Pular para o conteúdo principal

O belo vive!

 O Belo vive;  Sonhos na neve;  Alma limpa!

Primeira mensagem do ano!

Copidesque: ChatGPT-3.5

Dall-E criou esse desenho a meu pedido. Notem que até hoje a IA não sabe desenhar mãos. 


“Pai Nosso que estais nos Céus,

santificado seja o vosso Nome,

venha a nós o vosso Reino,

seja feita a vossa vontade

assim na terra como no Céu.

O pão nosso de cada dia nos dai hoje,

perdoai-nos as nossas ofensas

assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido,

e não nos deixeis cair em tentação,

mas livrai-nos do Mal.

Amém.”


À medida que iniciamos um novo ano, quero compartilhar uma breve reflexão sobre a oração do Pai-Nosso. Frequentemente, quando recitamos essa oração, o fazemos em um estado de vitimização, como se fôssemos vítimas das circunstâncias. No entanto, note a parte em negrito: "livrai-nos do mal". Isso não especifica qual tipo de mal estamos nos referindo. O mal pode assumir diversas formas, não se limitando apenas às ações dos outros, eventos trágicos ou forças da natureza, ou mesmo à influência demoníaca da tentação e do Diabo que nos desvia do caminho correto.


Com a ajuda do Copilot (Bing), podemos obter uma visão mais abrangente do conceito de MAL. Isso inclui diversas perspectivas religiosas, onde o mal pode ser visto como uma força sobrenatural, uma entidade maligna, uma tentação, um castigo, uma prova, um mistério, entre outros. Por exemplo, no cristianismo, o mal está relacionado ao pecado, à desobediência à vontade de Deus, à influência do Diabo e à condição humana, enquanto no budismo, está ligado ao sofrimento, à ilusão, ao apego, entre outros.


Isso nos leva a considerar que a ação do mal pode ser realizada por nós mesmos. Por exemplo, o pecado da gula pode levar alguém a comer excessivamente, resultando em obesidade, colesterol alto e problemas cardíacos. Da mesma forma, a cobiça pode levar alguém a tentar tomar o que pertence a outros, resultando em problemas legais. Em resumo, nossas ações podem contribuir para o mal em nossas vidas. Portanto, ao orarmos para que Deus nos livre do mal, é importante refletir se esse mal não está sendo causado por nossas próprias ações, como os sete pecados capitais. Reconhecendo nossos erros, podemos nos aproximar de Deus, que nos perdoa e nos ajuda a resistir às tentações.


À medida que começamos o ano, convido você a refletir sobre esse aspecto e a buscar o auxílio de Deus para nos libertarmos do mal que pode ser causado por nossas próprias ações. Feliz 2024!

Postagens mais visitadas deste blog

Boushoku no Berserk

Berserk of Gluttony: Uma Série Que É Meu "Pecado"! Boushoku no Berserk (Berserk of Gluttony) - Pictures - MyAnimeList.net Fate é um jovem que acreditava ter uma habilidade inútil chamada "Gula", que o mantinha constantemente faminto. Ele era um vassalo em uma casa de cavaleiros sagrados, onde era tratado com desdém, nutrindo uma paixão secreta pela cavaleira Roxy Hart. Ela destaca-se como a única guerreira nobre em um mundo dominado por cavaleiros que abusam de seu poder para oprimir o povo. Quando Fate acidentalmente mata um ladrão enquanto ajuda Roxy, ele descobre que sua habilidade de "Gula" vai além do que parecia. Esse evento o faz perceber os aspectos positivos e negativos de seu "pecado". Comprometido a proteger Roxy, ele decide usar seu poder em prol da casa daquela que sempre o tratou com humanidade e respeito. Baseada em uma novel escrita por Ichika Isshiki , com arte de fame , "Berserk of Gluttony" é serializada desde 2017,

Outros Papos indica: Japanese Noodles Udon Soba Kyoto Hyogo

 Saboreiem! Um canal dedicado à culinária japonesa! Se gostarem, se inscrevam lá!

Traduções ideológicas

Hoje, no blog, não farei recomendações, mas sim uma sugestão. Há uma controvérsia em torno de alterações indesejadas em traduções e legendas de obras japonesas. Se os próprios japoneses começassem a traduzir e legendar seus animes para o Ocidente, essas distorções poderiam ser evitadas. Pergunto-me por que, até agora, os japoneses ainda não optaram por legendarem eles mesmos e disponibilizarem à venda discos com suas obras legendadas em outros idiomas. Isso certamente eliminaria o ruído ideológico e, sem dúvida, eu seria um dos consumidores da mídia física lançada por eles, com legendas "feitas em casa". Na administração, aprendemos que devemos apresentar não apenas os problemas, mas também as soluções. Portanto, considero essa a solução para o problema das alterações ideológicas em obras orientais.