Pular para o conteúdo principal

Atena e a figura feminina


Ou Atena e o feminismo



Eu fui comprar mais uma camisa de Cavaleiros do Zodíaco e estava interessado por uma com a estampa da Saori Kido como Atena, mas era uma estampa para uma camisa feminina. Conversando com a atendente, eu fiquei sabendo que a versão desta camisa belíssima estava encalhada. A atendente disse que as garotas odiavam a estampa, por ser uma estampa que representava Saori. Ela até tentou dar uma de presente a uma amiga, que odiou o presente. Faltou educação de quem recebeu o presente também, mas isso não vêm ao caso. Notei, então, uma verdade inconveniente: as feministas odeiam Saori por achar que ela é uma representação de uma mulher fraca e submissa. Um engano de quem não conhece a história. Atena é a personagem mais importante e forte da série. Usando uma expressão feminista, Atena é uma mulher alfa, que comanda cavaleiros.  Usando uma expressão do Xadrez, ela é o Rei.

Para começar esta argumentação, devo dizer que existem diversos tipos de combatentes em uma guerra. Um soldado no fronte (Cavaleiros de Bronze) é apenas uma manifestação de um elo maior que compreende: espionagem, estratégia, comunicação, fabricação, combate, incentivo, amparo médico, entre outros fatores. Saori Kido reúne nela os elementos de estratégia, comunicação, incentivo, amparo médico e suporte técnico. Ela, então, fornece aos seus Cavaleiros instrumentos para o combate na linha de frente. Sem tais instrumentos importantes, não existiria defesa na linha de frente. A guerra dela é mais intensa do que a dos Cavaleiros de Bronze e tão importante que nenhum de Bronze venceria sem a ajuda dela.

 Na Batalha das Doze Casas, por exemplo, ela já demonstra este grande valor. Atacada por uma flecha dourada, Saori tem dois arcos torácicos quebrados (no mínimo), com um ferimento que se aprofunda de hora em hora em direção ao coração. Já quebrou algum osso? Lembra da dor de movimento ao tentar mover a articulação cujo osso está relacionado? Agora, imagine essa dor de movimentação a todo momento que se tenta respirar, além da pressão que a ponta da flecha faz nos tecidos ao redor. E, de hora e hora, a flecha se movimenta sozinha e corta ainda mais tecidos sadios. Apesar de toda essa dor, Saori começa a proteger seus guerreiros já na segunda Casa do Zodíaco: Touro.

Todos já estavam derrotados, quando ela manifesta seu cosmo dentro da casa de Touro e ergue o Seiya de uma cova criada por Aldebaran. Nesse momento, ela preenche o cosmo do Seiya ao ponto dele conseguir criar uma energia semelhante ao de um Big Bang (explosão que deu origem ao universo). Aldebaran vê este cosmo poderoso atrás do Seiya e, neste ponto, começa a acreditar que os de Bronze estão mesmo com Atena ao lado deles.  E essa ação se perpetua em quase todas as casas e pode ser representada pelo vídeo abaixo. Saori lança seu cosmo, como palavras de estímulo aos seus Cavaleiros, os ergue e aumenta seus cosmos, enquanto enfrenta a dor de uma flecha no peito. Ela, então, orienta, comunica-se, protege e dá suporte aos seus guerreiros. E, se não me falha a memória, ainda fica pegando chuva deitada no chão da primeira casa. Não é incorreto afirmar, então, que, sem ela, os Cavaleiros de Bronze não teriam passado pelos doze Cavaleiros de Ouro. Cavaleiros estes que se curvaram a ela a reconhecendo como a deusa Atena deles.




Esta ferramenta torna-se clichê e se repete nas outras sagas. Na Saga Poseidon, por exemplo, Saori se sacrifica, colocando-se dentro de uma coluna na qual toda a chuva do mundo se condensaria. Não dá nem para imaginar a pressão da água (volume por metro quadrado) que toda a água de chuva do mundo faria ao se concentrar em um lugar tão apertado. Com certeza, não seria como uma piscina. Eu imagino que teria força suficiente para esmagar um tanque de guerra e ela se prontificou a ficar lá, pelo mundo. Novamente, enquanto era esmagada e se afogava, ela ajudava seus guerreiros a vencerem os guerreiros de Poseidon. E na saga de Hades, apesar de não mostrar, mas é inferido por um diálogo, Atena saiu no braço contra Hades, após decidir se matar para ir atrás do senhor do submundo.

Espero ter conseguido provar o quão forte, poderosa e importante é Saori Kido para a série clássica e como ela consegue combater com serenidade, sabedoria, espírito, palavras e sacrifício. Aos meus olhos, ela é uma grandiosa e forte representação da figura feminina.  

Postagens mais visitadas deste blog

Outros Papos Indica: O Cérebro que se Transforma

Norman Doidge é psiquiatra, psicanalista e pesquisador da Columbia University Center of Psychoanlytic Training and Research, em New York, e também psiquiatra da Universidade de Toronto (Canadá). Ele é o autor deste livro que indico a leitura. O livro, segundo o próprio editor, “reúne casos que detalham o progresso surpreendente de pacientes” que demonstram como o cérebro consegue ser plástico e mutável. Pacientes como Bárbara que, apesar da assimetria cerebral grave, na qual existia retardo em algumas funções e avanço em outras, conseguiu se graduar e pós-graduar. Um espanto para quem promove a teoria de que o cérebro humano é um órgão estático, com pouca ou nenhuma capacidade de se adaptar. “ Creio que a ideia de que o cérebro pode mudar sua própria estrutura e função por intermédio do pensamento e da atividade é a mais importante alteração em nossa visão desse órgão desde que sua anatomia fundamental e o funcionamento de seu componente básico, o neurônio, foram esboçados pela p

TOP 3 de séries que merecem remake!

 Existem muitas séries da década de 90, na minha opinião, que mereciam um remake (manter a obra original, apenas contando novamente a história, com a tecnologia atual disponível). Vou citar aqui 3 delas. Estas séries foram escolhidas, pois são séries que ainda mexem comigo, que ainda gosto e que ainda lembro delas como se tivesse as assistido ontem. Esse foi o critério de seleção para esse simples TOP 3, de séries da década de 90, que mereciam um remake.  Oh My Goddess A série mesmo começou em 1988, encerrando-se em 2014, contendo um total de 48 volumes. Ela entra na lista por conta do seu primeiro OVA, lançado em 1993, cabendo perfeitamente nessa lista. A animação realizada pelo studio AIC foi uma das mais belas que já vi e promoveu a criação de outras séries, sendo que a última, se não me engano, terminou em 2013, com outro OVA. Já se passaram quase 10 anos desde a sua conclusão. Um remake dessa série, contando-a do começo a o fim, seria uma ótima celebração. O mangá vendeu mais de 4

Antologia Scortecci 40 Anos!

Antologia para edição especial de aniversário de 40 anos da Scortecci editora, para a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (2022) e, enfim, para ser a edição comemorativa dos 100 anos da Semana de Arte Moderna. Como as poesias já fazem parte desse blog, não faria sentido reescrevê-las, então, deixo aqui cópias das páginas da minha colaboração. Foi uma honra poder ter participado de tão nobre edição comemorativa. Obrigado pela oportunidade.     Primeira parte: Segunda parte: