Pular para o conteúdo principal

Quando nos arrependemos de abandonar alguma série!


O ano está acabando. Como passou rápido. Muitos problemas, mas estamos seguindo em frente. Nesse fim de ano, queria deixar textos mais leves, então, vou apenas escrever como se estivesse em um café com amigos. Sei que os comentários estão desabilitados, por conta do vexame de não ter percebido que amigos estavam escrevendo e eu não estava sendo avisado dos comentários deles. Foi bem vergonhoso para mim. Entretanto, acredito que ano que vem eu vou liberar o espaço novamente, pois vou colocar alguém para me ajudar nisso. Vamos, então, ao monólogo! 😊

Em cada temporada, eu deixo de assistir alguma série por causa do enredo. É sempre o enredo que me faz assistir a uma série ou deixar de assisti-la. Entretanto, essa decisão de abandonar uma série não se sustenta para sempre para algumas séries que eu abandono. Eu acabo dando uma segunda chance para algumas, muito por conta dos spoilers que eu acabo pegando aqui e acolá. É, até nisso os spoilers me ajudam! Pensei em escrever sobre séries que abandonei e acabei retornando. O texto vai ter spoilers de séries antigas. Não venha reclamar depois! Aqui estão três delas:

Sword Art Online



A primeira temporada contou com o enredo de um capacete que aprisionava jogadores em um mundo virtual e que fritava o cérebro de jogadores que morriam no jogo, fazendo com que morressem na vida real. Achei muito besta, pois existem contramedidas para cada caso de sequestro e isso era um caso de sequestro. Invasão do sistema, através de hackers, para liberar os jogadores, ou desabilitar a função “frita-cérebro.exe”, seria uma medida possível. Abandonei a série por conta de não ter engolido isso.

Retornei na segunda temporada e fiz maratona da primeira temporada. Foi uma excelente surpresa, pois compreendi o interior dos personagens, a profundidade de seus medos e da mensagem que o autor estava passando de crescimento. Adorei, e ainda adoro, a Asuna que se comportou como uma guerreia, mas sem deixar de lado seu lado feminino. E, agora, com Alicization estou incrivelmente satisfeito com o aspecto técnico do animê, bem como do enredo que está nos mostrando um lado mais frágil do Kirito, tornando o cara mais humano.

The Fruit of Grisaia



Abandonei a série quando o Yuuji enterrou viva uma amiga dele, para mostrar para ela que ela desejava viver. Primeiro, a forma como ele a obrigou a enfrentar a morte é desumano. A morte por asfixia em um caixão é horrenda. Segundo, todos que almejam a morte passam por momentos de dúvida, e isso não significa que todos no fundo desejam viver. Terceiro, não se obriga um personagem a viver o enterrando em um caixão. É cruel além da conta. O Yuuji virou, naquele momento, o personagem mais b*B*ca da história. Depois fui aceitar a mensagem que aquele capítulo queria passar, de que temos que suportar nossa dor e sofrimento até que sejamos chamados para junto de Deus, ou seja, temos que carregar a nossa cruz.     

Retornei à serie quando vi que o Yuuji tinha virado menininha de traficante. Foi um momento de apreciar uma vingança e vê-lo sofrer. Sim, fui sádico! Depois, fui apreciando a série pelas meninas que ele protege e acabei assistindo a tudo e até ajudando no Kickstart quando os produtores da série pediram para financiar um projeto deles.

Love Live



Acreditem, eu abandonei a série após o último capítulo da primeira temporada. Eu não gosto muito quando misturam comédia e drama. Para mim, é como misturar um sabor azedo a um sabor salgado. Não gosto mesmo!

Depois, fui jogar o jogo para celular e fui vendo cenas aleatórias pelo youtube. O negócio foi atraindo minha atenção.  O resultado é que retornei ao fim da segunda temporada e acabei fazendo uma maratona da primeira. Agradeço a mim mesmo ter retornado 😊 , pois acabei vendo um dos mais lindos clipes musicais da história!  

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: