sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

Nota 5


Nota 5

Alguns roteiros assustam. Estava assistindo a algumas séries pelo Crunchyroll e fiquei gelado com algumas argumentações. Em “Somali and the forest spirit”, os humanos foram destruídos porque eram inflexíveis com as diferenças entre espécies. Foram devorados, e escravizados, porque acharam os monstros diferentes deles. É uma argumentação bizarra. Em resumo, os monstros fizeram mais ou menos isso: se você não concorda comigo e não me aceita, eu te mato, e te devoro. Parece familiar? Sim, é algo parecido com o famoso “menos ódio e mais amor” das redes sociais que, na verdade, revela mais ódio que amor. Os humanos, então, foram culpados mesmo pela própria extinção, como o roteiro tentou transmitir? Ou foram extintos por revelarem a verdadeira face dos monstros? Ficou a dúvida aqui.

Além disso, a série mostra a humanidade unidimensional, bem diferente do que o conservadorismo acredita. É uma visão muito próxima do que pregava Marx, então, aproveito para deixar esse vídeo abaixo como instrução e contraponto a essa visão. Impossível que toda a humanidade tenha seguido pelo mesmo caminho de destruição, uma vez que cada indivíduo que forma a sociedade é único e um ser racional.



Já em “The Case Files of Jeweler Richard” temos a famosa passada de pano para bandido. O roteiro tentou transmitir uma sensação de pena pela avó de um personagem que, por não encontrar emprego, virou trombadinha. Vamos colocar a situação de uma forma horrível: imaginem um personagem que ficou 42 anos sem uma namorada, porque o bicho é feio e casca grossa, então, ele resolve sequestrar uma garota para se satisfazer. Dá para dizer que ele é um coitadinho? Nunca! São situações parecidas. Não é a falta de oportunidade que leva uma pessoa para o crime, mas sua índole. A avó do personagem tinha uma índole propensa para o crime, então, desculpe, mas não senti pena de sua história de vida. O tempo que ela gastou aprendendo a roubar carteira, ela poderia ter investido em algum trabalho manual.



Apesar dessas derrapadas dos roteiristas que quiseram transmitir uma mensagem, mas revelaram outra, eu ainda continuo querendo assistir ao animê da pequena Somali. Já o outro, eu desisti e já larguei, porque farejei uma tentativa de lacrar. Não caia nessa de achar que bandido é vítima da sociedade!



Nota DEZ- Echidna!

  Nota DEZ! Apenas um nota DEZ hoje. Echidna foi a personagem feminina mais incrível dessa temporada. Ela não apenas lidou com as outras bru...