Pular para o conteúdo principal

Apoio ao Não-PlayStation Mil Grau!

Algumas semanas atrás, ficamos sabendo de uma acusação séria envolvendo um canal de humor negro e guerra de consoles, chamado Xbox Mil Grau, a respeito de uma possível injúria racial promovida por um membro do canal. A marca Xbox, no Brasil, lançou um comunicado nas redes sociais obrigando a Mil Grau a abandonar o uso da marca. Vocês podem ver o caso todo acompanhando a livre do Flow Podcast que estou deixando em anexo logo abaixo.



Em primeiro lugar, venho salientar que não acreditei nessa acusação. Crimes de racismo e xenofobia possuem uma raíz de rejeição em comum, isto é, geralmente um racista também possui traços de xenofobia. Em uma live da Mil Grau, eu comentei, via SuperChat, que meu bisavô era Sírio e tinha fugido para o Brasil, ou seja, nesse momento, todos ficaram sabendo que eu sou bisneto de árabe. Nunca fui tratado de maneira diferente. Sempre fui tratado bem, por isso, suspeitei de que algo estaria errado nessa história. Depois fui acompanhar a live do Flow e percebi que as acusações, ao meu ver, não representavam o que de fato havia ocorrido. Eu também fiquei sabendo, através de contas no Twitter, de mensagens dos acusadores da Mil Grau, muitos são “verificadinhos” (gíria usada para representar quem conseguiu a marca de verificado pelo Twitter) e alguns são funcionários da Microsoft, e fiquei com raiva total da marca.


Decidi abandonar totalmente a marca Microsoft, não apenas pelo que ocorreu com a Mil Grau, que será resolvido na justiça, mas pelos comentários e pensamentos dos verificadinhos que tomei conhecimento e que, de fato, representam a marca. Não uso mais Xbox. Não uso mais o Word. Não uso mais, nem mesmo, o Windows. Cancelei todos os serviços e até os arquivos em nuvem eu removi para o Google. Hoje, estou experimentando uma sequência de descobertas incríveis com serviços diversos. Nesse momento, estou operando em um computador sem Windows, escrevendo esse texto sem o Word e vou salvar esse arquivo na nuvem sem o One Drive. Esses serviços me fizeram falta? Não! Meu dinheiro vai fazer falta a eles? Considerando os milhões de usuários, acredito que não.


O que me doeu na alma foi perder minha GT com mais de 35 mil pontos. Também escrevo para alertar que, se forem procurar minha GT, após esse mês, não a acharão. Vou continuar seguindo a Mil Grau, mas vou deixar de lado a Xbox. Ainda estudo uma forma de voltar a jogar, sendo que Nintendo e PlayStation não me atraem. Talvez use a Steam.


Bom, recado dado!


Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: