Pular para o conteúdo principal

Transformações e personagem transformador!

Estava lendo no Anime News Network uma das matérias sobre resultado de votações no quesito “transformação”. Foram votadas as mais belas transformações de heróis e heroínas. O belo destas transformações, para mim, é o contexto no qual elas se inserem, pois, em muitos casos, simboliza o fim de uma tirania. Quando o herói/heroína decide lutar, ele, ou ela, se transforma e isso simboliza, em grande parte dos roteiros, o fim do terror. Com a música adequada, é uma das coisas mais lindas de se ver em uma animação. Veja um exemplo clássico abaixo e clique para ver a lista completa no site Intoxianime:



E eu queria complementar com outra proposta. Sabiam que nem sempre esta transformação é visível? Existem casos em que esta transformação se dá no interior do personagem. Não existem relâmpagos, raios ou luzes, mas apenas uma mudança de postura, uma mudança de pensamento. Quando muda-se o pensamento, um herói surge! Em Magi, vemos isso claramente. A primeira série está disponível na Netflix.




Outro ponto importante é a ação do que eu chamo de “personagem transformador” (Outros Papos, Uol Blog, em 22/08/2011). Ele é aquele, como defini, capaz, por diálogo ou ação, de transformar o ambiente e mudar a trama para um final positivo ou negativo e, por consequência, mudar o destino de outros personagens. No vídeo acima, Alibabá teve o reforço positivo do Aladin para sua transformação. No clipe abaixo, da série The Idolm@ster, uma cantora é impedida de cantar por um trauma que a atormenta. A carreira está perto do fim, quando vários personagens se unem para mover o destino dela. Uma das cenas mais lindas que vi em 2011.   





Bônus! E antes que digam que animê é machista, a Morgiana retribui a ajuda e mostra aqui uma das mais belas cenas de ação desta série.







Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: