknights* é um jogo de defesa de torre com uma narrativa distópica e design de personagens únicos, enquanto *Blue Archive* oferece uma experiência de RPG escolar com uma trama envolvente e person

Azur Lane e o poder das palavras (+18)

 **Azur Lane e a Semiótica** (+18)

Revisão: ChatGPT 4o


Não é de hoje que a semiótica se transforma em um poderoso recurso utilizado em séries japonesas. A primeira vez que percebi isso foi na série *Campione*, que analisei algum tempo atrás. Acho isso muito interessante. *Azur Lane* (jogo) começou a trilhar esse caminho em algumas campanhas anteriores e está expandindo esse conceito com a atual campanha.


**Light Of The Martyrium**


*Spoilers*




As Sirens são a principal ameaça à nossa dimensão, que elas chamam de "site test beta", mas um novo pano de fundo está se desdobrando e uma nova ameaça está surgindo. Algo muito pior que as Sirens está se aproximando. Em resumo, as Sirens são máquinas construídas com o intuito de defender a humanidade contra uma ameaça chamada X. Elas eram chamadas inicialmente de “Antiochus” (anti-x, usando uma tradução simples), mas, por algum motivo, se voltaram contra nós. As shipgirls, então, passaram a ser nossa única defesa contra elas. As Sirens já destruíram uma dimensão, aniquilando a humanidade. As shipgirls que sobreviveram tiveram uma mudança radical no núcleo de seus cubos (tecnologia que permitiu aos navios se transformarem em seres inteligentes e lindas mulheres). Essa mudança, promovida certamente pela dor, foi chamada de Metamorfose, e as shipgirls que passaram por isso se transformaram em METAs (de metamorfose). Pelo que estou entendendo, as METAs estão divididas em dois grupos. Um grupo quer destruir o site beta (dimensão protegida pelo Comandante), e outro grupo almeja destruir as Sirens e se autodenominam Ashes (cinzas), pois surgiram do fogo e da destruição, ou seja, são as cinzas, ou o que sobrou de sua dimensão destruída. Por isso, as Ashes são “lobos solitários”, mas como temos um inimigo em comum, muitas vezes elas são aliadas fortes e importantes. Tristes e melancólicas, elas sofrem ao ver nossa dimensão passar pelos mesmos ataques que levaram a dimensão delas ao extermínio. São shipgirls bem sofridas.


E o X, ameaça que fez com que a humanidade construísse as máquinas chamadas “Antiochus”, está chegando ao site beta, forçando-nos a nos aliar a algumas Sirens. Não a grupos completos, mas a um ou outro ser desgarrado. Nesse sentido, *Light of The Martyrium* começa com uma jornada do Comandante a um “mirror sea” (uma dimensão paralela que se anexa à nossa dimensão. Organizada, criada e administrada pelas Sirens, mas não unicamente por elas. A Royal Navy, por exemplo, já possui um instrumento que permite acessar e navegar pelo mirror sea chamado de Camelot). O mirror sea possui regras próprias e pode ultrapassar os limites do que consideramos natural.


O Comandante embarca nessa viagem com a finalidade de fortalecer uma Siren, inicialmente chamada de Miss D, que procura por um objeto que ela perdeu, chamado de “baleia”. As Sirens usam uma organização que lembra cartas de tarô, por isso, o D da Miss D faz referência a Death (a carta da morte do baralho cigano). E o mirror sea dela respeita os conceitos de morte. Tentar fortalecer a Miss D é importante para o Comandante, que também busca por suas memórias perdidas e pela sua própria origem. Existe aqui uma espécie de viagem no tempo, mas está cedo para falar sobre isso. Digamos que o Comandante é uma espécie de viajante do tempo também. Se a Miss D pegar a baleia de volta (uma arma em forma de baleia, que possui mais de um quilômetro de comprimento), ela terá suas memórias restauradas e poderá dizer ao Comandante o que ele deseja saber sobre si mesmo. Assim, o Comandante parte em busca da baleia junto com uma das Ashes mais importantes (a Rainha Elizabeth). Um Comandante caçando uma baleia é uma referência a um antigo livro muito querido (Moby Dick).


**Semiótica**


A semiótica é o estudo dos **signos**, que são elementos fundamentais na comunicação. Vamos entender cada um desses termos:


1. **Signo**: O signo é a unidade básica de significação. Ele pode ser qualquer coisa que comunica algo, seja na linguagem verbal ou não verbal. Um signo tem um **significante** (a forma perceptível, como uma palavra, imagem ou gesto) e um **significado** (a ideia ou conceito associado ao signo).


2. **Significante**: O significante é o material do signo, ou seja, o elemento tangível e perceptível que nos mostra a forma escrita ou falada do signo. Por exemplo, quando pensamos nas letras que formam uma palavra ou nos fonemas que compõem a manifestação fônica, estamos considerando o significante.


3. **Significado**: O significado é o conceito abstrato associado ao signo. É por meio do significado que formamos uma representação mental do que sabemos sobre o assunto. Por exemplo, quando visualizamos o signo "casa", incluímos aspectos físicos e detalhes, como uma construção com paredes, telhas, portas, janelas e cômodos.


