Pular para o conteúdo principal

Melhor Slice Of Life: Laid-Back Camp!

Melhor Slice of Life





Animações do gênero slice of life tem como principal foco o cotidiano dos personagens, o momento no qual eles vivem. Em animações desse gênero, o que prima no roteiro é a vida dos personagens. Deste modo, vemos personagens indo estudar, conhecendo algum esporte, tocando algum instrumento musical, ou conhecendo mais da cidade em que vivem. Não existem monstros a enfrentar e, se aparecer algum adversário, o roteiro não se foca nele. Mais vale a um slice of life mostrar um personagem tirando uma soneca do que salvando o mundo (rs).

Eu despertei tardiamente meu interesse por este gênero. Considerando que assisto animações japonesas desde a época de Groizer X, e considerando que o primeiro slice of life que gostei mesmo foi K-ON, percebe-se que meu interesse por este gênero é recente.

De forma muito abrangente, Urban Dictionary[1]: “The best and worst of life, conveniently sliced and packaged in the form of books, television, theater or cinema for your viewing pleasure. Things that are "slice of life" are generally emotion provoking, insightful, moving, but also realistic”.

E, nesta temporada, tivemos uma quantidade abençoada de séries neste gênero. E uma delas se sobressaiu. Já vendeu mais de 13 mil unidades em blu-ray (Anime News Network[2]). E isto impressiona, pois animações raramente passam de 10 mil unidades, somando-se DVDs e Blu-Rays. As que chegam ao número de 3 mil unidades vendidas já são festejadas como grandes sucessos.


Melhor Slice Of Life da Temporada de Inverno de 2018 é:
Yuru Camp, também conhecida como Laid-Back Camp!

http://www.crunchyroll.com/laid-back-camp






Sinopse Crunchyroll: “Nadeshiko, uma colegial que se mudou para Yamanashi, decide ir visitar o famoso Monte Fuji das notas de mil ienes. Contudo, enquanto pedalava para Motosu, ela acaba desmaiando de cansaço e acorda à noite num lugar desconhecido, sem saber como voltar para casa. Felizmente, ela é salva por Rin, uma garota que está acampando sozinha - e assim começa a história das garotas que adoram a vida a céu aberto”.

Não tem muito segredo em como avaliar uma obra neste gênero. Basta, a qualquer obra neste sentido, que te dê sensação de relaxamento, que te divirta com boas piadas, ou te faça chorar com algum destino trágico. Em síntese, que te dê prazer ao assistir à sua história. O que esperar de uma obra que conta histórias do cotidiano? Identificação, simpatia e sentimento.

Laid-Back Camp possui personagens fazendo o que de melhor pode se esperar de personagens deste gênero, ou seja, personagens que vivem a vida. Elas optaram por passar sua juventude acampando. O sentimento bucólico, isto é, de se aproximar da natureza, com as paisagens ao redor do monte Fuji e o próprio monte Fuji, é uma recompensa que não via em animações há um bom tempo. Foi tão prazeroso aos japoneses, que o Marco, do Intoxi Anime, disse em vídeo que o número de pessoas que começaram a acampar, após este seriado, aumentou muito no Japão. O sentimento bucólico foi abraçado por muitos.




As situações que elas passam também ajudam na identificação. Quem nunca precisou de dinheiro para poder adquirir alguma coisa de seu interesse? Em determinados momentos, elas escolhem trabalhar para juntar dinheiro e adquirir produtos para acampar. Eles precisam aprender a eonomizar e fugir das tentações do mercado. E isso é difícil (rs)! Eu já precisei aumentar minha produtividade, para melhorar meus recursos, e poder comprar alguma coisa que era de meu interesse, então, eu me identifiquei com este esforço delas. E aqui também tem um ensinamento valoroso. Se desejar comprar algo, trabalhe por isto! O trabalho dignifica a pessoa e ver um animê, discretamente, ensinando isso é muito gratificante!






E as personagens são alegres. Elas se divertem quando estão em grupo, e se divertem quando acampam sozinhas. Elas se divertem escolhendo produtos, assim como se divertem trabalhando. E nós nos divertimos com as piadas que o roteiro nos lança. Então, elas nos cativam pela simpatia e eu comecei a ter por elas muita empatia. Desde piadas com produtos, até piadas com mensagens de celular, é tudo muito bem montado e desenvolvido pelo roteiro. Dá para dizer que o enredo conseguiu retratar bem a juventude normal. Em determinados momentos, eu ficava me lembrando da minha adolescência e recordava que algum amigo meu, ou até mesmo eu, já tinha passado por alguma coisa parecida.





É uma série que vale a pipoca e a risada! E, por estes motivos expostos, eu escolhi esta série como a melhor série no gênero slice of life da temporada de inverno de 2018!       




[1] Urban Dictionary: https://www.urbandictionary.com/define.php?term=slice%20of%20life
[2] ANN: https://www.animenewsnetwork.com/news/2018-04-17/japan-animation-blu-ray-disc-ranking-april-9-15/.130489

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: