Pular para o conteúdo principal

Sengoku Youko

Revisão: ChatGPT Sengoku Youko: Yonaoshi Kyoudai-hen (Sengoku Youko) - Pictures - MyAnimeList.net Sengoku Youko: Yonaoshi Kyoudai-hen é um animê que cativa com sua mistura de ação, fantasia e drama. Vamos explorar os aspectos positivos da série: 1. História e Premissa:    - O mundo de Sengoku Youko é dividido em duas facções: humanos e monstros chamados katawara. A protagonista, Tama, é uma katawara que ama os humanos e está disposta a protegê-los do mal, mesmo que isso signifique lutar contra os de sua própria espécie.    - Seu irmão, Jinka, tem uma visão oposta e nutre ódio pelos humanos, apesar de ser um deles. Essa dinâmica entre irmãos cria tensão e profundidade na narrativa.    - Quando o grupo descobre um plano para experimentar em humanos e transformá-los em monstros, eles se unem para enfrentar essa ameaça, mesmo que isso signifique enfrentar um exército inteiro de guerreiros. Sengoku Youko é um daqueles animes que engana, pois apresenta personagens de traços fofos e uma comé

Mononogatari- Malevolent Spirits

Malevolent Spirits (Mononogatari)- o animê injustiçado


Mononogatari (Malevolent Spirits: Mononogatari) - Pictures - MyAnimeList.net


 

A temporada passada nos trouxe muitas séries de sucesso e inspiradoras. Uma delas, porém, enfrentou um julgamento que considerei injusto, pois sua qualidade foi bem acima da média que deram a ela. Até o último capítulo, a série estava com média 6.66 (número bem irônico), mas conseguiu fechar com uma média 7.14, o que é uma nota bem razoável. Na minha opinião, poderia ter fechado próximo a 8.5 sem dúvida. Por esse motivo, estou divulgando essa série. Divulgo-a, pois é ótima e merece melhor reconhecimento!

 


Sinopse:


Hyouma é de uma família (os Kunato) que tem como missão lidar com tsukumogamis. Quando jovem, ele presenciou um desses seres místicos matar seus dois irmãos. Ele apenas se salvou, pois seus irmãos impediram que esse ser o matasse. Mesmo assim, ele ficou com duas cicatrizes: uma cicatriz em seu rosto e a outra em sua alma. A cicatriz em sua alma o converteu em uma pessoa com grande ódio por tsukumogamis e isso começou a atrapalhar seu trabalho, pois ele, racionalmente, decidiu que selaria tsukumogamis antes que eles pudessem fazer mal a alguém. Seu avô, que é o atual líder dos Kunato, não gostando dessa atitude dele, o obriga a passar um ano na casa de Nagatsuki Botan, que vive com seis tsukumogamis como sua família. Se acaso fosse expulso da casa dela, não poderia herdar a liderança da família Kunato. E ele precisa dessa liderança para tentar achar o tsukumogami que matou seus irmãos e se vingar dele.

 

A série:

 

Dividida em dois court, a primeira parte, com 12 episódios, encerrou agora em março de 2023 e foi feita pelos estúdios da Bandai, tendo o selo editorial da Shogagukan-Shueisha. Sendo que a Bandai fez um excelente trabalho de animação, bem como a Shogagukan Music fez um grande trabalho com a trilha sonora da série. E o enredo, por si, demonstra uma grande lição, com grandes personagens.

 

Hyouma e Botan são os personagens principais dessa série e são as âncoras para todo o trabalho emocional do roteiro. Acredito que, pelo tema envolver ódio, muitos podem ter acreditado que Hyouma pudesse ser um personagem representante da figura masculina tóxica, entretanto, ele não é. Hyouma é astuto, apesar de ser ingênuo para certos assuntos, dedicado à sua causa, disciplinado, forte e sério ao extremo. Tão sério que isso rende algumas piadas em relação ao olhar dele. Ele tem um ódio profundo e, por conta de sua sinceridade, ele expõe sempre seus sentimentos com muita franqueza. Isso causa já atrito quando ele chega na casa da Botan e já se estranha com os tsukumogamis dela. E é essa sinceridade de coração aberto que o faz ser gentil e protetor quando possível. Ele é uma figura masculina completa, com muitas qualidades e defetos, porém, ele nunca foi tóxico. Ao tentar enfrentar seu ódio, e até proteger alguns tsukumogamis, vemos que seu esforço em melhorar é verdadeiro e sua disciplina o faz prosseguir contra muitas adversidades. Como ele teve a infância oprimida pela morte de seus irmãos, ele é até inocente para certos assuntos. Essa inocência é um ponto bem explorado para momentos de alívio cômico!


Já a Botan é outra personagem com passado sombrio. Sem dar muitos spoilers, ela tem uma “maldição” com ela, que faz com que os tsukumogamis fiquem atraídos por ela. Ela, então, é outra personagem com infância difícil, pois muitos a queriam, tanto humanos como tsukumogamis, para diversas finalidades. Ele foi considerada como um monstro e isolada. Ela sentia os olhares de ódio voltados para ela e assim ela cresceu, apenas conseguindo superar isso em uma idade mais avançada e, também, por conta de sua família de tsukumogamis, que a protege e sustenta.  

 

Esse casal promove duas visões de um mesmo assunto: Hyouma que só vê o mal em tsukumogamis e Botan que vê o bem deles. E as duas visões entram em conflito, fazendo com que os dois comecem a mudar. Botan percebe que nem todos os tsukumogamis são bons, bem como Hyouma começa a perceber que nem todos são ruins. Existe aqui um ponto de equilíbrio, em que nenhum dos lados parece ter vantagem narrativa, mas atraem-se mutuamente a um centro em comum. Ele não é tóxico, e ela não é “sojada” (termo usado como gíria para determinar uma pessoa sem força de vontade e muito fraca emocionalmente, que se deixa submeter a uma agenda que não deseja). É uma dupla com o tempero certo e que vai aprofundando um relacionamento interessante no qual os dois começam a crescer e evoluir.

 

Os tsukumogamis são outro ponto forte da série. Preciso explicar, primeiro, o que são. São seres folclóricos da cultura japonesa. No começo de seu conceito, os japoneses acreditavam que qualquer animal que pudesse passar dos 100 anos de vida, transformando-se em um yokai, seria um tsukumogami. Com o tempo, isso foi alterando. Depois acreditavam que até objetos que passassem dos cem anos poderiam se tornar tsukumogamis e, assim, criar vida. Após mais um tempo, essa cultura foi se alterando e começou-se a acreditar que qualquer objeto, que fosse muito amado, independente de ter 100 anos, se tornaria um tsukumogami, ou seja, começaria a ter vida e interagir com humanos. Uma pessoa que fosse possuída por um deus seria uma espécie especial de tsukumogami. Na série, uma pessoa possuída por um deus se chama moribito. E isso vai ser importante no enredo!  

 

O tsukumogamis da casa da Botan tem um comportamento interessante, fazendo com que Hyouma os estranhasse de imediato, pois eles comem e bebem, sem ter a real necessidade disso. Eles interagem e brincam com as pessoas de maneira normal, ou seja, são pessoas amáveis e com temperamentos bem distintos. A minha preferida é a Kagami (era um espelho), que se mostra muito franca e com atitudes bem engraçadas. Apesar de não ser uma criança, ela às vezes age como uma, e tem um lado sapeca que é adorável. Ela foi a primeira a notar, em primeira mão, uma tentativa de mudança do Hyouma, quando ele a salva e a “carrega como uma princesa” (palavras dela hehehehe). Como salientei acima, eles possuem comportamentos e temperamentos distintos, então, nem todos os tsukumogamis tratam o Hyouma bem, pois veem nele o ódio que ele carrega. Mesmo assim, todos eles começam a aceitar o futuro regente da família Kunato por conta do esforço dele em mudar e por conta do carinho que eles sentem pela Botan e, claro, pela finalidade pelo qual eles foram criados. Essa parte da finalidade deles me fez chorar de rir. Não esperava por aquilo!


Conclusão:

 

A série tem muita profundidade, não trata de sentimentos como o ódio, de forma superficial. As interações de todos os personagens são excelentes e eles vão ganhando camadas de elementos psicológicos que fazem com que eles todos se tornem tridimensionais. Tem muita comédia, apesar do tema e muita ação moral, o que faz com que eu dê um ponto a mais para a série. Moral é algo que nunca se deve perder de vista.  A cultura dos tsukumogamis é impressionante e eu adoro essa cultura espiritual. A série é um shonen/seinen (voltado a um público adulto), então, ela tem ação e é bem realizada. O estúdio entrega cenas ótimas de luta e com uma mistura excelente de música e emoção. A canção tema, que deixo abaixo, foi até um fator de alavancagem do grupo (Arcana Project), sendo um grande sucesso considerando outras projeções do grupo. A série é excelente e deveria ter sido assistida por mais pessoas, por isso, eu a deixo como indicação. O mangá já possui um volume disponível pelo Google Livros, bem como um segundo volume em pré-venda! E vejam rápido, pois a segunda parte da série estreará em julho desse ano!




Postagens mais visitadas deste blog

Ghost in the Shell

Máquinas vivas; Um fantasma surge; O homem virtual. Ghost in the Shell está mais próximo do que pensamos! 

Boushoku no Berserk

Berserk of Gluttony: Uma Série Que É Meu "Pecado"! Boushoku no Berserk (Berserk of Gluttony) - Pictures - MyAnimeList.net Fate é um jovem que acreditava ter uma habilidade inútil chamada "Gula", que o mantinha constantemente faminto. Ele era um vassalo em uma casa de cavaleiros sagrados, onde era tratado com desdém, nutrindo uma paixão secreta pela cavaleira Roxy Hart. Ela destaca-se como a única guerreira nobre em um mundo dominado por cavaleiros que abusam de seu poder para oprimir o povo. Quando Fate acidentalmente mata um ladrão enquanto ajuda Roxy, ele descobre que sua habilidade de "Gula" vai além do que parecia. Esse evento o faz perceber os aspectos positivos e negativos de seu "pecado". Comprometido a proteger Roxy, ele decide usar seu poder em prol da casa daquela que sempre o tratou com humanidade e respeito. Baseada em uma novel escrita por Ichika Isshiki , com arte de fame , "Berserk of Gluttony" é serializada desde 2017,

Ciclos de revolução: A Quarta Revolução!

Ciclos de Revolução: A Quarta Revolução Revisão: ChatGPT Estamos vivenciando a quarta revolução industrial/tecnológica, e muito tem sido discutido sobre os potenciais danos que esta revolução pode causar ao tecido social, incluindo desemprego e outras adversidades. Procuro refletir sobre o futuro com base no passado, observando no presente os mesmos receios que nossos antepassados enfrentaram nas três revoluções industriais anteriores. Começo com uma conversa que tive com uma taxista, para então discorrer sobre algumas das revoluções passadas. Durante uma parada em uma lanchonete que estava instalando terminais de autoatendimento no último ano, tive uma conversa: “Taxista: --- Estão instalando essas máquinas para substituir trabalho humano. Muitos caixas estão perdendo seus empregos. Isso é o capitalismo! Eu: --- Por outro lado, a tecnologia, ao eliminar um posto de trabalho (caixa de atendimento), cria outras necessidades. A lanchonete precisará de profissionais para manutenção de sof