Em resumo, a semiótica nos ajuda a entender como interpretamos os signos e aprimorar os processos comunicativos. Vale lembrar que a relação entre os signos linguísticos (significante e significado) é arbitrária, variando de língua para língua, conforme as convenções da comunidade de falantes.


Referências:

1. [Signo, significante e significado: qual a diferença? - Clube do Português](https://www.clubedoportugues.com.br/signo-significante-significado/).

2. [Semiótica - Wikiwand](https://www.wikiwand.com/pt/Semi%C3%B3tica).

3. [O que é: Semiótica na Filosofia - SÓ ESCOLA] (https://www.soescola.com/glossario/o-que-e-semiotica-na-filosofia).

4. [Semiótica: o que é, para que serve, origem, resumo - Brasil Escola](https://brasilescola.uol.com.br/redacao/semiotica.htm).



Alsace, nova shipgirl UR (Ultra Rara)


Uma vez explicado isso, voltemos ao jogo. O mirror sea se baseia muito no conceito de significado e tudo dentro dele alcança uma proporção equivalente ao que o significado de algo possui para a pessoa em questão. Uma das shipgirls que se junta a essa expedição se chama Alsace. É dela que sai originalmente o conceito sobre morte que cria as regras daquele mirror sea. O conceito dela ficou interessante. Como é um navio, a morte para ela simboliza uma cidade vazia, um porto vazio. É triste até. Dessa forma, através do conceito de morte para ela, uma cidade inteira é criada dentro daquele mirror sea.


E esse evento teve um ponto alto importante. O Comandante é uma pessoa comum, um militar da marinha, ou seja, sem nenhuma qualidade externa a isso. Porém, durante o evento, ao ver suas shipgirls encurraladas em um ponto distante do mirror sea, ele conseguiu alcançar o significado completo da palavra "Comandante" e se tornou um ser totalmente diferente e poderoso, capaz de enxergar o campo de batalha como se fosse um tabuleiro de xadrez. E tudo isso porque o Comandante conseguiu reunir todo o significado da palavra “Comandante” em seu ser. Sim, agora as palavras possuem poder dentro do jogo. E a melhor forma de estudar as palavras é através da semiótica.


Penso como seria bacana se a Yostar resolvesse seguir o exemplo da Nexon em *Blue Archive* e criar um animê dando ao Comandante um rosto. Agora que o Comandante está aprendendo o poder real da palavra que lhe concede o título, penso que seria a hora de criar um animê mais próximo do jogo, com a possibilidade de o Comandante poder usar o poder da palavra para ajudar as garotas que ele tanto protege e gosta. Seria incrível se fosse bem realizado. E sobre o jogo, que continue nessa rota, dando ao Comandante poder para ajudar as shipgirls de maneira mais eficiente, tendo um poder único que só ele pode usar: o conceito, o significado, o significante do signo COMANDANTE. Fico até arrepiado!


Postagens mais visitadas deste blog

Ghost in the Shell

Máquinas vivas; Um fantasma surge; O homem virtual. Ghost in the Shell está mais próximo do que pensamos! 

Boushoku no Berserk

Berserk of Gluttony: Uma Série Que É Meu "Pecado"! Boushoku no Berserk (Berserk of Gluttony) - Pictures - MyAnimeList.net Fate é um jovem que acreditava ter uma habilidade inútil chamada "Gula", que o mantinha constantemente faminto. Ele era um vassalo em uma casa de cavaleiros sagrados, onde era tratado com desdém, nutrindo uma paixão secreta pela cavaleira Roxy Hart. Ela destaca-se como a única guerreira nobre em um mundo dominado por cavaleiros que abusam de seu poder para oprimir o povo. Quando Fate acidentalmente mata um ladrão enquanto ajuda Roxy, ele descobre que sua habilidade de "Gula" vai além do que parecia. Esse evento o faz perceber os aspectos positivos e negativos de seu "pecado". Comprometido a proteger Roxy, ele decide usar seu poder em prol da casa daquela que sempre o tratou com humanidade e respeito. Baseada em uma novel escrita por Ichika Isshiki , com arte de fame , "Berserk of Gluttony" é serializada desde 2017,

Ciclos de revolução: A Quarta Revolução!

Ciclos de Revolução: A Quarta Revolução Revisão: ChatGPT Estamos vivenciando a quarta revolução industrial/tecnológica, e muito tem sido discutido sobre os potenciais danos que esta revolução pode causar ao tecido social, incluindo desemprego e outras adversidades. Procuro refletir sobre o futuro com base no passado, observando no presente os mesmos receios que nossos antepassados enfrentaram nas três revoluções industriais anteriores. Começo com uma conversa que tive com uma taxista, para então discorrer sobre algumas das revoluções passadas. Durante uma parada em uma lanchonete que estava instalando terminais de autoatendimento no último ano, tive uma conversa: “Taxista: --- Estão instalando essas máquinas para substituir trabalho humano. Muitos caixas estão perdendo seus empregos. Isso é o capitalismo! Eu: --- Por outro lado, a tecnologia, ao eliminar um posto de trabalho (caixa de atendimento), cria outras necessidades. A lanchonete precisará de profissionais para manutenção de sof