Pular para o conteúdo principal

Puppi Baggio


Puppi Baggio

Estou trabalhando da seguinte maneira: cada fim de semana eu escolho um restaurante para conhecer e avaliar. O escolhido da semana passada foi o Puppi Baggio (site) pois estava decidido a encontrar um restaurante italiano na cidade. E que grande satisfação, pois Puppi me entregou tudo que eu esperava que Peppo Cucina fosse me entregar.

O restaurante funciona em uma casa discreta no bairro Moinhos e possui um lindo jardim frontal com mesas no exterior. No interior, a decoração da casa remete à fé brasileira de maioria católica, de maneira simples e interessante. Existem também fotos de casais e de famílias, tornando a decoração intimista. O objetivo da decoração é o reconforto e funciona muito bem, pois eu me senti entrando na casa de uma querida vovó. O interior é muito confortável.



O atendimento é discreto e o garçom é bem preparado. Eu estava em dúvida no que pedir e fiz algumas perguntas, que foram bem respondidas. Pedi uma recomendação, para o prato principal, e esta recomendação foi agradável. A casa soube treinar os garçons. E possui uma excelente coordenação entre salão e cozinha, coisa que escreverei ao final do texto.

Eu pedi courvert (cesta de pães, manteiga, berinjela e pastas), carpaccio (folhas verdes, alcaparra, parmesão e cogumelos) e prato principal (talharim ao molho pomodoro basílico) que serve duas pessoas e vou comentar um pouquinho de cada um nos parágrafos seguintes.




Os pães estavam com uma deliciosa casquinha crocante por fora e bem fofinhos por dentro, sendo acompanhados por manteiga de ervas, nata com alho-poró e uma pasta com frango. Só não provei a berinjela, pois sou alérgico. Uma ótima pedida para esperar pelos pratos seguintes. Tudo bem equilibrado e saboroso. Fiquei mordiscando os pães com prazer, enquanto conversava com minha mãe.



O carpaccio, geralmente, é servido apenas com o parmesão, alcaparras e molho para as fatias de carne, por isso, o verde acompanhando o prato foi uma bela novidade para mim. Ao experimentar esta nova sensação, fui surpreendido por um sabor discreto e humilde. As folhas verdes, o carpaccio e toda esta união assemelhou-se àqueles casais que ficam anos juntos e se conhecem muito bem. Equilíbrio é a palavra certa que define esse sabor.



O prato principal foi servido em uma panelinha. Achei de bom gosto e charmoso. Fiquei me imaginando com uma namorada (se eu tivesse uma), sentados juntos à mesa, com essa panelinha mantendo nossa massa aquecida, enquanto trocávamos carinhos. Ia ser um jantar bem romântico e reconfortante. Voltando ao prato, o talharim estava perfeito. A massa foi bem cozida, bem diferente do Peppo. O molho estava perfeito, pois tinha tudo bem preparado.

Aqui outra diferença entre Puppi e Peppo, pois no Puppi eu pedi uma sobremesa e o garçom me informou imediatamente que estava em falta. Isso mostra que a cozinha e o salão dialogam, bem diferente do Peppo que esconde o menu principal na incerteza da condição da cozinha. Para dar nota máxima só faltou conseguir experimentar esse doce.

No mais, eu gostei muito da casa e espero retornar para conhecer outros pratos e recomendo muito a casa pela qualidade total do trabalho apresentado. No inverno aqui do Sul, tenho certeza que a casa fica lotada no jantar. E, ao sair, acabei comprando um docinho sem lactose no Chocólatras que fica ao lado do restaurante. Um lugar sensacional.

Puppi Baggio mais informações clique na imagem abaixo: 




Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: