Pular para o conteúdo principal

A vida sem Windows!

Dias sem Windows

Como sabem, eu deixei de lado qualquer produto Microsoft, incluindo Xbox, Word e Windows, pelos motivos apresentados na sexta-feira 19/06. Entrei de cabeça em outros sistemas e serviços e vou fazer uma breve explicação, mesmo porque meu conhecimento é muito superficial, mas, posso adiantar, foi a melhor escolha que fiz. Vou explicar com um pouco mais de detalhes.

Sistema Operacional (S.O.)



Meu novo sistema operacional (vou chamar assim) está rodando em uma máquina relativamente fraca, porém nova. Um notebook com Intel® Pentium(R) CPU 5405U @ 2.30GHz × 4 . O Pentium Gold tem um desempenho parecido com um I3 e, na verdade, ele perde para um Intel Core i3-10110U1, ou seja, o meu O.S. está em um computador mais fraco que o meu Windows estava anteriormente, todavia, eu me espantei com a velocidade e a estabilidade do sistema. Mesmo em uma máquina mais fraca, ele a faz rodar de maneira suave. No meu antigo Windows 10, se eu ligasse o Spotify e fosse tentar navegar, o navegador custava a abrir e a rodar. Aqui, eu abro o Spotify e, sem seguida, o navegador, e tudo funciona direitinho. 

Além de ser mais leve e mais estável, o meu novo S.O. não possui muitas falhas de segurança que possam ser usadas por um vírus, ou seja, ele é mais seguro que o Windows. Mesmo assim, como sou desconfiado, eu instalei um sistema antivírus que já vem de fábrica, afinal, não é porque o sistema possui poucas falhas de segurança, por ser código aberto, que eu vou relaxar na atenção. 



Em uma máquina com Windows, quase não se usa uma janela de comando (MS-DOS), mas no Linux o terminal (como chamam a janela de comandos) é essencial, divertida e interessante de se lidar. Estou aprendendo comandos e estou utilizando o terminal com frequência. É uma ferramenta de sistema incrível. 

Área de Trabalho

Como sou escritor e jornalista, a minha área de trabalho essencial são textos e imagens. O S.O. aparece com ótimas ferramentas nesse sentido, como o LibreOffice, que nada deixa a desejar para o Word e outros concorrentes, Além disso, estou usando o compartilhamento em nuvem da Google para guardar meus arquivos essenciais, e vou começar a usar, também, o Google Docs, o editor de vídeo e outras ferramentas, ou seja, para mim, os serviços da Microsoft não estão fazendo falta. Se eu desejar um trabalho melhor, uso o Indesign e, caso o Indesing não tenha aaptação para o Linux, acharei outro, como, por exemplo, o Scribus. E o melhor de tudo é que eles são "código aberto", ou seja, são ferramentas gratuítas para se trabalhar: 

WIKIPÉDIA2: Código aberto é um modelo de desenvolvimento criado em 1998, que promove o licenciamento livre para o design ou esquematização de um produto, e a redistribuição universal desses, com a possibilidade de livre consulta, examinação ou modificação do produto,[1] sem a necessidade de pagar uma licença comercial, promovendo um modelo colaborativo de produção intelectual.

A diferença

O que causa uma certa confusão é apenas a linguagem que difere entre o sistema Windows, que eu estava acostumado, com o sistema do Linux. Além disso, a instalação de pacotes pode ser um pouco trabalhosa e, recentemente, estou lutando com um pacote para colocar o scanner da minha impressora em funcionamento. Acredito que é questão de tempo até que eu consiga resolver isso e fazer o hplip funcionar direito. Ela imprime, mas não consigo fazer o scanner funcionar. 

No mais, estou adorando as novas descobertas, e a liberdade  de não depender de uma única empresa para conseguir trabalhar. Até a Steam funciona no Linux, então, em breve retornarei aos jogos. Deixo esse texto para que vocês conheçam que existe vida fora da Matrix, digo, MS. :) 

Leia mais em Versus: <https://versus.com/br/intel-core-i3-10110u-vs-intel-pentium-gold-5405u>

Leia mais em Wiki <https://pt.wikipedia.org/wiki/C%C3%B3digo_aberto#:~:text=C%C3%B3digo%20aberto%20%C3%A9%20um%20modelo,uma%20licen%C3%A7a%20comercial%2C%20promovendo%20um>


Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: