Pular para o conteúdo principal

O belo vive!

 O Belo vive;  Sonhos na neve;  Alma limpa!

Como compreender símbolos em versão digital!

Como Compreender Símbolos

 

 



 

 

Este é um guia rápido da Editora Senac, de São Paulo, sobre a simbologia nas artes, escrito por Clare Gibson, que é especialista na área. Comprei este livro, pois ele contém explicações para diversos simbolismos que vemos em animações japonesas e nos quadrinhos também, além de outros símbolos de diferentes culturas. Segundo a sinopse:

 

 O essencial para desvendar imagens e sinais na arte, em um livro pequeno no formato e amplo no conteúdo:

- A linguagem do simbolismo: as pistas e mensagens que artistas e anônimos, desde os tempos remotos, codificaram em seu trabalho.

- Os tipos de símbolos: os sagrados, os pertencentes a um sistema específico, os indicadores de uma identidade e os alegóricos.

- As diferenças e as semelhanças: comparações reveladoras entre símbolos de culturas e povos de todas as partes do mundo”. (Antigo site da livraria Saraiva)

 

O livro explica os simbolismos e eu os inseri dentro do contexto com exemplos advindos de animês e de mangás, mas antes de entrar no conteúdo do livro, uma pequena explicação sobre símbolos. Segundo António Fidalgo- Semiótica Geral (1999: 18), “Símbolos são signos em que, não havendo uma relação de semelhança ou de contiguidade, há uma relação convencional entre representante e representado. Os emblemas, as insígnias, os estigmas são símbolos. A relação simbólica é intencional, isto é, o simbolizado é uma classe de objetos definida por propriedades idênticas”.  Em outras palavras, é um jogo de interpretação entre o significante e o significado de um signo. Ficaria difícil entender sem uma explicação sobre signo, significante e significado. Para explicar isso, uso as palavras de Márcia Fernandes, professora licenciada em Letras, que escreveu sobre o tema para o site Toda Matéria: “O signo linguístico representa o significante e o significado.

 

Ao ouvir a palavra “casa”, você pensará nas letras que a compõem (c-a-s-a) e nos fonemas que a representam (/k/ /a/ /s/ /a/). Isso é o significante.

 

Ao mesmo tempo, a palavra “casa” permite que você recrie o conceito na sua memória sobre o que você sabe acerca de uma casa, ou seja, uma construção com portas e janelas, com cômodos diferentes. Isso é o significado.”

 

Um autor projeta um símbolo cultural, em um personagem, e incorpora ao mesmo a definição que tal símbolo traz consigo. Um exemplo prático: ao desenhar uma policial, usando-se do símbolo da polícia (a insígnia, por exemplo), o autor dá a personagem todo o significado que aquela entidade possui. Ele coloca na personagem o significado do que venha a ser um policial, através dos símbolos que representem a entidade na sociedade. Dessa forma, qualquer pessoa inserida em uma sociedade, ao ver aqueles símbolos (veja figura abaixo) remeterá imediatamente ao significado (o que a polícia representa para você) e ao significante (o que a polícia representa para a sociedade).


 

You're Under Arrest por  Kōsuke Fujishima

 

 



 

Isso pode ficar muito complexo, quando o autor usar símbolos milenares em suas obras, pois o significado pode estar perdido com o tempo e a falta de uso do signo. Em se tratando de animês e mangás, isso pode vir a se tornar frequente para o ocidental, afinal, é uma sociedade milenar que consegue manter suas tradições, então, a leitura deste guia prático é importante para desvendar o que os diversos autores deixaram subentendido através de algum símbolo que o personagem venha a ter. Vou explicar com dois quadros. Cliquem para ampliar e desculpem a qualidade, fiz no paint, no sábado à noite. E domingo apliquei alguns efeitos na imagem, com um programa gratuito. O que está escrito na imagem ficou sem nitidez, mas eu explico nos seus respectivos parágrafos.

 

 

A arma usada por Shurato, na verdade, segundo o livro, é um Varja que simboliza as qualidades de suprema autoridade, irredutibilidade e iluminação da lei budista. Como devem lembrar, Shurato representava tudo isso. É o símbolo religioso determinando significados para o personagem. Ao compreender o significado do símbolo, fica evidente todos os demais aspectos relacionados ao personagem.  Como gritaria Shurato: "Poder de Shuuraaaaa!"

 

 

Shurato e "Como Compreender Símbolos"- pg 111 e a imagem de um Varja!

Até mesmo um simples ideograma é fonte de um significado poderoso. Como sabem, ao atacar, ou defender-se, o Cavaleiro de Ouro de Virgem (Lost Canvas e série clássica) evoca o poder de um simples ideograma que verbalizado determina o som de "OM". Um som que, segundo Clare Gibson, possui ressonância divina nas tradições sagradas da Índia e representa os poderes combinados de Brahma (criação), Vishnu (preservação) e Shiva (destruição). 

 

Capa de Lost Canvas 8 com um signo diferente do que explano e "Como Compreender Símbolos"- pg 123- com o significado de “OM”!
 


 O conhecimento dos significados destes símbolos é importante para ampliar nossos horizontes e nos fazer entender melhor o que está acontecendo, ou seja, o que os autores, em seus enredos, tentam transmitir com o uso destes signos, destes símbolos. Ao saber o que eles significam, tenho certeza, a história melhora, o interesse aumenta e o poder da cultura é entendido em sua totalidade. Vai dizer que, agora que conhece o significado de "OM", o impacto deste golpe não aumentou? Claro que sim!

 

 

 

Se quiser ter este maravilhoso guia, e tentar encontrar outros símbolos que já tenha visto em produções culturais, quer seja em animês ou mangás, ou produções ocidentais, fique à vontade.  Encontre-o aqui (Kindle).

 

Publicado em formato digital, em 2020, pela editora Senac São Paulo. A autora, Clare Gibson, é especialista em história da arte e possui os seguintes trabalhos publicados: The Hidden Life of Ancient Egypt (2009), The Hidden Life of Renaissance Art (2007), The Hidden Life of Art (2006), Symbols of the Goddess: Universal Signs of the Divine Female (1997, 2005), Sacred Symbols: A Guide to the Timeless Icons of Faith and Worship (1997), and Signs and Symbols: A Guide to their Meaning and Origins (1996).

 



Postagens mais visitadas deste blog

Boushoku no Berserk

Berserk of Gluttony: Uma Série Que É Meu "Pecado"! Boushoku no Berserk (Berserk of Gluttony) - Pictures - MyAnimeList.net Fate é um jovem que acreditava ter uma habilidade inútil chamada "Gula", que o mantinha constantemente faminto. Ele era um vassalo em uma casa de cavaleiros sagrados, onde era tratado com desdém, nutrindo uma paixão secreta pela cavaleira Roxy Hart. Ela destaca-se como a única guerreira nobre em um mundo dominado por cavaleiros que abusam de seu poder para oprimir o povo. Quando Fate acidentalmente mata um ladrão enquanto ajuda Roxy, ele descobre que sua habilidade de "Gula" vai além do que parecia. Esse evento o faz perceber os aspectos positivos e negativos de seu "pecado". Comprometido a proteger Roxy, ele decide usar seu poder em prol da casa daquela que sempre o tratou com humanidade e respeito. Baseada em uma novel escrita por Ichika Isshiki , com arte de fame , "Berserk of Gluttony" é serializada desde 2017,

Outros Papos indica: Japanese Noodles Udon Soba Kyoto Hyogo

 Saboreiem! Um canal dedicado à culinária japonesa! Se gostarem, se inscrevam lá!

Traduções ideológicas

Hoje, no blog, não farei recomendações, mas sim uma sugestão. Há uma controvérsia em torno de alterações indesejadas em traduções e legendas de obras japonesas. Se os próprios japoneses começassem a traduzir e legendar seus animes para o Ocidente, essas distorções poderiam ser evitadas. Pergunto-me por que, até agora, os japoneses ainda não optaram por legendarem eles mesmos e disponibilizarem à venda discos com suas obras legendadas em outros idiomas. Isso certamente eliminaria o ruído ideológico e, sem dúvida, eu seria um dos consumidores da mídia física lançada por eles, com legendas "feitas em casa". Na administração, aprendemos que devemos apresentar não apenas os problemas, mas também as soluções. Portanto, considero essa a solução para o problema das alterações ideológicas em obras orientais.