Pular para o conteúdo principal

Sengoku Youko

Revisão: ChatGPT Sengoku Youko: Yonaoshi Kyoudai-hen (Sengoku Youko) - Pictures - MyAnimeList.net Sengoku Youko: Yonaoshi Kyoudai-hen é um animê que cativa com sua mistura de ação, fantasia e drama. Vamos explorar os aspectos positivos da série: 1. História e Premissa:    - O mundo de Sengoku Youko é dividido em duas facções: humanos e monstros chamados katawara. A protagonista, Tama, é uma katawara que ama os humanos e está disposta a protegê-los do mal, mesmo que isso signifique lutar contra os de sua própria espécie.    - Seu irmão, Jinka, tem uma visão oposta e nutre ódio pelos humanos, apesar de ser um deles. Essa dinâmica entre irmãos cria tensão e profundidade na narrativa.    - Quando o grupo descobre um plano para experimentar em humanos e transformá-los em monstros, eles se unem para enfrentar essa ameaça, mesmo que isso signifique enfrentar um exército inteiro de guerreiros. Sengoku Youko é um daqueles animes que engana, pois apresenta personagens de traços fofos e uma comé

Star Trek Discovery

Star Trek Discovery e o discurso da esquerda

Estreou, semanas atrás, a nova série da franquia Star Trek. Eu assisti aos dois primeiros episódios. Sou um fã da franquia. Eu assistia à série de televisão clássica pelos embates divertidos entre o Kirk, Spock e o “Magro”. Eu assistia à “Nova Geração” pelas atuações de Patrick Stewart e do Brent Spiner que considero ser, ambos, as duas almas que salvaram a “STNG”. Sou tão fã que apoiei o documentário “For The Love Of Spock”. Podem ver meu nome nos créditos finais. Assisti a quase todos os filmes da franquia. E isso me dá muita experiência para retratar a nova série. Vou começar pelo que gostei, e que representa pouca coisa, e, depois, vou discorrer sobre o que não gostei.


O Lado Bom

Os efeitos especiais estão dignos. Temos que considerar que os efeitos são para uma série de televisão, mas percebe-se como eles avançaram com o tempo. São lindos, respeitam as leis da física e dão um charme especial para a produção. A atuação das principais atrizes, que carregam estes dois episódios, é ótima. Meu Deus, Sonequa Martin-Green deu muita tensão e personalidade para sua humana, que foi criada como uma vulcano, enquanto Michelle Yeoh ficou encarregada da serenidade e ponderação de uma capitã da frota. Os diálogos, entre elas, são pontos fortes do roteiro. Nos primeiros minutos da série, os diálogos entre elas me fizeram lembrar dos diálogos entre Kirk e Spock, entre o rigor lógico dos vulcanos e a maleabilidade do pensamento humano. Uma homenagem que me fez crer que um clássico poderia estar nascendo. Não estava. Comecei a perceber coisas desagradáveis com o roteiro e que me fizeram abandonar a série.


O Lado Mau

Desde a primeira série, o roteiro sempre entrega algum manifesto, tais como uma mulher na cabine de comando, dando voz à luta feminina por igualdade, ou uma ponte de comando organizada por integrantes de diversas etnias e nações, dando um exemplo, ao mundo, de tolerância. Lutas válidas! Entretanto, eles não pregavam absurdos como os que vi no roteiro. Absurdos defendidos pela esquerda mundial e que, parece, os autores desta série concordam.

Ideologia de Gênero

Uma bandeira defendida pela esquerda é de que o gênero é uma construção social. Desta forma, Sonequa é uma mulher com nome masculino (Michael) e, em vez de chamar Michele Yeoh de capitã, o roteiro teima em chama-la de capitão.  Quem estuda biologia conhece estes termos: fenótipo e genótipo. Por mais forte que possa vir a ser o fenótipo, ele nunca vai alterar o genótipo. E isso é biologia estrutural básica e que, por si só, já acaba com o falso discurso da construção social de gênero.
Eli Vieira (Biólogo) – “Gênero Não É Construção Social!




A Cultura Klingon

Durante estes dois capítulos, percebi algumas alterações na cultura da espécie Klingon e que me fizeram urrar! a espécie Klingon é uma espécie nobre, com conceitos de honra e família acima de tudo. Eles são uma representação da cultura samurai. Aqui, neste maldito roteiro, eles tratam a Federação como fracos, por serem uma aliança de muitas raças e espécies, e que constituem uma ameaça para a "espécie pura" Klingon, que não deseja se misturar. Aonde nós já vimos isso? Sim, é uma mistura do conceito da superioridade da raça ariana, com a intolerância com imigrantes. A pobre espécie Klingon passou de um grupo honrado, para um grupo que prega o nazismo. PUTZ!

