Pular para o conteúdo principal

Liberal na economia e conservador nos costumes! O mesmo olhar!


Liberal na economia e conservador nos costumes

O debate continua sobre esse tema e não será esgotado com facilidade. Muitos conservadores alegam que quem é conservador já defende uma economia de mercado livre e que isso seria uma espécie de redundância. Queria, então, deixar mais elementos para pesquisa.

O primeiro ponto a se levantar é que existem economistas com visões conservadoras e liberais na questão, com profunda diferença de interpretação da realidade econômica. Cito um trecho de um texto de Gosta Esping-Andersen[1]: “A economia política conservadora surgiu em reação à Revolução Francesa e à Comuna de Paris. Foi abertamente nacionalista e anti-revolucionária, e procurou reprimir o impulso democrático. Temia a nivelação social e era a favor de uma sociedade que preservasse tanto a hierarquia quanto as classes. Status, posição social e classe eram naturais e dadas; mas os conflitos de classe, não. Se permitirmos a participação democrática das massas e deixarmos que a autoridade e os limites de classe se diluam, o resultado é o colapso da ordem social”.  

O texto de Esping-Andersen trata de análises sobre welfare state e como marxistas, liberais e conservadores veem e interpretam essa condição econômica e função do Estado. Através dele, podemos ver que os economistas conservadores viam o estado como um provedor contra o “caos” do mercado, portanto, eles acreditavam que o governo deveria intervir na economia. O Nacionalismo, como sabem, é uma “doutrina que prioriza o Estado como fundamental e único na gestão política” (Dicionário On-Line).

O economista  Luiz Carlos Bresser-Pereira relata com brilhantismo as diferenças entre uma economia com visão conservadora das demais visões econômicas. O texto é longo, mas, em resumo, é preciso fazer a distinção em 3 planos diferentes:

1)    Plano da teoria econômica- no qual os conservadores adotam a teoria do valor subjetivo, enquanto os progressistas adotam a teoria do valor do trabalho;
2)    Plano da análise macroeconômica, os conservadores adotam uma visão na qual a economia capitalista é auto-regulável;
3)    Plano da política econômica o conservador dará sempre prioridade à estabilização sobre o aumento de produção e o aumento da produção sobre a distribuição de renda.
O professor termina dizendo: “em última análise, o que distingue efetivamente um economista conservador, de um progressista é a sua atitude, são as suas teorias e as suas políticas em relação à distribuição de renda.”

Revista de Economia Política 5(4), outubro 1985: 5-14. Aula inaugural pronunciada na Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo, em 8.3.1985[2].

Com o primeiro texto como fonte, mostrei que existem pensadores conservadores que adotavam um pensamento mais próximo da visão nacionalista. Nacionalismo indica sempre a interferência do Estado em um nível alto, colocando o mercado sobre suas asas. Dessa forma, quebra-se a ideia de que um conservador sempre será guiado pela vontade de exercer um livre mercado. Sabemos que o nosso presidente é conservador, e que ele vai contra algumas ideias do Guedes, principalmente quando o assunto é a Petrobrás, mostrando um olhar mais nacionalista com essa questão.  Com o segundo texto, de um grande monetarista, indiquei que existem muitas diferenças entre uma economia conservadora, para uma economia liberal. Se continuarem a leitura do texto indicado, verão que a economia conservadora levou uma surra na primeira questão. Nos pontos seguintes, temos diversos textos ora defendendo, ora questionando tais posicionamentos.

Quando afirmam que não existe possibilidade de um conservador ser liberal na economia, eles desconhecem que existe diferença entre conservadores e liberais no campo econômico e, portanto, desconhecem as nuances da própria economia, do conservadorismo e do liberalismo econômico. Eu estou fascinado pelo trabalho econômico de Mises, apesar de gostar bastante do trabalho dos conservadores nessa área, e sou conservador na tradição, e nos costumes. Portanto, sou conservador nos costumes e continuo sendo liberal clássico (Mises) na economia, apesar de respeitar bastante o estudo conservador nesse campo.



Sobre esses “líderes” da Direita, ao que me parece, eles tentam ter o domínio da argumentação, tentando alegar que o outro desconhece o campo projetado, porém, são eles que desconhecem o setor e promovem uma divisão sem sentido. Não aponte o dedo para seu aliado, nunca! Esse tipo de divisão só promove a esquerda. Então, deixemos as coisas com essa mistura gostosa que só o Brasil consegue manter. Não vamos nos dividir ainda mais!  






[1] http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64451991000200006
[2] http://www.rep.org.br/pdf/20-1.pdf

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: