Pular para o conteúdo principal

Outro Papos indica Little V Mills

 O belo também é harmonia musical, então, indicar o canal de um metaleiro que não somente faz covers de anime songs (anisongs) como também as adapta para o metal, é indicar o belo. Pode parecer estranho, mas o metal possui beleza, principalmente se o trabalho for rigoroso como o dele. Ele adapta para o heavy metal, ele canta e ainda canta em japonês. E a  beleza no heavy metal é multifacetada, indo desde o visual rebelde até a exuberância teatral, sempre refletindo a diversidade e a criatividade desse gênero musical.

Ritos foi uma excelente pesquisa de campo!

 Ao escrever "Ritos", eu procurei estudar diversos campos ao mesmo tempo. O primeiro campo que foi estudado foi o campo da criação narrativa, pois foi a primeira história com ecchi (conteúdo sensual, mas que não seja vulgar como o hentai, que é o conteúdo erótico) que eu criei. Foi a primeira vez que me dediquei a esse tipo de construção. A inspiração veio de uma série em quadrinhos ecchi chamada Futoku No Guild, que me definiu novos horizontes de criação. Futoku no Guild me mostrou que o que eu considerava ser hentai, na verdade, poderia ser usado apenas como ecchi. Futoku No Guild pertence ao grupo Square Enix e está sendo disponibilizada para nós através do aplicativo da editora chamado "Mangá UP", então, não é uma série obscura, de uma editora questionável. Vão lá brigar com a Square Enix, vão! Pois bem, Futoku No Guild me determinou novos limites entre o ecchi e o hentai e eu resolvi experimentar. Estudei os aspectos principais da construção de Futoku e apliquei no enredo de Ritos. 


O segundo estudo foi na forma de divulgação da mensagem. Em toda a comunição existe o emissor (eu), o receptor (leitor), o meio em que a mensagem é distribuída ( aqui, no caso, foram duas plataformas) e a mensagem em si (o Ritos propriamente dito). Estudei, portanto, o meio também. Para isso, usei o Blogspot (Google) que é esse blog e o Deviantart que é uma plataforma para artistas e que permite a criação de obras NSFW (No Safe For Work), mas que respeitam as leis e não permitem abusos. No começo, eu escreveria em duas línguas e um conto só. Ritos seria escrito em português e traduzido para o inglês somente no Deviantart. Acabei mudando essa estratégia e convertendo o conto em um livro maior, com 06 capítulos. Para a tradução, eu usei o DeepL Translate. Ao publicar Ritos no Deviantart, eu procurei marcar o texto com o maior rigor possível de conteúdo sensível, para maiores de idade e que contém violência e linguagem adulta, ou seja, apliquei todos os bloqueios e alertas possíveis para evitar problemas. Aqui também!




O resultado foi mais do que promissor. O primeiro conto fez um sucesso tão inesperado, e tão acima do que eu já havia escrito, que eu resolvi tornar esse conto em uma série e já escrevi, até o presente momento, como já mencionei, seis capítulos que formam um primeiro livro e, por isso, já salvei o direito autoral da obra através da CBL (Câmara Brasileira do Livro). O estudo confirmou que:

1- Blogspot não está tendo o alcance de uma plataforma como o Deviantart. Enquanto aqui um conto mal pega 10 visualizações, no Deviantart, independente da língua (português ou inglês), cada capítulo chega a pegar mais de 300 visualizações. Como já fiz seis capítulos, em duas línguas, o material já foi lido mais de 3.600 vezes. E isso me deixou feliz e foi o motivo pelo qual resolvi transformar um conto em um livro maior. Como dizia o grande autor Ledo Ivo: "Quem conseguir vender mais de cinco mil exemplares de sua obra já pode ser considerado um autor de um best-seller", por isso, alcancei um sonho antigo, que é o de ter escrito um livro grande e meu primeiro "best-seller"! Pelo menos estou para alcançar a meta deixada pelas palavras do grande Ledo. 

Atualmente, os escritos no Deviantart já passaram de cinco mil visualizações.

2- Não importa a língua escrita. Eu achava que o português seria uma espécie de âncora que impediria o navio de zarpar do porto, ou seja, que estaria impedindo a evolução do trabalho e, por isso, resolvi testar essa hipótese e lancei a obra em duas línguas. O resultado foi que tanto em português, quanto em inglês, o número de visualizações da obra foi quase o mesmo, não havendo variação significativa entre eles (os capítulos). O Deviantart me mostrou que o português não é um empecilho para a obra ser lida, pois em inglês a obra pegou quase a mesma quantidade de visualizações.

3- O ecchi foi outra coisa que eu testei. E existe um público forte para o ecchi. Histórias marcadas com tags referentes a ecchi (sensual) atraem leitores, pois foi a obra mais lida que eu escrevi até hoje. Fiquei espantado com o resultado da plataforma e com a força dessas tags. 


O que farei agora é esperar um pouco, juntar um dinheiro melhor e criar coragem para transformar essa obra em uma "graphic novel" para explorar ainda mais o conceito de ecchi e ver outros resultados.     

Postagens mais visitadas deste blog

Boushoku no Berserk

Berserk of Gluttony: Uma Série Que É Meu "Pecado"! Boushoku no Berserk (Berserk of Gluttony) - Pictures - MyAnimeList.net Fate é um jovem que acreditava ter uma habilidade inútil chamada "Gula", que o mantinha constantemente faminto. Ele era um vassalo em uma casa de cavaleiros sagrados, onde era tratado com desdém, nutrindo uma paixão secreta pela cavaleira Roxy Hart. Ela destaca-se como a única guerreira nobre em um mundo dominado por cavaleiros que abusam de seu poder para oprimir o povo. Quando Fate acidentalmente mata um ladrão enquanto ajuda Roxy, ele descobre que sua habilidade de "Gula" vai além do que parecia. Esse evento o faz perceber os aspectos positivos e negativos de seu "pecado". Comprometido a proteger Roxy, ele decide usar seu poder em prol da casa daquela que sempre o tratou com humanidade e respeito. Baseada em uma novel escrita por Ichika Isshiki , com arte de fame , "Berserk of Gluttony" é serializada desde 2017,

Outros Papos indica: Japanese Noodles Udon Soba Kyoto Hyogo

 Saboreiem! Um canal dedicado à culinária japonesa! Se gostarem, se inscrevam lá!

Traduções ideológicas

Hoje, no blog, não farei recomendações, mas sim uma sugestão. Há uma controvérsia em torno de alterações indesejadas em traduções e legendas de obras japonesas. Se os próprios japoneses começassem a traduzir e legendar seus animes para o Ocidente, essas distorções poderiam ser evitadas. Pergunto-me por que, até agora, os japoneses ainda não optaram por legendarem eles mesmos e disponibilizarem à venda discos com suas obras legendadas em outros idiomas. Isso certamente eliminaria o ruído ideológico e, sem dúvida, eu seria um dos consumidores da mídia física lançada por eles, com legendas "feitas em casa". Na administração, aprendemos que devemos apresentar não apenas os problemas, mas também as soluções. Portanto, considero essa a solução para o problema das alterações ideológicas em obras orientais.