E isso fica evidente na metáfora da destruição da USS Europa. Kahless lança sua nave e a usa como uma espada para dividir a Europa em duas partes. É uma alusão aos diálogos separatistas que estão sendo lançados contra a União Europeia como, por exemplo, o "brexit" e a resistência em receber imigrantes. Segundo esse roteirinho esquerdopata, a Europa está em vias de se dividir por conta dos intolerantes contra a imigração e a união dos povos.

Eu ajudo os imigrantes em geral, pois dou doações mensais para o ACNUR (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados) e para o Médico Sem Fronteiras, mas, também, sei que esta situação está beneficiando terroristas, que estão tendo facilidade em entrar nestes países para cometerem atos criminosos. A instabilidade na Europa não é por conta dos atos pró-nacionalistas, mas pelos atos pró-imigração, que estão permitindo a entrada de terroristas em diversos países. Atos terroristas por toda a Europa e a consequente vitória de políticos que tentam salvar seus países, endurecendo leis pró-imigração, são resultados disso.




Além disso, o roteiro ainda pisa na bola e altera a história Klingon ao mostrar uma versão diferente para a unificação das tribos. Quando se fala em unificação das tribos, Kahless o faz matando o antigo líder. Aqui, o “inesquecível” simplesmente conversa dois minutinhos com os líderes de cada uma das tribos e resolve a situação no papo. Só faltou pagar a cerveja depois. É algo superficial, mal escrito e corrido.

O Lema da Série

Em cada série, existe o capitão com seu lema. O principal, e nossa grande bandeira, é:

“Espaço: a fronteira final. Estas são as viagens da nave estelar Enterprise. Em sua missão de cinco anos... para explorar novos mundos... para pesquisar novas vidas... novas civilizações... audaciosamente indo onde nenhum homem jamais esteve”

Ela informa a que a série veio: exploração, pesquisa, diplomacia e diálogo. Discovery, nestes dois episódios que assisti, não tem essa abertura. Isso indica que a série não possui um objetivo, provavelmente veio defender bandeiras da esquerda mundial. Eu vou ajudar a série e criar o lema:

“Espaço: a fronteira final. Estas são as viagens da nave estelar Cuba. Em sua missão de duração ditatorial indeterminada... para defender a ideologia de gênero... para alterar a cultura Klingon... novas falácias sobre a imigração e o problema da Europa... audaciosamente indo onde nenhum esquerdinha jamais esteve”.



Atualizado em 09/10/2017 para complementar informações e corrigir erros.
   



Postagens mais visitadas deste blog

Ghost in the Shell

Máquinas vivas; Um fantasma surge; O homem virtual. Ghost in the Shell está mais próximo do que pensamos! 

Boushoku no Berserk

Berserk of Gluttony: Uma Série Que É Meu "Pecado"! Boushoku no Berserk (Berserk of Gluttony) - Pictures - MyAnimeList.net Fate é um jovem que acreditava ter uma habilidade inútil chamada "Gula", que o mantinha constantemente faminto. Ele era um vassalo em uma casa de cavaleiros sagrados, onde era tratado com desdém, nutrindo uma paixão secreta pela cavaleira Roxy Hart. Ela destaca-se como a única guerreira nobre em um mundo dominado por cavaleiros que abusam de seu poder para oprimir o povo. Quando Fate acidentalmente mata um ladrão enquanto ajuda Roxy, ele descobre que sua habilidade de "Gula" vai além do que parecia. Esse evento o faz perceber os aspectos positivos e negativos de seu "pecado". Comprometido a proteger Roxy, ele decide usar seu poder em prol da casa daquela que sempre o tratou com humanidade e respeito. Baseada em uma novel escrita por Ichika Isshiki , com arte de fame , "Berserk of Gluttony" é serializada desde 2017,

Ciclos de revolução: A Quarta Revolução!

Ciclos de Revolução: A Quarta Revolução Revisão: ChatGPT Estamos vivenciando a quarta revolução industrial/tecnológica, e muito tem sido discutido sobre os potenciais danos que esta revolução pode causar ao tecido social, incluindo desemprego e outras adversidades. Procuro refletir sobre o futuro com base no passado, observando no presente os mesmos receios que nossos antepassados enfrentaram nas três revoluções industriais anteriores. Começo com uma conversa que tive com uma taxista, para então discorrer sobre algumas das revoluções passadas. Durante uma parada em uma lanchonete que estava instalando terminais de autoatendimento no último ano, tive uma conversa: “Taxista: --- Estão instalando essas máquinas para substituir trabalho humano. Muitos caixas estão perdendo seus empregos. Isso é o capitalismo! Eu: --- Por outro lado, a tecnologia, ao eliminar um posto de trabalho (caixa de atendimento), cria outras necessidades. A lanchonete precisará de profissionais para manutenção de sof